gonçalves cordeiro

NUNCA FUI SANTO – Silval envolvido nos rombos da Assembléia

Na ação penal, Silval e Bosaipo são réus e respondem por crimes de fraude em licitação por utilizar empresa fantasma, segundo consta no processo, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, peculato e mais dois crimes. O julgamento de Riva se processa no Tribunal de Justiça de Mato Grosso

A nossa imprensa regional – que não investiga quase nada e que se cala sobre quase todos os mais palpitantes escândalos regionais – se mostra algo surpreendida (a maioria, é claro, nem trata do assunto!)  pelo fato do nome do atual governador Silval Barbosa aparecer como réu, ao lado dos notórios Riva e Bosaipo,  em processo no STJ que apura irregularidades cometidas na gestão da Assembléia Legislativa de Mato Grosso. Esse talvez seja o grande escândalo: o deputado Riva, certamente um dos parlamentares brasileiros mais processados por corrupção, entra ano, ssai ano, se mantém incólume no comando do Legislativo mato-grossense enquanto os processos contra ele avançam a passo de tartaruga em diversas instâncias do Judiciário. Silval, nesse caso é apenas um coadjuvante. Aliás, são muito os coadjuvantes, mais de 20, nesses processos sem fim. Parece até filme de Valéria Del Cueto. Deixariam de ser processos sem fim se surgisse um editor intimorato que abrisse uma retranta diária, na editoria de política, para falar diariamente do andamento dos diversos processos a que Riva responde, nas mais diversas instâncias. Mas o que foi feito deste editor intimorato? Será que ele existe ou algum dia vai existir? Os jornalistas de Mato Grosso – seguindo exemplo recentemente documentado por Mário Sérgio Conti, com relação à geração que cobriu o impeachment de Collor – costumam trocar o jornalismo investigativo pelo marketing, à medida que avançam em experiência e em competência. A vitória é sempre do lado negro da força. (EC)

Silval Barbosa afirma que só pagou processo licitatório que gerou ação penal no Superior Tribunal de Justiça

Da Redação – Jonas da Silva
OLHAR DIRETO

O governador Silval Barbosa (PMDB) esclarece que só pagou o processo licitatório de quando ele era da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa em 1999, no cargo de primeiro-secretário. O fato gerou investigação do Ministério Público Federal e a ação penal 662-MT a que ele responde no Superior Tribunal de Justiça (STJ), junto com o ex-deputado estadual e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), Humberto Bosaipo.

“A ação penal é da Assembleia Legislativa, de 2002. Eu entrei, tinha processo licitatório. Só conclui o processo e paguei. A licitação é uma investigação de 1999 e que concluiu em 2002”, informou Silval. “Denúncia tem todo dia. Está na justiça, não tenho nada a ver com isso. S e está no processo, vou me defender”.

Há uma semana, o ministro do STJ, Massami Uyeda, determinou a notificação da Assembleia Legislativa para que autorize ou não aquela Corte continuar a processar o governador, devido foro de prerrogativa de função que ele tem. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) tem Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4797 que questiona a autorização do legislativo mato-grossense para o STJ processar o governador.

Na ação penal, Silval e Bosaipo são réus e respondem por crimes de fraude em licitação por utilizar empresa inexistente, segundo consta no processo, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, peculato e mais dois crimes.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Riva (PSD) afirmou nesta sexta-feira ao Olhar Direto que a notificação do STJ já está no Poder Legislativo e que, antes de ir a plenário o pedido de autorização para apreciação dos deputados estaduais, o pedido deve passar por avaliação do Colégio de Líderes.

Riva e mais 12 pessoas respondem a processo sobre a mesma denúncia da ação penal no Tribunal de Justiça de Mato Grosso. “Deve ir a plenário. Antes, vai ser analisado pelo Colégio de Líderes. Depois a Assembleia vai decidir se autoriza ou não”, informa.

7 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    BANDO DE LADRÕES!!!
    VERGONHA DE NOSSO ESTADO!!!
    IMPRENSA CORRUPTA E COVARDE!!!
    O FIM DESSES BANDIDOS SERÁ TERRÍVEL!!!

  2. - Responder

    Quem tem de ter vergonha somos nós os eleitores, por colarmos no poder essa corja de bandidos. Agora temos de aprender a lição e tentar conhecer quem é o candiato antes de votar nele. Pela primeira vez começo a sentir vergonha de ser matogrossense,. Antes a gente se sentia ressentido quando diziam que no nosso estado só tinha onça, hoje é bem pior, pois dizem que só tem ladrões. Então ser conterrâneo de onça é melhor que ser conterrâneo de bandidos.

  3. - Responder

    Caberia ao governador pedir para a Assembléia aprovar autorização solicitada pelo STJ, enfrentar a justiça e provar que é inocente. Mas vamos aguardar, pois se o tal colégio de líderes não aprovar que o governador responda judicialmente, como cobra o STJ, será a prova cabal de que existe culpa no cartório, por que quem não deve não teme.

  4. - Responder

    Rssssssssssss, essa foto é providencial, uma beleza, os conluios, começam assim. Temos de parabenizar este fotógrafo. Quá,quá,quá….

  5. - Responder

    ninguém é réu sem indícios. faça o mesmo que voce fez quem denunciou o VLT, exonere voce mesmo governador, seja coerente em suas ações. os caititus nem se cogita em pedido de afastamento do governo. VAMOS VOTAR MELHOR MT, NÃO ADIANTA PEGAR 50,00 100,00 QUEM PAGARÁ DEPOIS SOMOS NÓS MESMOS, PAGAREMOS MILHÕES COM VOTO ERRADO.

  6. - Responder

    se os deputados não autorizarem o TJ investigar o governador, vamos pedir a PF e ao MP que investiguem os deputados por CRIME DE PREVARICAÇÃO.

  7. - Responder

    Nos idos de 1500, só eram enviados para a nova terra, bandidos de altíssima periculosidade. Só embarcavam nas naus portuguesas, pessoas degredadas. Ladrões, homicidas, fraudadores de escrituras publicas, pederastas, estupradores e cia. Essa nossa terra, só foi povoada por este tipo de gente. Somos bugres, e nossa elite é cabocla. Toda degredada. Essas negociatas esta no DNA dos nossos políticos profissionais. Vamos esperar o que? É dai para pior!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

15 − seis =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.