PREFEITURA SANEAMENTO

NOMES DO JUDICIÁRIO INVESTEM NA POLÍTICA: Eliana Calmon puxou a fila e se candidata ao Senado pelo PSB da Bahia. Após condenar centenas por crimes ambientais e de improbidade administrativa, entre outros, Julier Sebastião diz que a sua guinada política, em Mato Grosso, responde a uma demanda por “candidatos com espírito público”. Em Goiás, ex-procurador Mário Lucio Avelar tenta disputar o governo pelo PPS

Eliana Calmon, que pontificou no Conselho Nacional de Justiça e Julier Sebastião, que teve atuação decisiva no desbaratamento do crime organizado em Mato Grosso, são personalidades que trocaram as atividades forenses pela militância político-partidária. Calmon, no bloca do direita, apoiando o candidato Eduardo Campos e Julier no bloco da esquerda, reforçando a campanha pela reeleição de Dilma Roussef

Eliana Calmon, que pontificou no Conselho Nacional de Justiça e Julier Sebastião, que teve atuação decisiva no desbaratamento do crime organizado em Mato Grosso, são personalidades que trocaram as atividades forenses pela militância político-partidária. Calmon, no bloca do direita, apoiando o candidato Eduardo Campos e Julier no bloco da esquerda, reforçando a campanha pela reeleição de Dilma Roussef

 

tucano josé serra, banqueiro daniel dantas, procurador mario lucio avelar, livro operação banqueiro e ministro gilmar mendes2

O ex-procurador da República Mário Lúcio Avelar, que durante um longo período atuou em Mato Grosso, agora se afastou do Ministério Público Federal e tenta viabilizar sua candidatura pelo PPS, na base de apoio ao bloco da direita partidária que deve se polarizar em torno das candidaturas de Aécio Neves e Eduardo Campos à presidência da República

O ex-procurador da República Mário Lúcio Avelar, que durante um longo período atuou em Mato Grosso, agora se afastou do Ministério Público Federal e tenta viabilizar sua candidatura pelo PPS, na base de apoio ao bloco da direita partidária que deve se polarizar em torno das candidaturas de Aécio Neves e Eduardo Campos à presidência da República

 

Nomes do Judiciário investem na política

Juízes, promotores e procuradores planejam sair candidatos neste ano

A ex-ministra do STJ Eliana Calmon puxou a fila ao se filiar ao PSB para concorrer ao Senado pela Bahia

JOÃO PEDRO PITOMBO
FOLHA DE S.PAULO
Com ações de combate à corrupção no currículo, nomes do Judiciário e do Ministério Público ensaiam se lançar à política neste ano. Em ao menos cinco Estados, procuram viabilizar candidaturas ao governo ou ao Senado.

Famosa pela crítica aos “bandidos de toga”, a ex-ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Eliana Calmon puxou a fila e se filiou ao PSB em 2013 para concorrer ao Senado pela Bahia.

Há ainda dois procuradores, um promotor e um juiz que deixaram o Judiciário para disputar, respectivamente, os governos de Alagoas, Tocantins, Amapá e Mato Grosso.

Em comum, prometem defender as bandeiras da ética e da qualidade do gasto público, demandas que apareceram com força durante os protestos de junho de 2013.

“A sociedade está descontente, não se sente representada e quer mudança dos atores políticos”, diz Calmon.

Em Alagoas, o ex-procurador-geral de Justiça Eduardo Tavares (PSDB) é o nome da situação para a sucessão de Teotonio Vilela Filho (PSDB).

A aposta tucana é no histórico de ações de Tavares contra o crime organizado e a “máfia do lixo” em Maceió.

“A população busca um novo perfil de candidato”, diz Tavares, que deverá enfrentar Renan Filho (PMDB), filho do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB).

Em Mato Grosso, o juiz Julier Sebastião da Silva trocou uma carreira na Justiça Federal que duraria até 2023 para tentar ser chefe do Executivo pelo PMDB. Nas urnas, deverá disputar votos com o senador Pedro Taques (PDT), ex-procurador da República.

Após condenar centenas por crimes ambientais e de improbidade administrativa, entre outros, Silva diz que a guinada política responde a uma demanda por “candidatos com espírito público”.

Ele diz que “não começou ontem”. “Tive uma carreira de 19 anos no Judiciário, sempre com independência.”

No Tocantins, o ex-procurador da República Mário Lúcio Avelar (PPS) tenta viabilizar seu nome ao governo, construindo palanque para a candidatura de Eduardo Campos (PSB) ao Planalto.

O ex-procurador, que atuou nos escândalos dos sanguessugas (desvio de verbas federais da saúde) e dos aloprados (tentativa de compra de dossiê contra tucanos por petistas nas eleições de 2006), enfrenta resistências no PPS, que apoia o ex-governador Siqueira Campos (PSDB).

No Amapá, o ex-promotor Moisés Rivaldo ingressou no PEN para disputar o governo, mas ainda tenta costurar o apoio de outros partidos.

O presidente da AMB (Associação de Magistrados do Brasil), João Ricardo Costa, diz ver com cautela as investidas políticas de nomes ligados ao mundo jurídico. “É preciso ter maturidade e não tratar esses personagens como salvadores da pátria.”

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.65.145.111 - Responder

    a doutora eliana calmon, se conseguir se eleger, deve realmente sacudir o congresso nacional. fico feliz só de pensar.

  2. - IP 187.28.107.50 - Responder

    Afinal de contas, Mario Lucio será candidato em goiás ou em tocantins?

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 1 =