Na noite do dia 22, uma claque com aproximadamente 30 reacionários bradando diversos xingamentos atacou e agrediu o companheiro João Pedro Stédile, que acabava de chegar no Aeroporto Pinto Martins, em Fortaleza – Ceará, convidado por diversas entidades para participar de um Congresso Sindical e de uma atividade sobre Reforma Política e combate à Corrupção. A ação comandada pelo empresário do ramo imobiliário Paulo Angelim, militante do PSDB, revela o que há de mais conservador e retrógrado na sociedade brasileira: um ódio de classe, antigo e anacrônico, muito semelhante ao do fascismo

Movimentos, políticos e intelectuais prestam solidariedade a Stédile

Jornal GGN – Movimentos sociais, parlamentares progressistas e intelectuais emitiram uma nota de solidariedade ao líder do MST, João Pedro Stédile, que foi cercado por um grupo de pessoas com atos agressivos, na noite desta terça-feira (22), ao desembarcar do aeroporto de Fortaleza. A manifestação ofensiva foi comandada por um militante do PSDB.
“A ação comandada pelo empresário do ramo imobiliário Paulo Angelim, militante do PSDB, revela o que há de mais conservador e retrógrado na sociedade brasileira: um ódio de classe, antigo e anacrônico, muito semelhante ao do fascismo”, diz a nota.
De acordo com os movimentos sociais e demais signatários da nota conjunta, o grupo de pessoas é o mesmo que “tem impulsionado manifestações golpistas em Fortaleza no intuito de interromper o mandato da presidenta Dilma Rousseff, desrespeitando o voto popular e rompendo com a legalidade democrática no país”.
“Temos convicção de que a agressão sofrida pelo companheiro Stédile, não se limita a um ataque individual, ou somente ao MST. Esta agressão só pode ser compreendida como parte de uma ofensiva conservadora da direita na sociedade que busca criminalizar e intimidar todos/as aqueles/as que lutam por um Brasil justo e soberano”, defenderam.
O líder do PT no Senado, Hemberto Costa (PE), além de integrar a lista de assinaturas, também aproveitou a tribuna do Plenário para defender Stédile. “Quero registrar aqui o meu repúdio a uma agressão da qual foi vítima o dirigente nacional do MST”, afirmou. “Esse clima é patrocinado por muitos desses que, em nome de uma pseudodemocracia, agridem pessoas em espaços públicos. Mas, na verdade, precisam ter um basta”, defendeu.
Para Costa, o grupo são pessoas da base da ditadura militar que perderam espaço e “filhotes e herdeiros” daquele período que não aceitam a democracia. “Eles não representam o povo cearense, que é acolhedor e ordeiro, como o povo brasileiro”, disse.
Leia a Nota de Solidariedade na íntegra:

O conjunto de movimentos sindicais, populares, pastorais sociais, parlamentares progressistas e intelectuais comprometidos com a luta do povo brasileiro, vem por meio desta nota prestar solidariedade ao companheiro João Pedro Stédile, histórico militante das lutas sociais do Brasil e da América Latina.

Na noite do dia 22 de setembro, uma claque com aproximadamente 30 reacionários bradando gritos de ódio e diversos xingamentos atacou e agrediu o companheiro Stédile, que acabava de chegar no Aeroporto Pinto Martins, em Fortaleza – Ceará, convidado por diversas entidades para participar de um Congresso Sindical e de uma atividade sobre Reforma Política e combate à Corrupção.

A ação comandada pelo empresário do ramo imobiliário Paulo Angelim, militante do Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB, revela o que há de mais conservador e retrógrado na sociedade brasileira: um ódio de classe, antigo e anacrônico, muito semelhante ao do fascismo.

Não à toa, o grupo de reacionários que realizou esta ação é o mesmo bando que tem impulsionado manifestações golpistas em Fortaleza no intuito de interromper o mandato da presidenta Dilma Rousseff, desrespeitando o voto popular e rompendo com a legalidade democrática no país.

Estes reacionários utilizam-se dos símbolos nacionais e se dizem patriotas, mas são favoráveis a venda dos nossos recursos naturais às empresas estrangeiras, como no caso da Petrobrás. Se dizem contra a corrupção mas são assíduos defensores do financiamento empresarial de campanhas eleitorais e ainda hoje lastimam a decisão do STF.

Temos convicção de que a agressão sofrida pelo companheiro Stédile, não se limita a um ataque individual, ou somente ao MST. Esta agressão só pode ser compreendida como parte de uma ofensiva conservadora da direita na sociedade que busca criminalizar e intimidar todos/as aqueles/as que lutam por um Brasil justo e soberano.

Neste sentido, prestamos solidariedade ao companheiro e nos comprometemos a cerrar fileiras na defesa da democracia, da justiça social e da participação popular nos rumos da nação.

Fortaleza, 23 de setembro de 2015.

Centra Única dos Trabalhadores – CUT

Central dos Trabalhadores do Brasil – CTB

União Nacional dos Estudantes – UNE

União Brasileira dos Estudantes Secundaristas – UBES

Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB

Rede Nacional de Advogados Populares – RENAP

Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares

Marcha Mundial das Mulheres – MMM

União Brasileira das Mulheres – UBM

Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos – MOTU

Levante Popular da Juventude

União da Juventude Socialista – UJS

Rua – Juventude Anticapitalista

Coletivo O Estopim

Movimento Kizomba

Partido Comunista do Brasil – PCdoB

Partido dos Trabalhadores – PT

Partido Socialismo e Liberdade

Consulta Popular

Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos em Luta pela Paz – CEBRAPAZ

Fora do Eixo

Mídia Ninja

Movimento Democracia Participativa

Agência de Informações Frei Tito para América Latina – ADITAL.

Sindicato APEOC

Sindicato dos Metalúrgicos do Estado do Ceará – SINDMETAL

Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal do Ceará – SINTSEF-CE

Sindicato dos Empregados no Comércio de Fortaleza

Diretório Central dos Estudantes – UECE

Diretório Central dos Estudantes – UNIFOR

Deputado Federal José Guimarães

Deputado Estadual Elmano Freitas

Deputado Estadual Moisés Bráz

Deputada Estadual Rachel Marques

Deputado Estadual Renato Roseno

Vereador João Alfredo

Vereador Jovanil

Vereador Ronivaldo Maia

 

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Você queria o que Enock??? Um cara que prega livremente a luta armada no país se fazendo de vítima, esse meliante deveria estar era preso por atentar contra a Democracia!!!! Só você mesmo Enock, que decepção…

  2. - Responder

    O momento é de perigo. As hordas fascistas estão perdendo o pudor e passando a atuar à luz do dia, tentando calar os lutadores, os homens de bem. Temo por você, nobre jornalista Enock, neste Mato Grosso de tanta violência, onde o bispo Casaldáliga já foi vítima de tantas ameaças. Deus te proteja.

  3. - Responder

    Coitadinho dele . Até fui às lágrimas de dó , afinal esse um aí ( o vaiado) é um exemplo de democracia ; de respeito a propriedade e ao direito do proximo…..
    E aí vem uns e outros defender o monge tibetano ; a quase encarnação do Dalai Lama…..
    É muita cara de pau.

  4. - Responder

    Como se mantem esse Pedro Stedile,quem paga o salário dele?Pois ele não faz nada,só prega o comunismo e a luta armada NO BRASIL AFORA.SE FOR O mst,QUANTO ELE GANHA?QUANTO DE VERBA FEDERAL O MOVIMENTO recebe por ano do governo do PT,PARA montar o exército do companheiro LULLA?Se o governo paga,então somos nós que pagamos para esse desocupado ,que anda o tempo todo pregando o comunismo e a bagunça ,com invasões ilegais de fazendas e cidades para confrontar a “burguesia!.SAFADO!

  5. - Responder

    Vivemos um momento muito delicado na nossa jovem democracia. Temos um congresso nacional dos mais conservadores dos últimos trinta anos. Naturalmente que isso tem reflexo na sociedade. Aqueles que bradam contra a “corrupção”, fora PT, fora Dilma, são os mesmos que pregam a volta dos militares no poder, são os mesmos que nunca lutaram pela redemocratização deste país. São os reacionários de direita, que acham que a agenda política e social deste país, tem que estar de acordo com a conveniência deles. Essa mesma direita tomou corpo, e isso é bastante perigoso. Todo e qualquer dirigente de sindicato, movimento social, políticos e militantes de esquerda, tem que tomar muito cuidado para não serem alvos desses fascistas.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × 5 =