PREFEITURA SANEAMENTO

MP não vai na conversinha de Riva e pede nomes

No confronto entre Riva e o promotor Mauro Zaque, o cidadão tem a oportunidade de saber como a prática do nepotismo pode estar sendo favorecida pelas autoridades públicas de Mato Grosso

O notório deputado Geraldo Riva está sendo processado pelo Ministério Público por ter nomeado Tássia Lima, filha do desembargador Jurandir Lima que, pelo que argumenta o MP em ação civil publica que tramita na vara presidida pelo juiz Luiz Bertolucci, ganhava sem precisar trabalhar. Assim que saiu a noticia deste processo, Riva deu declarações à imprensa sugerindo que a moça Tássia Lima trabalhava, sim, e que o MP poderia estar fazendo uma retaliação já que, além de filhos de magistrados, a Assembléia Legislativa de Mato Grosso também empresa uma parentada de promotores de Justiça. Depois que Riva veio com esta conversinha, a reação do MP, através do promotor Mauro Zaque, é cobrar para que ele detalhe os nomes dos pretensos promotores de Justiça que empregam parentes na Assembléia. Será que Riva ameaçando arrolar nome depretensos  promotores que empregam parentes na AL, pensou que o MP iria recuar nas denúncias contra ele? Sei não. De qualquer forma, é assim que se chega à transparência nos negócios públicos, imagino eu.  Através deste mais esse enfrentamento Riva x MP, vamos ficar sabendo até onde vai o nepotismo cruzado ou simplesmente safado nas estruturas do poder público em Mato grosso. Confira o noticiário. (EC)

MPE investiga atos de improbidade

RENATA NEVES
DIÁRIO DE CUIABÁ

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil para apurar a veracidade de declarações supostamente feitas pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual José Riva (PSD), de que haveria parentes de promotores e/ou procuradores de Justiça inseridos de forma irregular no quadro de servidores da Casa.

O inquérito foi instaurado com base em informações divulgadas em matérias jornalísticas. Segundo o promotor do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, Mauro Zaque, se forem verdadeiras, as supostas informações prestadas por Riva podem configurar atos de improbidade administrativa com prejuízo ao erário.

Em ofício encaminhado ontem (14) ao gabinete do deputado, o Ministério Público requer ainda que ele informe, em um prazo de dez dias, a existência de nepotismo cruzado na Assembleia Legislativa do Estado.

“Queremos saber se existe qualquer parente de promotor de justiça e/ou procurador de justiça trabalhando na Assembleia Legislativa do Estado e via inversa, se algum promotor de justiça e/ou procurador de justiça está empregando algum parente de deputado estadual”, destacou Zaque.

Outro lado – Procurado pela reportagem, José Riva negou ter dado qualquer declaração sobre a existência de parentes de promotores ou procuradores de justiça nos quadros de servidores da Assembleia. Afirmou ainda ter sido mal interpretado ao se pronunciar sobre a acusação de que ele e o ex-deputado estadual Sérgio Ricardo teriam nomeado uma funcionária “fantasma” no período em que respondiam pela presidência da Assembleia Legislativa.

“O que eu disse foi que não interessa se é filho de juiz ou promotor, se está nos quadros da Assembleia tem que trabalhar. Pode até ter filho de promotor lá, mas eu não sei. Falei apenas para exemplificar”.

—————-

MP abre inquérito para apurar declarações de Riva sobre parentes de promotores na AL

Julia Munhoz
OLHAR DIRETO

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito para apurar as declarações do presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (PSD), sobre o fato de parentes de promotores e procuradores comporem o quadro de servidores da Casa de Leis estadual. Nesta sexta-feira solicitou ao parlamentar informações para instruir o procedimento.

De acordo com o coordenador do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, Mauro Zaque, a medida deve-se ao fato de que foram veiculadas matérias jornalísticas na imprensa em que o presidente da Assembleia Legislativa informava que parentes de promotores integravam o quadro de servidores da AL do Estado “e, segundo sugerido nas mencionadas notícias, de forma irregular, o que poderia configurar atos de improbidade com prejuízo ao erário”, afirmou o promotor.

Riva ‘alfineta MP’ e diz que filha de magistrado trabalhou

MPE denuncia Riva e Sérgio Ricardo e filha de magistrado

No ofício, o MPE requer, ainda, que o deputado informe a existência de nepotismo cruzado na Assembleia Legislativa do Estado. “Queremos saber se existe qualquer parente de promotor de Justiça e/ou procurador de Justiça trabalhando na Assembleia Legislativa do Estado e via inversa, se algum promotor de Justiça e/ou procurador de Justiça está empregando algum parente de deputado estadual”, destacou Zaque. O presidente da AL tem o prazo de 10 dias úteis para encaminhar as informações solicitadas, segundo a assessoria do MP.

O inquérito é reflexo de uma ação civil proposta pelo MP, recentemente, contra José Riva por suspeitas de ter contratado uma servidora fantasma. Segundo a denúncia, a filha do desembargador José Jurandir de Lima, Tássia Fabiana Barbosa de Lima foi contratada pela Mesa Diretora, mas não teria trabalhado, pois no mesmo período cursava a faculdade de Medicina Veterinária, em período integra.

Além do presidente, foram citados como réus na ação o ex-deputado e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Sérgio Ricardo e a servidora, supostamente fantasma. O MP chegou de solicitar o afastamento de Riva das funções financeiras e administrativas da AL, mas o pedido foi negado.

Na época, para rebater a ação do MP o deputado estadual afirmou que a denúncia não procedia e disse que assim como a filha do desembargador trabalhou na AL parentes de alguns promotores também prestam serviços na Casa de Leis. “Só porque é filha de desembargador não pode trabalhar? Assim como tem parente de promotor que trabalha aqui na Assembleia”.

PARA TER OUTROS DETALHES DO CASO, CLIQUE NOS LINQUES ABAIXO

http://paginadoenock.com.br/elite-predadora-sergio-ricardo-e-riva-mantiveram-tassia-fabiana-filha-do-desembargador-jurandir-lima-mamando-durante-3-anos-como-funcionaria-fantasma-da-assembleia-mp-cobra-afasta-punicao-para-se/

 

 

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.75.99.174 - Responder

    Já disse isso aqui. Riva caga e anda para todo mundo. Riva é o cara. Ele vive em outro país. A outrora gloriosa AL, é um feudo. É uma republiqueta e pronto. Ali ele é deus. Manda e desmanda. Ele tem o rabo de muitos e muitos aristocratas caboclos do TJ. Nem vou citar Silval, pois é um mero faz de conta. Faz de conta que governa. A bugrada que hoje estão de deputados, são meros figurantes!

  2. - IP 201.49.165.95 - Responder

    DR. MauroZaque, poe esse baixinho no lugar dele.

  3. - IP 200.181.47.98 - Responder

    existe sim, filho de promotor como assessor na assembleia, inclusive trabalhando no gabinete do Riva. (promotor com o sobrenome Leon)

  4. - IP 189.10.99.202 - Responder

    Afeee, Riva do Partido Sem Decência e Edér Sem Moral, MT não merece!!!

Deixe uma resposta para marlene    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × dois =