Movimento dos servidores do Judiciário em busca de melhores condições de trabalho e melhores salários, além de Cuiabá, sacudiu diversas comarcas do interior. Ordem dos Advogados do Brasil apoia as reivindicações “para que possam, via de consequência, contribuir com a efetividade, com a celeridade e com a razoável duração do processo”

Carta à Sociedade – dos servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso by Enock Cavalcanti

Servidores da Comarca de Brasnorte

Servidores da Comarca de Brasnorte

 

Quinze minutos que vieram para fazer história e mudar as características da luta sindical dos servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso. Na véspera do feriado do 1º de Maio, Dia do Trabalhador, não só em Cuiabá mas também em diversas comarcas do interior do Estado, os servidores do Judiciário ergueram seus cartazes em protesto contra as péssimas condições de trabalho e em defesa de salários mais dignos.

O sindicato da categoria, o Sinjusmat, pelo que testemunham, lhes virou as costas. O comando do Tribunal de Justiça não tem se mostrado muito atento aos seus reclamos. Por isso, o protesto, os cartazes, a carta aberta à sociedade mato-grossense pedindo desculpas pelos péssimos serviços que o cidadão recebe quando bate às portas da Justiça em busca de solução para as suas demandas.

Depois do impacto das manifestação, a primeira reação foi da diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso que se solidarizou com a luta dos servidores.

O presidente da OAB, advogado Maurício Aude, ressaltou que a Ordem apoia as reivindicações “para que possam, via de consequência, contribuir com a efetividade, com a celeridade e com a razoável duração do processo”.

Servidores de diversas Comarcas do estado foram às ruas e as principais reivindicações trataram da criação e efetivação de um plano de carreira e a aplicação de verba para melhoria salarial, entre outros.

Para Maurício Aude, é necessário ouvir os servidores que há anos sofrem com os problemas de falta de estrutura pessoal e se sobrecarregam em suas unidades de trabalho, causando atrasos na prestação dos serviços. “Os advogados e, em consequência, a sociedade, que são os principais clientes do Poder Judiciário, são os que mais sofrem com o resultado dessas deficiências nas varas”, finalizou.

Nas fotos, você vê alguns dos momentos que marcaram a luta dos trabalhadores neste histórico Primeiro de Maio.

 

Servidores de Nova Mutum

Servidores de Nova Mutum

Servidores de Chapada dos Guimarães

Servidores de Chapada dos Guimarães

 

Servidores de Cuiabá

Servidores de Cuiabá

 

Servidores da comarca de Campo Verde

Servidores da comarca de Campo Verde

Servidores de Alta Floresta

Servidores de Alta Floresta

Servidores de Rosário Oeste

Servidores de Rosário Oeste

 

 

Servidores de Pedra Preta

Servidores de Pedra Preta

 

Servidores de Matupá

Servidores de Matupá

Servidores de Nova Ubiratã

Servidores de Nova Ubiratã

 

Servidores de Tangará da Serra

Servidores de Tangará da Serra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

16 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Maravailha!!!!
    Explica isso Rosenval?
    Explica isso Des. Orlando Perri?

  2. - Responder

    Muito justa e legítima a luta dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso. Infelizmente a sociedade finge não saber ou não se preocupa com o que está acontecendo dentro do judiciário e, por outro lado, são poucos os meios de comunicação que querem se comprometer com a causa dos servidores.
    O problema da falta de salário digno e respeito com o servidor é crônico.
    O Poder Judiciário de Mato Grosso tem um dos melhores salários pagos a juízes do Brasil e na outra ponta um dos piores salários pagos a seus servidores e, mesmo sendo um dos melhores salários pagos a juízes figura como um dos piores em serviços prestados. É o terceiro pior do país e se não andar muito rápido vai ser o pior.
    A sociedade precisa ficar ciente disso e se manifestar e a OAB precisa intervir nessa causa.
    No dia 29/04 o Presidente do TJ/MT e sua comitiva estiveram em Cáceres para inaugurar o fórum, fazer uma audiência pública (para qual a sociedade civil organizada não foi convocada, digo associação de moradores, sindicatos, igrejas, com exceção da Maçonaria, Lions e Rotary), reunião com os magistrados e em seguida com os servidores. Em audiência pública o Presidente disse em alto e bom tom que um servidor efetivo custa aos munícipes R$45.000,00 (quarenta e cinco mil reais) ao ano; um funcionário terceirizado custa R$ 40.000,00 (quarenta mil) e um estagiário R$ 12.000,00 (doze mil) e que uma das metas é contratar estagiários por que sai mais “barato” para o poder. Fiquei triste, perplexa e estarrecida com a notícia, primeiro porque ele não disse quanto custa um magistrado por ano aos munícipes e segundo por ver que a sensibilidade para com a causa do servidor é aniquilada, sem contar que o estágio ofertado no judiciário beira ao regime de escravidão, o estagiário desempenha o mesmo serviço que um servidor efetivo e ganha pouco mais de um salário mínimo. Segundo o que foi afirmado aqui é que existem muitas coisas em estudo, em estudo, em estudo…blá, blá, blá…de concreto mesmo não existe nada. Cadê o cumprimento do Plano de Carreira (SDCR)? Cadê a elevação de nível para os Oficiais de Justiça? Cadê as Progressões Horizontal e Vertical? Eu penso que a saída é sair… mas sair não é uma decisão tão simples, então nos acostumemos ao blá, blá, blá ou vamos à luta. Eu prefiro a segunda opção.

  3. - Responder

    SUA FALA NÃO PODERIA SER MELHOR JUSSARA, NOS NUNCA FOMOS INTERESSE PARA A CUPULA DO TJMT….INFELIZMENTE AINDA NAO PERCEBERAM QUE QUEM PERDE NO FINAL SÃO ELES….” O PIOR EM PRODUTIVIDADE” ETC….

  4. - Responder

    É fato: para os membros do TJMT, na sua esmagadora maioria, os servidores e nada são a mesma coisa, ou seja, não há vontade política do pleno em melhorar a carreira. Enquanto para os membros (juízes e desembargadores) o dinheiro sobra, o tribunal de justiça liga, literalmente, para os magistrados perguntando se eles não irão vender férias e licença-prêmio, enquanto para os servidores a conversa é a de que nunca tem dinheiro… olha o auxílio-alentarão dos servidores, o valor é uma vergonha… No MPMT paga-se mais de mil reais por mês de auxílio-alimentação… Outra causa de estrangulamento da carreira é a existência das INCORPORAÇÕES… uma situação de inconstitucionalidade sem tamanho… sem contar o SINJUSMAT, que não representa os servidores do TJMT, apenas alguns interesses pontuais e direcionados… Vergonha total esse TJMT… A coisa mais sensata que já ouvi de um desembargador do TJMT, ainda em atuação, foi a seguinte frase: “esse Tribunal de Justiça – se referindo a Mato Grosso – não tem jeito!”

    • - Responder

      É a mais pura verdade, NÃO TEMOS SINDICATO, “temos” um sindicato que corre apenas para uma classe no caso efetivo os Oficiais de Justiça, citando um exemplo o Rosenval derrubou um projeto de periculosidade dos Agentes da Infância e Juventude, que ele não havia movido uma palha para conseguir, uma Agente filmou ele dizendo, “não é a vez dos Agentes”. Detalhe: ele nunca usou “essa influencia” para ajudar essa ou outras classes com o empenhos usado para desmontar o que estava feito!!! É lamentável

      • - Responder

        Fico triste ao ver alguns colegas que insistem em afirmar que o Sr. Rosenwal luta apenas pelos Oficiais de Justiça. Pessoal, isso não é verdade. Sou Oficial de Justiça e há anos criamos nosso próprio sindicato justamente porque o Rosenwal nos negligenciou completamente. Bem, equívoco esclarecido, quero parabenizar aos colegas técnicos judiciários que resolveram “fazer a hora”, independente do aval do sindicato. Muita força para vocês!!

        • - Responder

          Luciana, perceba bem o comentário que fiz, não digo que ele defende apenas os Oficiais… o que ele defende é coisa mais restrita ainda, é, isso sim, alguns interesse pontuais e direcionados…

        • - Responder

          Luciana, o que escrevi é fato, se vcs estão descontentes com ele a ponto de fazer os oficiais criarem o seu próprio sindicato, imagine as outras categorias que ele não ajuda e quando lutam com suas próprias forças ele vem e “desmancha” tudo, como no caso efetivo ele disse em alto e bom som, “não é a vez dos Agentes e sim dos Oficiais”. Isso aconteceu quando a vipae de vcs foi de 1.000,00 para 1.400,00. falo com conhecimento de fato. citei apenas um exemplo. mas não tenho nada contra essa ou aquela classe.

        • - Responder

          o sinjusmat na pessoa de seu presidente esta deixando a desejar, sou técnico judiciário e estou estudando para outro concurso pois vejo que nem o sinjusmat e nem a cupula do tjmt estao preocupado com os bravos guerreiros servidores do tjmt.

  5. - Responder

    É inacreditável que o nosso presidente, no exercício da gestão do poder judiciário, acredite que a solução seja a contratação de mais estagiários. Atualmente há varas com mais estagiários do que servidores. O que eles esquecem é que: em período de prova os estagiários trabalham apenas 3 horas; é uma mão de obra temporária, haja vista que seu contrato é de no máximo 2 anos; leva uns 4 a 5 meses para começar a entender o funcionamento da secretaria, isso em relação aos que tem interesse em aprender; em razão do excesso de trabalho desistem antes do término do contrato; faltam muito… enfim, ajudar ajuda, mas não é a solução para que o Poder Judiciário possa dar a verdadeira prestação jurisdicional a qual se propõe. Deste modo, é digna e justa a manifestação, pois A NOSSA CAUSA É A SUA CAUSA. Ainda que indiretamente toda a sociedade sofre com um poder judiciário aprendiz.

  6. - Responder

    Eu ja fui servidor do TJMT, e graças a Deus sai, pois o salário é simplesmente uma VERGONHA!!

  7. - Responder

    Concordo com tudo que foi colocado nos comentários. Também sou servidor do TJ. E penso que devemos lutar por uma carreira digna, uma tabela salarial decente, para no mínimo igualar a dos servidores efetivos do MP daqui de MT. Chega de conversa fiada. Merecemos ser melhor tratados pela administração. A discussão do nosso SDCR deve ser ampla.

  8. - Responder

    A única coisa que o Rosenval fez foi pedir para que não fosse feito esse manifesto. Mas os nossos companheiros parecem que gostam mesmo de sofrer. Reelegem sempre o “homi”, igual o povão reelegem os Petistas… e depois ficam reclamando.

    • - Responder

      Acontece que ele não esta aceitando as novas sindicalizações. Medo!?
      Isso mudou com essa manifestação.

  9. - Responder

    Caros colegas, pelo amor de Deus, vamos procurar esquecer esse tal Rosenval, vamos na próxima eleição colocar um outro presidente, nem que seja aquele que que fica lá no almoxarifado dos Foruns, e nunca mais essa equipe que direciona o Sinjusmat, se vocês não pensam dessa forma vamos DESFILIAR EM MASSA do Sindicato. Vejam senhores o Presidente do TJ, disse nos noticiários que não iria mais bater as portas do CNJ, para resolver os problemas do pecuniários – Férias – Licença Premio, etc. ocorre que ao invés do tal Rosenval lutar por essa causa o mesmo fica querendo tirar leite de pedra, ficando tentando receber os 16%, o que já mais vamos conseguir, pela minha observância o sindicalista tem medo de colocar a sua cara a tapa com a instituição TJ/MT. portando vamos abrir os olhos enquanto está em tempo, porque com esse cidadão aí nunca tivemos ganhos só perdas e mais perdas. Rosenval Voce lembra de mim encontrei com vossa pessoa em um comercio e você estava comprando ração e mais ração para os seus animais e quando isso os coitados dos sindicalizados não tem dinheiro nem mesmo para comprar um quilo de milho. Voce é um ipóclita voce em 11 anos de Sindicato ainda não apredeu o qão sabe

  10. - Responder

    Caros colegas, pelo amor de Deus, vamos procurar esquecer esse tal Rosenval, vamos na próxima eleição colocar um outro presidente, nem que seja aquele que que fica lá no almoxarifado dos Foruns, e nunca mais essa equipe que direciona o Sinjusmat, se vocês não pensam dessa forma vamos DESFILIAR EM MASSA do Sindicato. Vejam senhores o Presidente do TJ, disse nos noticiários que não iria mais bater as portas do CNJ, para resolver os problemas do pecuniários – Férias – Licença Premio, etc. ocorre que ao invés do tal Rosenval lutar por essa causa o mesmo fica querendo tirar leite de pedra, ficando tentando receber os 16%, o que já mais vamos conseguir, pela minha observância o sindicalista tem medo de colocar a sua cara a tapa com a instituição TJ/MT. portando vamos abrir os olhos enquanto está em tempo, porque com esse cidadão aí nunca tivemos ganhos só perdas e mais perdas. Rosenval, Voce lembra de mim encontrei com vossa pessoa em um comercio e você estava comprando ração e mais ração para os seus animais e quando isso os coitados dos sindicalizados não tem dinheiro nem mesmo para comprar um quilo de milho. Voce é um ipoclita em 11 anos de Sindicato ainda não aprendeu o que é Sindicato.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

catorze + três =