TCE - OUTUBRO

PROFESSORA MICHELE SATO: Neste momento de esgotamento dos paradigmas e de catástrofes socioambientais na humanidade, a UFMT não é uma ilha isolada de um continente em crise, mas recebe, e também emite, os reflexos da civilização e da barbárie. Meu voto pertence à CHAPA 2, com Paulo Teixeira e Sérgio Allemand, porque conseguem responder aos desafios de uma era, e é vital compreender o que estamos vivenciando, refletindo as ações de mudanças para que a ética consiga ser vitoriosa sobre os destinos da vida por meio de um esperançoso devir

michele sato na pagina do enock

Os desafios da UFMT, entre tantos desafios deste século
por Michele Sato

Fortes esperanças foram depositadas para este século 21, com propostas de agendas, guinadas conceituais, vivências exitosas ou a busca da luz do fim do túnel, já que para muitos havíamos atingido o fundo do poço com o esgotamento dos paradigmas da Modernidade. Contudo, continuamos vivendo um período conturbado, com discórdias entre judeus e palestinos, desacordos na Síria, ou conflitos na Grécia, entre outros dilemas internacionais. Mesmo com o florescer da primavera árabe, Paris foi tida como a “capital do mundo”, desfilando negligência na política de migração. Privilegiou-se a colonização e o controle sobre os países vulneráveis, com horrores que pareciam ser inevitáveis. O contexto da liberdade de expressão dividiu as opiniões e muitos argumentaram “Je ne suis pas Charlie”, em protesto à política de migração da Europa, e não somente na França.
De golpe em golpe, assistimos recentemente cerca de duas milhões de pessoas nas ruas brasileiras (março 2016), que sob a metáfora da corrupção, reivindicavam a “ordem e o progresso” na tutela do militarismo. Não se pode negar a força do movimento, ainda que seja bastante difícil compreendê-la, muito menos defendê-la. Neste mesmo período, testemunhamos o pior prejuízo socioambiental no cenário brasileiro, quando a barragem da Samarco arrebentou não só os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, mas todas as bordas e não-bordas de um dramático dilema socioambiental sem fronteiras.
Neste momento de esgotamento dos paradigmas e de catástrofes socioambientais na humanidade, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) não é uma ilha isolada de um continente em crise, mas recebe, e também emite, os reflexos da civilização e da barbárie.
A fase atual é demarcada pela política eleitoral que vai decidir os rumos da governança num período de quatro anos. O próximo reitor deverá ter profundas vivências no âmbito local e simultaneamente internacional, articulando saberes, conjugando cenários que consigam traduzir as necessidades locais de uma universidade frente aos desafios do século. De graduação, pós-graduação, docência, vivência comunitária e investigação científica, a academia deve romper com o binarismo do “ou isso ou aquilo”, ousando a sensata política de uma universidade capaz de produzir saberes, mas que também consiga respeitar a existência de outros saberes.
O cartesianismo orienta a dualidade, mas é inegável que o papel da universidade é “isso e também aquilo”, da produção das ciências com qualidade, que consiga promover a inclusão social. Da pesquisa ética que considere as lutas sociais, da docência engajada que não fuja da realidade, mas, sobremaneira, que acate um currículo diversificado e fenomenológico. É necessário desenhar uma política de inclusão social que não se limite aos projetos do governo federal, mas que também crie e recrie as políticas de inclusão dos grupos vulneráveis. E também é preciso incentivar os projetos da educação popular, das vivências de extensão e das conexões com os movimentos sociais no exterior da UFMT.
Necessitamos de reflexão acadêmica, que consiga subsidiar nossos pensamentos, ações e sensações. Não se trata de remeter ao positivismo e a resolução de problemas, mas essencialmente de compreender o momento que nos absorve. E para isso, é preciso romper com a falsa dualidade entre as ciências e a justiça social, assumindo que nenhum sujeito é neutro à construção de uma universidade tecida em múltiplas dimensões.
Portanto, meu voto pertence à CHAPA 2, com Paulo Teixeira e Sérgio Allemand, porque conseguem responder aos desafios de uma era, e é vital compreender o que estamos vivenciando, refletindo as ações de mudanças para que a ética consiga ser vitoriosa sobre os destinos da vida por meio de um esperançoso devir.

(*) Michèle Sato é doutora em Ciências, com dois estágios de pós-doutorado em educação no Canadá e na Espanha. É professora efetiva do Instituto de Educação da UFMT desde 1995

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

10 + 1 =