gonçalves cordeiro

Mesmo depois de morto, Dante de Oliveira é condenado pelo juiz Cesar Bearsi a indenizar juiz Julier Sebastião por danos morais. Em vida, Dante acusara Julier de “promover matérias mentirosas para desgastá-lo”. Em 2004, Julier, atendendo pedido do MPF, determinou busca e apreensão em escritórios e casas de dirigentes do PSDB, incluindo Dante. Esta semana, tucanos que ainda se apresentam como “herdeiros de Dante” percorrem Araguaia, ao lado Pedro Taques, reforçando candidatura do antigo parceiro de Julier a governador. Antero, que já se apresentou como “irmão” de Dante, desponta agora como marqueteiro de Taques

Mantendo sua coerência, o juiz Julier Sebastião conseguiu na Justiça Federal reparação das acusações que lhe foram feitas, em vida, pelo então líder do PSDB em Mato Grosso, o engenheiro Dante de Oliveira que o acusava de espalhar noticias mentirosas a seu respeito. Dante, evidentemente, reagia  ao impacto que teve, na vida política de Mato Grosso, a determinação do juiz Julier que, em 2004, as vésperas da eleição para a Prefeitura de Cuiabá, que consagraria o candidato tucano Wilson Santos como prefeito, em renhida disputa contra o candidato do PT, Alexandre César,  determinara (atendendo a pedido do Ministério Público Federal) busca e apreensão em escritórios e casas de dirigentes do PSDB, incluindo Dante de Oliveira, a partir da suspeita de envolvimento dos tucanos com João Arcanjo Ribeiro, considerado ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso. O PSDB teria realizado operações financeiras com factoring pertencente a Arcanjo, utilizando cheques de doadores para a campanha de Oliveira ao Senado, em 2002. O juiz federal César Bearsi acatou as argumentações de Julier e condenou o espólio de Dante a pagar R$ 50 mil de indenização ao seu companheiro na Justiça Federal. Ainda cabe recurso da decisão. Enquanto Julier duela na Justiça Federal com a memória de Dante, o parceiro mais chegado do ex-grande líder tucano, Antero Paes de Barros hoje anda de braços dados com o ex-procurador e atual Senador Pedro Taques, curiosamente parceiro de Julier nas investidas do MPF e da Justiça Federal contra políticos do PSDB no início dos anos 2000. Antero, além de desligar-se do PSDB, filiou-se no ano passado ao PSB e já atua como marqueteiro informal de Pedro Taques na pré-campanha deste político do PDT,  em sua tentativa de ocupar a cadeira que já foi de Dante de Oliveira. Confira o noticiário. (EC)

Mantendo sua coerência, o juiz Julier Sebastião conseguiu na Justiça Federal reparação das acusações que lhe foram feitas, em vida, pelo então líder do PSDB em Mato Grosso, o engenheiro Dante de Oliveira que o acusava de espalhar noticias mentirosas a seu respeito. Dante, evidentemente, reagia ao impacto que teve, na vida política de Mato Grosso, a determinação do juiz Julier que, em 2004, as vésperas da eleição para a Prefeitura de Cuiabá, que consagraria o candidato tucano Wilson Santos como prefeito, em renhida disputa contra o candidato do PT, Alexandre César,
determinara (atendendo a pedido do Ministério Público Federal) busca e apreensão em escritórios e casas de dirigentes do PSDB, incluindo Dante de Oliveira, a partir da suspeita de envolvimento dos tucanos com João Arcanjo Ribeiro, considerado ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso. O PSDB teria realizado operações financeiras com factoring pertencente a Arcanjo, utilizando cheques de doadores para a campanha de Oliveira ao Senado, em 2002. O juiz federal César Bearsi acatou as argumentações de Julier e condenou o espólio de Dante a pagar R$ 50 mil de indenização ao seu companheiro na Justiça Federal. Ainda cabe recurso da decisão. Enquanto Julier duela na Justiça Federal com a memória de Dante, o parceiro mais chegado do ex-grande líder tucano, Antero Paes de Barros hoje anda de braços dados com o ex-procurador e atual Senador Pedro Taques, curiosamente parceiro de Julier nas investidas do MPF e da Justiça Federal contra políticos do PSDB no início dos anos 2000. Antero, além de desligar-se do PSDB, filiou-se no ano passado ao PSB e já atua como marqueteiro informal de Pedro Taques na pré-campanha deste político do PDT, em sua tentativa de ocupar a cadeira que já foi de Dante de Oliveira. Confira o noticiário. (EC)

 

Justiça condena espólio de Dante de Oliveira a pagar Julier

De Brasília – Catarine Piccioni
OLHAR DIRETO

 

O juiz Cesar Bearsi, da Justiça Federal em Mato Grosso, condenou o espólio do ex-governador do estado, Dante de Oliveira, a pagar indenização de R$ 50 mil ao juiz Julier Sebastião da Silva por danos morais. Conforme a ação, em abril de 2005, Oliveira, em entrevista a um site, acusou Silva de “‘promover matérias mentirosas numa tentativa de desgastá-lo”.

Na ação, Silva, que também atua na Justiça Federal em Mato Grosso, afirmou ter sofrido injúria e difamação. Alegou que Oliveira denegriu sua imagem e atentou contra sua moral. O processo movido pelo juiz tramitava desde 2005.

A defesa do espólio sustentou que Dante de Oliveira apenas expôs a “verdade dos fatos”. Na entrevista, o ex-governador declarou o seguinte: “em determinado momento, eu senti que havia na campanha uma posição um pouco dividida de alguns que achavam que não era bom eu aparecer muito porque tinha uma série de matérias mentirosas promovidas pelo Pedro Taques (então procurador da República) e pelo Julier em tentativa para me desgastar”.

“Os fatos narrados (na ação) denotam ofensa à reputação do autor (Silva) perante a sociedade, o que viabiliza o reconhecimento de abalo moral por ofensa à honra objetiva passível de indenização. Na entrevista, houve ofensa clara e direta à honra do autor, influenciando a opinião social, moral e profissional que a sociedade tem sobre o magistrado (Silva)”, escreveu Bearsi.

Ararath: desembargadora concede liminar pedida por Julier

Arrolado pela defesa do espólio, o ex-senador Antero Paes de Barros prestou depoimento no processo na condição de informante. No entanto, Bearsi afirmou que as declarações dadas por Barros deveriam ser “apreciadas com reserva”, considerando que ele tem processos contra Silva, além de haver pendências e rusgas entre ambos.

“Os prejuízos suportados pela vítima (Silva) independem de prova material para emergir o direito à reparação moral, bastando a comprovação da prática antijurídica perpetrada pelo ofensor”, complementou Bearsi.

Bearsi considerou que 1) “Julier Sebastião da Silva exerce cargo de altíssima responsabilidade social”; 2) “a entrevista teve grande repercussão, uma vez que foi propagada na internet”; 3) “Dante de Oliveira, pessoa envolvida no meio político, foi governador de Mato Grosso, prefeito de Cuiabá e ministro e seus pronunciamentos eram de grande valor social”.

Dante de Oliveira exerceu o cargo de governador de 1995 a 2002 pelo PSDB. Morreu em 2006. A decisão foi divulgada nesta segunda-feira (13). O Olhar Jurídico tentou contato com a advogada que atua no caso em defesa do espólio, mas não obteve êxito.

Em 2004, Julier Sebastião da Silva determinou, por exemplo, busca e apreensão em escritórios e casas de dirigentes do PSDB, incluindo Dante de Oliveira, a partir da suspeita de envolvimento dos tucanos com João Arcanjo Ribeiro (considerado ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso). O PSDB teria realizado operações financeiras com factoring pertencente a Arcanjo, utilizando cheques de doadores para a campanha de Oliveira ao Senado, em 2002.

——————–

Advogado diz que vai recorrer contra decisão favorável a Julier

De Brasília – Catarine Piccioni, do OLHAR JURÍDICO

Foto: Reprodução

LealLeal

O advogado Marcelo Leal afirmou nesta quarta-feira (15) que vai apresentar um recurso de apelação (a ser julgado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região) para questionar condenação do espólio de Dante de Oliveira, ex-governador de Mato Grosso. Conforme revelado pelo Olhar Jurídico na última segunda-feira (13), o juiz Cesar Bearsi, da Justiça Federal no estado, condenou o espólio a pagar indenização de R$ 50 mil a Julier Sebastião da Silva por danos morais.

Juiz federal atuante em Mato Grosso, Julier Sebastião da Silva moveu ação sustentando que, em entrevista a um site em 2005, Dante de Oliveira o acusou de “promover matérias mentirosas”. No processo, em tramitação desde 2005, o magistrado afirmou ter sofrido injúria e difamação. Alegou que Oliveira denegriu sua imagem e atentou contra sua moral.

Na entrevista, o ex-governador declarou o seguinte: “em determinado momento, eu senti que havia na campanha uma posição um pouco dividida de alguns que achavam que não era bom eu aparecer muito porque tinha uma série de matérias mentirosas promovidas pelo Pedro Taques (então procurador da República) e pelo Julier em tentativa de me desgastar”.

Marcelo Leal atua em Brasília (DF) no escritório do advogado Eduardo Ferrão, responsável pela defesa, por exemplo, do ex-deputado federal Pedro Corrêa no julgamento da ação penal do mensalão. Ele afirmou que ainda não leu a decisão assinada por Bearsi e que ainda não sabe quais pontos vai abordar no recurso. “Nada a declarar”, disse Leal, quando questionado sobre como ele avalia o caso de maneira geral. Bearsi concluiu que houve “ofensa à reputação” do colega “perante a sociedade”.

Dante de Oliveira exerceu o cargo de governador de 1995 a 2002 pelo PSDB. Morreu em 2006. Em 2004, Julier Sebastião da Silva determinou, por exemplo, busca e apreensão em escritórios e casas de dirigentes do PSDB, incluindo Dante de Oliveira, a partir da suspeita de envolvimento dos tucanos com João Arcanjo Ribeiro (considerado ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso). O PSDB teria realizado operações financeiras com factoring pertencente a Arcanjo, utilizando cheques de doadores para a campanha de Oliveira ao Senado, em 2002.

8 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Vingança ,pura maldade,LÔBO defendendo LÔBO,com a morte “tudo cessa”,mas para o sistema judiciário ,não.Atitude covarde e vergonhosa ,apesar de prevista em lei!

  2. - Responder

    O corporativismo da justiça que beneficia esse investigado pela polícia federal e amigo de Thiago dorileo me da nojo!

  3. - Responder

    O engraçado é que o Taques e o Antero (e seus puxa sacos) agem com se ninguém lembrasse dessas denúncias. A gente lembra! Inclusive que o sr Antero foi candidato a Governador com a mulher do Riva de vice! E tem gente que ainda considera esse povo renovação, o bobo nunca acaba!

  4. - Responder

    Esse povo , junto com os oetistas fedem a mofo e naftalina.

  5. - Responder

    DANTE DE OLIVEIRA NÃO MERECIA ESTA TRAIÇÃO. TODO MUNDO SABE QUE FOI PEDRO TAQUES O AGENTE CONTRATADO PARA DENEGRIR A IMAGEM DE DANTE. UMA VERGONHA O QUE ESTÃO FAZENDO, A COMEÇAR PELA VIÚVA TELMA E SEU SOBRINHO LEONARDO, QUE USA O NOME DO TIO ELEITORALMENTE MAS NÃO RESPEITA SUA MEMÓRIA. QUE LÁSTIMA, MAIS UMA VEZ EU DIGO, DANTE NÃO MERECIA ESTA TRAIÇÃO.

  6. - Responder

    O Antero é ”irmão” de qualquer um que deixar ele subir no palanque, agora é do mendes e do taques

  7. - Responder

    Enock, você ta admirado porque? É a politica brasileira é desta maneira os adversários de ontem são os aliados de hoje. Depois vocês analistas políticos indagam o por que os homens de bens não aderem a politica. Sabe por que nesta politica so politicagem!!!!!

  8. - Responder

    antero é acusado de trair o dante. é o que sugere a matéria. como é que o antero se defende? ou não se defende? quem cala consente

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × dois =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.