TCE - DEZEMBRO

Mauro Camargo: não há razão para Éder continuar. Só chantagem

Até bem pouco tempo, Éder Moraes figurava como o secretário mais poderoso do governo de Silval Barbosa, em Mato Grosso. Agora, demitido do comando da Secopa, ele caminha para o ostracismo. Em artigo para o PNB On line, o jornalista Mauro Camargo reage ao zum-zum-zum, articulado pelos jornais amigos e pelos jornalistas amestrados, e que dá conta da possibilidade de Éder se transferir para outra função de destaque na administração pública estadual, Mauro garante que “Éder já falou demais, já polemizou demais, já fragilizou demais o governo”. Para Camargo, rei morto, rei posto, Éder Moraes que vá cantar em outra freguesia. Ou ele sai, definitivamente, ou ficará a impressão da chantagem. Confira a análise de Mauro Camargo.

Éder no Governo é insensatez desmedida

Por Mauro Camargo
PNB ON LINE

A discussão agora, alimentada por alguns setores da imprensa, é a manutenção do ex-secretário da SECOPA, Éder Moaes (PR), no staff do governador Silval Barbosa (PMDB). Uma insensatez desmedida. Éder deve ficar afastado do comando de qualquer Pasta, sob pena de continuar trazendo graves prejuízos políticos ao Governo.

Há uma especulação sobre a possibilidade de Éder vir a ocupar a Secretaria de Ciência e Tecnologia ou a Secretaria de Saúde, conforme publicado no site Olhar Direto. Em existindo essa possibilidade seria necessário considerar uma queda de Silval para o suicídio político, coisa que não se espera do governador.

Éder já cumpriu – ou descumpriu – sua missão no Governo. Já falou demais, já polemizou demais, já fragilizou demais o Governo. Não existe uma única razão para que volte a ocupar qualquer cargo. Salvo se a tese da chantagem for absolutamente verdadeira.

Categorias:Cidadania

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × 5 =