Taques investe contra Dias Toffoli. E o Gilmar Mendes?

No caso de Pedro Taques, ele parece entender que as restrições, neste caso, só pesam contra Dias Toffoli e não contra Gilmar Mendes. Como aquele personagem de Nelson Rodrigues, Pedro Taques não enxerga o óbvio, mesmo se tratando de um óbvio ululante.

Agosto começa com o senador Pedro Taques – aquele que anda aparecendo como um dos padrinhos da candidatura do sobrinho do Sérgio Ricardo a vereador em Cuiabá – fazendo mais um papelão na tribuna do Senado Federal.

É que, com tantas questões pendentes inquietando a sociedade de Mato Grosso – como o rombo sem punição nos cofres da Assembléia, o rombo sem punição no escândalo das Cartas Marcadas, o rombo sem punição no Escândalo dos Maquinários, etc, etc, – o representante do povo de Mato Grosso usou seu precioso e tão raro tempo na tribuna do Senado Federal para vituperar contra o ministro do STF, Dias Toffoli. Poderia ter escrito um artigo e publicado em algum lugar. Mas fez questão de usar o precioso tempo de tribuna para este ataque que acho despropositado – e que não honra o seu mandato.

Sinceramente, acho despropositado que Pedro Taques se lance neste ataque que já conta com forças suficientes para, certamente, expor e abalar a posição de Dias Toffoli, cujo envolvimento com o PT, seja diretamente, seja através da namorada-advogada, se mostra mais do que evidente. (Alias, já escrevi aqui que foi um despropósito esta nomeação do Dias Toffoli para o STF com tantos outros mestres podendo contribuir mais galhardamente naquele plenário, como Fábio Comparato, Tarso Genro e tantos outros)

Não é bom que Dias Toffoli participe deste julgamento, digo eu.

Mas não é bom, é muito pior, que Pedro Taques se revele, com este discurso absolutamente desnecessário, como mais um marionete da direita raivosa no Congresso Nacional. Eu o imaginava mais atento, mais sensível para com o mundo à sua volta.

Mas ele se revela, nestes momentos, mais um direitista sem o mínimo de criatividade. Um peão, quando deveria ser um formulador de novos caminhos, não só para a política como para o Parlamento e o Judiciário brasileiro.

Como será, por exemplo, que neste episódio do julgamento do mensalão, o direitista Pedro Taques, esse lacerdista de segunda linha como agora se revela o senador por Mato Grosso, me explica que a ética que ele prega para Dias Toffoli não se aplique também ao ministro Gilmar Mendes, contra o qual ele não fez nenhum questionamento?

Se Dias Toffilo serviu ao PT – e de fato serviu, e por isso deve se afastar ou ser afastado do julgamento -, o senhor ministro Gilmar Mendes, por seu turno, advogou para os adversários políticos do PT, os tucanos, e lhes serviu durante o governo de Fernando Henrique e, muito recentemente, tem se envolvido em uma série de querelas em que fica evidente sua má vontade para com o presidente Lula, para com o PT e para com os petistas. Ou seja, se Gilmar Mendes se comportanta como um anti-petista declarado, militante – como tal também deveria se declarar impedido de participar deste julgamento, já muito contaminado pela política.

Por que Pedro Taques – que argumenta que os magistrados não devem manifestar obediencia diante de autoridades políticas mas apenas diante do Direito e da Constituição, não destaca esse vínculo partidário tucano que também marca a carreira de Gilmar Mendes? Parece que, no final das contas, jogam no mesmo time.

Assim como é importante que haja juizes com isenção no STF, também é importante que haja parlamentares no Senado Federal que garantam a defesa dos ditames constitucionais em todo o seu alcance. No caso de Pedro Taques, ele parece entender que as restrições, neste caso, só pesam contra Dias Toffoli e não contra Gilmar Mendes. Como aquele personagem de Nelson Rodrigues, Pedro Taques não enxerga o óbvio, mesmo se tratando de um óbvio ululante.

Fica evidente que, se tivesse um pouco mais de maturidade o senhor Pedro Taques, não se jogaria assim, loucamente, a expurgar os votos pretensamente favoráveis ao PT, quando se torna evidente que há votos que também já se revelaram, antecipadamente, de acordo com todas as evidências (e é de evidencias que estamos falando com relação a Dias Toffoli) de condenação àqueles que estarão ali sendo julgados, votos previamente anti-petistas.

Se o pretenso objetivo do senador Pedro Taques – que deveria ter o pudor de perceber que não fala por si só, mas por uma legião de cidadãos-eleitores-brasileiros que o elegeram – é buscar estabelecer a maior isenção possivel do quadro de julgadores, ele não deveria, dessa forma tão canhestra, tão primária, tão indigna, se assumir como antipetista em seu discurso. Vejam que num dos trechos de seu pronunciamento, Pedro Taques assaca: “É preciso lembrar que os ditos empréstimos que levaram ao mensalão serviram para saldar dívidas financeiras e políticas do PT com seus aliados…” Quem afirma coisas como essa, certamente que já tem uma sentença na cabeça, mesmo sabendo-se que não foram poucos os criminalistas que apontaram a fragilidade das provas neste volumoso processo, notadamente quanto à participação do ministro José Dirceu.

Uma coisa é o julgamento político – que já foi feito pela CPI e que puniu tanto Roberto Jefferson quanto José Dirceu.

Outra coisa é o julgamento do STF que não pode deixar se contaminar pelas paixões político-partidárias.

Neste caso, se os vinculos profissionais pesam sobre Dias Toffoli, certamente que os vicios de conduta contaminam também a atuação do ministro Gilmar Mendes, em minha modesta opinião.

Será que Pedro Taques avaliza completa e totalmente o comportamento de Gilmar Mendes enquanto magistrado?

Será que Pedro Taques avalia como inócuo aquilo que sobre Gilmar Mendes expressou o ministro Joaquim Barbosa? Em minha cabeça as palavras ainda ecoam com muita força: Em 22 de abril de 2009 o ministro Gilmar Mendes e o ministro Joaquim Barbosa discutiram na sessão plenária do tribunal. Barbosa, vocalizando a posição de considerável parte da opinião pública, acusou o presidente da Corte de estar “destruindo a credibilidade da Justiça brasileira” durante o julgamento de duas ações – referentes ao pagamento de previdência a servidores do Paraná e à prerrogativa de foro privilegiado. Barbosa foi categórico ao afirmar: “Vossa excelência não está na rua, vossa excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro”. Disse ainda: “Vossa excelência quando se dirige a mim não está falando com os seus capangas do Mato Grosso”. Mendes demandou respeito de Barbosa e encerrou a sessão.

Dias Toffoli jamais se viu exposto a uma saia justa deste tipo, até aqui.
CONFIRA ABAIXO INTEIRO TEOR DO PRONUNCIAMENTO DE PEDRO TAQUES CONTRA DIAS TOFFOLI

Pagina Do e Senado Federal – Pedro Taques Investe Contra Dias Toffoli

 

Categorias:Jogo do Poder

10 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.10.99.202 - Responder

    Sinceramente, não consigo entender qual o objetivo desse site. Pois constantemente emitem matérias e comentários tendenciosos a denegrir a imagem de Pedro Taques. Por vezes tenho acompanhado esse veículo de comunicação e, até então reputava-o como sério e idôneo, contudo, começo a mudar esse pensamento, uma vez, que mesmo sem cometer qualquer crime, o novel Senador Matogrossense vem sendo perseguido com ess monte de “asneiras” lançadas aos quatro vento. Deveria o conceituado site, se ater a noticias de interesse geral, como os rombos, os desvios de verba pública, expor aqueles que mamam nas tetas públicas. A exemplo do Ex Senador Demóstenes, tentam a todo tempo expor ou pegar carona no passado e na vida pública do Senador Pedro Taques. Ora, aos editores faço uma alerta, nada do que disserem farão com que subam as custas der Taques, pois ele é o homem do Senado e, não foi atoa q

  2. - IP 177.64.225.94 - Responder

    Votei em Abicalil e Pedro taxi para senador e eu não queria arrepender , mas com o correr do tempo eu decepciono com sua atuação. Alguém comenta a união politica com MM é em função de uma divida politica do passado, não creio mas a posição assumida pelo senador demostra essa possibilidade. Ser de direita é a posição que quarquer cidadão pode seguir o que não pode é enganar o eloitor vestindo duas camisas, esquerda para eleger e direita para atuar. É o casa do Dr. Pedro taques.

  3. - IP 216.218.254.21 - Responder

    Ao contrário do Max, eu nem gosto desse site, mas sou obrigado a concordar com o Enock. Fazer essa papel ridículo que o Senador anda fazendo, não precisa ser nenhum taques. Qualquer antero, alvaro dias, demostenes, dá conta. O senador está se mostrando não pelo que fala, mas pelo que NÃO fala: tá certo quando fala do tofolli, mas não abre a boca para falar do gilmar mendes, que deveria ser impedido também (foi advogado do FHC, é chamado pelo serra de ” meu presidente”). Está certo ao querer a punição do mensalão petista, mas não abre a boca para falar do mensalão tucano ( de 4 anos antes e ainda não foi a julgamento!!!). Não sei o que ele acha da decisão do não desmembramento da ação no STF, esse não foi desmembrado, mas a do mensalão tucano foi ( ó o azeredo vai responder no STF). Nunca vi o taques abrir a boca sobre a privataria tucana, sobbre as inúmeras roubalheiras no detran-sp, na prefeitura de sp (agora mesmo tem um funcionário lá com mais de 150 apartamentos, e era quem liberava alvará de construções!!!). Ou seja, joguei meu voto para senador no lixo, votando em um tucodemo enrustido. Me sinto enganado, traído, ao ter votado em pedro taques. Ele podia ter avisado na campanha quem ere ela, que a indiganação contra corrupção dele é seletiva, que mensalão tucano pode, e etc…puro estelionato eleitoral. Se pudesse voltar atrás, teria voltado em branco. Mas tudo bem, vou ter outras oportunidades de NÃO votar nele.

  4. - IP 187.5.109.196 - Responder

    Não posso e não devo concordar com o articulista. Poucos Estados tem a satisfação de ter um Senador com a qualidade jurídica e a consciência de dever do Pedro Taques. Deixem o homem trabalhar, por favor, para o bem do país e do Estado de Masto Grosso, deixemos de lado essas picuinhas que não levam a nada.

    • - IP 177.172.110.199 - Responder

      Sr. Arimatéia,

      Acho que o Enock não ataca as qualidades do Pedro Taques, pois elas não podem ser esquecidas. É um grande jurista, um sábio professor, um tribuno em crescimento. Mas ele precisa voltar os olhos para Mato Grosso. Ataca o Tófolli, esquece Gilmar Mendes. Ataca o Battisti, esquece o maquinário e a corrupção na Assembléia. Eu já disse isso pra ele pessoalmente, eu vou dizer novamente na 1º oportunidade.
      Mas não preocupe com o Enock, ele ainda é eleitor do Taques.

  5. - IP 201.34.241.173 - Responder

    Ando meio decepcionado com Pedro Taques , mas um homem com o saber juridico dele está no lugar certo ( no senado) , em que pese aqui em Cuiabá ele apoiar o bem nutrido sobrinho do sergio demagogo ricardo ( minusculo mesmo). O defeito do Enock é defender o nefasto pt ( partido dos traidores).

    • - IP 177.172.110.199 - Responder

      Roberto,
      Gosto sempre de ver sua colocações, porém o fato de Enock ser petista, é um direito dele. Ele é do PT desde o tempo que nós todos admirávamos esta sigla. Claro, o hoje o PT é um PMDB, a caminho de ser um PFL. Mas muita gente séria não tem culpa do porre de poder que a maioria dos petistas vem tomando faz tempo.
      No mérito, continuo apostando no senador Taques. Porém, ele está desfocado mesmo. Precisamos ajudá-lo a corrigir a rota. Ele esqueceu que existe corrupção em MT. Esqueceu os 44 milhões do Blairo e o meio bilhão do Riva. O que estaria havendo com o nosso senador?

      • - IP 201.24.173.92 - Responder

        Well ! Ademar , o combativo Pedro Taques está muito calado lá no senado. Apesar de eleitor dele , não o conheço pessoalmente , mas vc como jornalista podeira incitá-lo a cobrar na tribuna , a apuração do caso dos maquinários, dos precatórios , do porque o riva ainda estar na AL e não preso , e principalmente levantar uma bandeira ao estilo ficha limpa para que os cargos de conselheiros nos TCE’s sejam por concurso , como é para juiz.

        • - IP 177.144.217.108 - Responder

          Valeu Ruas! Vou tentar. Um abraço!

  6. - IP 201.41.112.199 - Responder

    O Senador Pedro Taques ao fazer avaliação crítica da postura do Ministro Dias Tofoli em relação à votação do processo do “mensalão” no STF, o fez dentro das obrigações constitucionais do cargo eletivo que ocupa, qual seja, Senador da República. A preocupação com o rigor técnico na aplicação da Justiça é muito maior do que atos de corrupção paroquial. Afinal os corruptos, de todas as paróquias, serão julgados em última instância, por um dos tribunais federais.

Deixe uma resposta para Gabriel Fernandes    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × quatro =