gonçalves cordeiro

Juizes vão ao povo e abrem diálogo sobre Cidadania

A juíza Gleide Santos avaliou como positiva a visita e destacou a recepção tanto da administração do colégio quanto dos alunos. “Gostei muito de conhecer a realidade da escola. Os estudantes foram bastante receptivos e participaram da palestra”

Todo artista tem que ir aonde o povo está. É o que nos ensinaram os poetas naquela canção que Milton Nascimento eternizou. Não haveria incongruência nenhuma se a preleção do artista fosse para que “todo operador do Direito tem que ir aonde o povo está”. Afinal de contas, todo poder pertence ao povo, não é mesmo? Confira o noticiario. (EC)

Cinco juízes palestram em colégios municipais

O Poder Judiciário de Mato Grosso proporcionou uma manhã diferenciada para alunos das Escolas Municipais Francisco Pedroso da Silva, no bairro São Francisco, e Floriano Bocheneki, no Parque Atalaia. As duas unidades educacionais estão localizadas na região sul de Cuiabá, onde o programa Judiciário na Escola, da Corregedoria-Geral da Justiça, pretende atender 15 instituições de ensino até novembro deste ano.

Na Escola Municipal Francisco Pedroso da Silva, os juízes Adilson Polegato de Freitas, Gleide Bispo Santos e Sebastião de Arruda Almeida falaram aos estudantes do Sexto Ano (antiga Quinta Série) sobre direitos e deveres dos cidadãos. A visita no colégio Floriano Bocheneki ficou sob a responsabilidade da juíza Ana Cristina Silva Mendes e do juiz Sebastião Barbosa Farias. Na oportunidade, os magistrados realizaram ainda a distribuição de cartilhas sobre o assunto.

O juiz diretor do Foro da Capital, Adilson Polegato explicou o papel do juiz, do desembargador e dos ministros, além de abordar a estrutura dos três poderes.

Para falar sobre regras, organização social e cidadania, o juiz Sebastião Almeida usou o futebol como exemplo. Apresentou noções sobre os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário e a função de cada um dentro da sociedade. Ele também foi questionado sobre o papel do juiz, ocorrência de condutas ilícitas e as punições. “Esse é um projeto bastante esclarecedor. Fiquei surpreso com as perguntas sobre magistratura, venda de sentença, punições, entre outros questionamentos. Isso demonstra que a sociedade está atenta e espera uma conduta adequada da Justiça”.

Durante a visita, o juiz diretor do Foro da Capital, Adilson Polegato de Freitas, aproveitou para convidar os alunos a conhecer a estrutura do prédio e entender quais são as atribuições desse segmento da Justiça. Explicou o papel do juiz, do desembargador e dos ministros, além de abordar a estrutura dos três poderes.

A juíza Gleide Santos avaliou como positiva a visita e destacou a recepção tanto da administração do colégio quanto dos alunos. “Gostei muito de conhecer a realidade da escola. Os estudantes foram bastante receptivos e participaram da palestra”.

Conforme a coordenadora da Escola Francisco Pedroso da Silva, Joana Gardes, o  programa Judiciário na Escola vai ao encontro do projeto pedagógico do colégio que foca na cidadania. “Muitos cobram os direitos que têm, mas esquecem dos deveres, das responsabilidades. Acredito que a presença dos juízes vai mostrar para eles o que é certo e errado, além de esclarecer alguns pontos importantes, como qual o papel de cada um dentro da sociedade”.

Para falar sobre regras, organização social e cidadania, o juiz Sebastião Almeida usou o futebol como exemplo

Pensando em ser advogado, o estudante Vinicius Alves, 11, ficou feliz em ter contato com o magistrado Sebastião Almeida e em assistir a palestra. Ciente dos seus deveres, o menino comenta que tem a obrigação de estudar, respeitar os professores e os pais, não jogar lixo no chão e cuidar da escola. “Também tenho o direito de ter uma escola para estudar e uma professora para me ensinar”.

Felipe Novaes Duarte dos Santos, 11, quer ser médico e vai estudar para isso. Com participação ativa na palestra, o aluno questionou sobre o papel dos juízes e a importância da estrutura do Poder Judiciário. “Aprendi que juiz também erra, mas errar é humano. Ainda bem que tem outras pessoas para consertar isso”, comentou, referindo-se ao trabalho dos desembargadores ao revisar decisões judiciais proferidas em Primeira Instância.

Projeto – Integrantes do programa, as servidoras Poliana Carvalho Viola e Joyce Maciel acompanharam as palestras na Escola Municipal Francisco Pedroso da Silva. Cada colégio recebe a visita dos magistrados em duas ocasiões diferentes. Ao final do mês, os estudantes são levados até o Tribunal de Justiça de Mato Grosso para conhecer a estrutura e participar de palestra proferida por um desembargador. No fim deste mês, o vice-presidente do TJMT, desembargador Juvenal Pereira da Silva, receberá o público mirim.

Poliana explica que as unidades contempladas neste momento são as escolas municipais que estão localizadas na região periférica da cidade. Além de apresentar noções de cidadania, o programa visa aproximar o magistrado da comunidade. Joyce destaca a boa receptividade dos responsáveis pelas unidades de ensino e, principalmente, dos alunos. “Percebemos que eles ficam ansiosos com a chegada dos magistrados”.

O Poder Judiciário na Escola integra a Meta 4/2011 do Conselho Nacional de Justiça, que determina o desenvolvimento de um projeto de relacionamento sobre o funcionamento do Poder Judiciário ao público. Apesar de a meta ser do ano passado, ela é perene e sua aplicação em Mato Grosso prioriza as escolas municipais.

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

Categorias:Cidadania

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

18 − 11 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.