PREFEITURA SANEAMENTO

Juiza Célia Vidotti atende ao Ministério Público e proíbe Tribunal de Contas de apreciar pedido de aposentadoria de Humberto Bosaipo. Promotores alertam que Bosaipo responde a vários processos por corrupção, a ações penais, e já sofreu condenações que, caso confirmadas, podem levar à perda do seu cargo de conselheiro. LEIA A DECISÃO

Juíza Célia Vidotti proibe TCE de analisar aposentadoria de Bosaipo by Enock Cavalcanti

Entrou água no esquema montado por Bosaipo que acreditava que teria sua aposentadoria com gordo salário aprovada nesta terça, no TCE. Decisão da Justiça mostra que, no frigir dos ovos, Bosaipo pode acabar sem preso e sem salário do Tribunal de Justiça, se forem confirmadas suas condenações por corrupção

Entrou água no esquema montado por Bosaipo que acreditava que teria sua aposentadoria com gordo salário aprovada nesta terça, no TCE. Decisão da Justiça mostra que, no frigir dos ovos, Bosaipo pode acabar sem preso e sem salário do Tribunal de Justiça, se forem confirmadas suas condenações por corrupção

A Justiça acolheu parcialmente pedido liminar do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e determinou ao Tribunal de Contas do Estado que informe, imediatamente, ao Poder Judiciário sobre a existência de procedimento administrativo referente a pedido de aposentadoria do conselheiro Humberto Bosaipo e suspenda qualquer apreciação nesse sentido. A decisão liminar foi proferida nesta segunda-feira (24), pela juíza auxiliar da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, Célia Regina Vidotti.

Na ação, os promotores de Justiça que integram o Núcleo de Defesa do Patrimônio Público de Cuiabá alegam que o conselheiro e ex-deputado estadual responde a vários processos por ato de improbidade administrativa, ações penais e que inclusive já sofreu condenações que, caso confirmadas, acarretarão a perda do cargo de conselheiro.

Destacam, também, que existe ação civil pública já sentenciada, com recurso de apelação aguardando julgamento no Tribunal de Justiça, onde foi reconhecida a nulidade do ato que investiu Humberto Melo Bosaipo no cargo de conselheiro do Tribunal de Contas. “Caso mantida a sentença, os efeitos da decisão retroagirão à data da nomeação”, alertaram.

Para o MPE, “a continuidade do processo de aposentadoria é, no mínimo, temerária, além de constituir uma tentativa de afastar o cumprimento das penalidades que podem ser aplicadas e confirmadas em desfavor do conselheiro em razão das ações as quais responde”.

Na decisão liminar, a magistrada destacou que, embora a sentença que reconheceu a nulidade do ato que investiu o requerido no cargo de conselheiro não seja definitiva, não se pode ignorar tal situação. “Ainda que não definitiva, não se pode simplesmente ignorar os efeitos que dela poderão advir, com expressiva probabilidade, atingindo o ato de nomeação no cargo de Conselho do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso desde o seu nascedouro, como se não tivesse existido”, ressaltou.

Argumentou, ainda, que o ato que o Ministério Público requereu a suspensão, não diz respeito apenas ao conselheiro, mas atingirá diretamente o Tribunal de Contas, o erário estadual e os prováveis candidatos a ocupar a vaga que seria aberta com a aposentadoria e à própria coletividade, dada a relevância que o cargo e as funções inerentes ao Conselheiro do Tribunal de Contas representa ao Estado Democrático de Direito.

Outro ponto abordado pela magistrada refere-se aos efeitos de uma provável aposentadoria no tocante à tramitação dos processos de natureza criminal. “Além de gerar os “direitos” acima mencionados, a provável aposentadoria também poderá ser vista como expediente a retardar os processos de natureza criminal que tramitam contra o requerido Humberto Melo Bosaipo junto ao Superior Tribunal de Justiça, dada a prerrogativa de foro que detém, justamente pela equiparação do cargo de conselheiro ao cargo de desembargador. Neste momento, a sua “retirada” do cargo de conselheiro acarretaria a redistribuição dessas ações criminais aos Juízos de primeiro grau, dada a superveniente perda da prerrogativa de foro”, acrescentou.

Ministério Público alerta Assembleia Legislativa quanto à temeridade que seria indicar Gilmar Fabris para c… by Enock Cavalcanti

Ministério Público alerta Tribunal de Contas quanto à temeridade que seria indicar Gilmar Fabris para conse… by Enock Cavalcanti

Ministério Público alerta governador Silval Barbosa quanto à temeridade que seria indicar Gilmar Fabris par… by Enock Cavalcanti

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.7.212.2 - Responder

    PARABÉNS AO MINISTÉRIO PÚBLICO… EITA PROMOTORES PORRETAS,,,, NÃO ESTÃO DEIXANDO BARATO,,,, PARABÉNS TAMBÉM AO JUDICIÁRIO, BIRLHANTE DECISÃO, SIMPLES, DIRETA, OBJETIVA, DEMONSTRANDO A CONSCIÊNCIA SOCIAL DO PAPEL DO JUDICIÁRIO COMO BALUARTE DE DEFESA SA SOCIEDADE CONTRA O PRÓPRIO ESTADO…… ESSE TIPO DE AÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO ABRA UMA JANELA NA ESCURIDÃO DE INIQUIDADES QUE VEMOS DIARIAMENTE NESTE PÁIS…. GRAÇAS A DEUS AINDA EXISTEM PROMOTORES E JUÍZES EM MATO GROSSO…………. VIVA…SALVE, ALELUIA.

  2. - IP 177.201.72.189 - Responder

    CADÊ OS PARASITAS COMENTARISTAS ENOCK…???
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  3. - IP 201.34.222.4 - Responder

    O conselheiro, segundo o MP, é desonesto e criminoso… contudo, o órgão ministerial pede e impede que ele vá para casa e deixe de atuar no julgamento das contas… Algumas coisas não entram facilmente na minha cachola, mas creio que seja dificuldade pessoal, burrice e falta de conhecimento sobre lógica. Vou matutar até entender… caso seja possível superar estas dificuldades…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × 5 =