TCE - NOVEMBRO 2

Juiza Ana Cristina Mendes suspende pesquisa Vox Populi que favorecia candidato Pedro Taques por suspeita de fraude no levantamento de dados. Também foi autorizada busca e apreensão na sede do instituto de pesquisa, do jornal Diário de Cuiabá e nos comitês de campanha de Pedro Taques e Jayme Campos para impedir divulgação de propaganda baseada em dados possivelmente manipulados. Jornalista Gustavo Capilé, diretor do Diário, já fora grampeado em conversa com financiador de campanha de Taques. LEIA DECISÃO

Juíza Ana Cristina Mendes suspende pesquisa Vox Populi que favorecia Pedro Taques by Enock Cavalcanti

Pedro Taques, atual senador pelo PDT, que encabeça a chapa da direita mato-grossense, que reune, ainda, PP-DEM- PSDB-PSB-PPS-PV-PTB-PSDC-PSC-PRP-PSL e PRB, a juíza eleitoral Ana Cristina Mendes que deu decisão para barrar pretensa fraude em pesquisa do Instituto Vox Populi e o jornal Diário de Cuiabá, dirigido pelo jornalista Gustavo Capilé

Pedro Taques, atual senador pelo PDT, que encabeça a chapa da direita mato-grossense, que reune, ainda, PP-DEM- PSDB-PSB-PPS-PV-PTB-PSDC-PSC-PRP-PSL e PRB, a juíza eleitoral Ana Cristina Mendes que deu decisão para barrar pretensa fraude em pesquisa do Instituto Vox Populi e o jornal Diário de Cuiabá, dirigido pelo jornalista Gustavo Capilé

VOX POPULI
TRE vê fraude; suspende pesquisa e manda invadir instituto
Decisão judicial foi dada neste domingo (20)

RAFAEL COSTA
FOLHA MAX

Pesquisa barrada apontava liderança de Taques ao Governo

A juíza plantonista do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Ana Cristina Mendes, suspendeu neste domingo a divulgação da pesquisa Vox Populi, divulgada na edição de sábado (19) do jornal Diário de Cuiabá.A decisão da magistrada acatou pedido da coligação Amor a Nossa Gente (PT-PMDB-PR-PROS-PCdoB), encabeçada pelo candidato ao governo do Estado Lúdio Cabral (PT) de que houve indícios de fraude no levantamento dos dados.
Os veículos de comunicação que divulgaram a pesquisa eleitoral estão impedidos de divulgá-las e poderão pagar multa financeira por incorrer em crime de desobediência. A coligação Viva Mato Grosso (PSD-PTC-PTN-PEN-PRTB-SD) também acionou sua assessoria jurídica, liderada pelo advogado José Antônio Rosa, a ingressar com pedido semelhante no TRE. No entanto, como a liminar em favor do expedida já havia sido expedida, houve apenas a conexão dos processos para futuro julgamento do mérito da liminar.
Na modalidade estimulada, a pesquisa indicou vitória do senador Pedro Taques (PDT) em 1º turno com 43%, seguido de José Riva (PSD) com 18%, Lúdio Cabral 12%, José Roberto (PSOL) 3% e José Marcondes, o Muvuca, com 1%. Ainda foi expedido mandado de busca e apreensão nas sedes do jornal Diário de Cuiabá e do instituto de pesquisa Vox Populi bem como nos comitês de todos os partidos que compõem a coligação Coragem e Atitude para Mudar, representada na disputa majoritária pelo senador Pedro Taques na disputa ao governo do Estado e ao Senado pelo democrata Jayme Campos, candidato à reeleição, composta pelos partidos (PDT-PP-DEM- PSDB-PSB-PPS-PV-PTB-PSDC-PSC-PRP-PSL e PRB).
No mesmo dia em que a edição do jornal Diário de Cuiabá chegou às bancas no sábado (19), informes publicitários foram espalhados pelos municípios mato-grossenses apontando a vantagem de Taques na disputa ao governo do Estado em relação aos demais concorrentes. Em entrevista ao FOLHAMAX, o advogado José Patrocínio informou que a decisão foi dada diante de suspeitas de graves irregularidades revelando assim que o levantamento está em desacordo com a legislação eleitoral. “A decisão foi dada em razão das ilegalidades. Ficou comprovado que foi uma pesquisa direcionada sem o mínimo de consistência, plausibilidade e razoabilidade, reconhecida inclusive por outros candidatos ao governo do Estado”, declarou.
Patrocínio ainda elencou as falhas da pesquisa eleitoral. “Não foi citada a margem de erro e o nível de confiança que são itens obrigatórios para qualquer divulgação. Isso foi excluído, o que chega a ser uma falha gritante. Nas simulações de segundo turno, se identifica que o entrevistado foi induzido a votar na candidatura do senador Pedro Taques ao governo do Estado. Isso não faz parte de um jogo limpo eleitoral”, disse.
Também foi questionado o custo do levantamento de dados. Um valor considerado irrisório pela extensão territorial de Mato Grosso. “Uma pesquisa que se dispõe a entrevistar mais de 1 mil pessoas em diversos municípios do Estado, é impossível custar somente R$ 40 mil conforme foi registrado na Justiça Eleitoral”.

Quebra de Sigilo – Fernando Mendonça conversa com Gustavo do Diário de Cuiabá by Enock Cavalcanti

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Se ficar confirmada a participação de Pedro Taques na manipulação e fraude da pesquisa eleitoral, o eleitor de Mato Grosso conhecerá um pouco mais desse candidato tão desconhecido do grande público e conhecido apenas por alguns. Caso confirmada, essa fraude irá se somar à fraude da ata de inscrição de sua candidatura ao senado, e uma carreira política não sobrevive de fraudes. A prática desvinculada do discurso moralista coloca Pedro Taques numa situação no mínimo desconfortável diante da opinião pública. Diante disso tudo, uma pergunta perturbadora: Será Pedro Taques uma fraude? Aguardaremos ansiosos pelas conclusões da Justiça Eleitoral. E esperamos também que o Ministério Público Eleitoral mantenha o rigor demonstrado diante de outras candidaturas. E que o povo julgue nas urnas a conduta de cada candidato, condenando, evidentemente, os demagogos, os fraudadores, os que tentam enganar as pessoas de boa-fé e transformam a disputa num mar de lama e corrupção.

  2. - Responder

    Tomara que as ongs da vida fiquem de olho nessa chapa “do bem” também!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

14 − cinco =