Juiz Jamilson Haddad fala sobre violência domestica para pais em escola da periferia de Cuiabá

O juiz Jamilson e a plateia no Jardim Eldorado

 

Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) apontam que o Estado registrou, entre janeiro e março deste ano, 24 mortes violentas em que a vítima era do sexo feminino. Deste total, a metade, ou seja 12, é considerada feminicídio (homicídio cometido contra mulheres que é motivado por violência doméstica ou discriminação de gênero).

Com o intuito de impedir que este tipo de crime continue a ocorrer, o juiz da 1ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá, Jamilson Haddad Campos, esteve no início da noite desta terça-feira (25) na Escola de Ensino Básico Professora Francisca Figueiredo de Arruda Martins (Caic Eldorado), para falar com pais e mães dos alunos da unidade. “Queremos trabalhar a prevenção para que estes crimes não ocorram. É uma honra o Poder Judiciário participar diretamente junto à comunidade trazendo tema relevante para mulheres e homens, eventualmente vítimas e agressores, vez que é uma temática que repercute toda vida em sociedade. Saúde, educação, segurança pública. Fico feliz pela prefeitura trazer este projeto e convidar o judiciário para participar”.

A palestra do magistrado faz parte da programação da 2ª edição do Mutirão Programa Saúde na Escola (PSE) realizado pela Prefeitura de Cuiabá, que entre outros serviços, leva o programa Saúde do Homem aos bairros. “Saúde não e apenas física, temos que nos preocupar com a questão mental e quando analisamos a violência doméstica ela interfere na vida de todos, do pai, da mãe dos filhos, no desenvolvimento escolar, acaba afetando a segurança pública, a secretária de saúde”, resume a responsável técnica pelo Programa Saúde do Homem, Márcia Rocha.

Segundo a diretora da escola, Simone Arantes, a unidade possui 406 alunos de 4 a 11 anos (do pré ao 6º ano) em tempo integral, e muitas dessas crianças apresentam comportamentos e atitudes que “naturalizam” a violência, dando indício de que vivenciam isso no cotidiano. “Muitas vezes você diz para não bater no colega e eles respondem que o pai faz isso com a mãe”, lembra a diretora. “Acredito que a fala de uma autoridade como juiz Jamilson pode imprimir responsabilidade aos pais e que eles tenham consciência de que a violência nunca é o caminho”.

A 2ª tenente da PM Claudiana Mazurkcwcz levou dados e os diferentes tipos de violência doméstica que podem ser praticados contras as mulheres. “Se ele te bate é violência física, mas há outras maneiras, se ele te xinga e humilha é violência psicológica, se te impede de comprar algo mesmo você tendo salário é violência financeira”, citou. A PM pediu que as mulheres não aceitem essas atitudes e que denunciem. “Vim de uma família pobre e numerosa de cinco irmãs e consegui mudar de vida através do estudo. Meu pai, um homem simples e trabalhador rural ensinou para gente que temos os direitos iguais ao do homem. Não é porque ele traz o sustento e você fica em casa com os filhos que tem direito de te mal tratar. As tarefas são divididas, você trabalha muito em casa”, compartilhou.

Além da palestra, técnicos do Programa Saúde na Escola farão orientações sobre as atividades do ‘Mutirão Saúde na Escola’, que será realizada a partir desta quarta-feira (26), e ofertará dentre outros, os serviços de acuidade visual, avaliação nutricional, higiene bucal, teatro com temática da violência sexual, fantoche da saúde bucal, vacinação e combate ao Aedes aegypti.

 

 

FONTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO

A 2ª tenente da PM Claudiana Mazurkcwcz também falou sobre diferentes tipos de violência praticados contra as mulheres

 

 

Categorias:Mora na Filosofia

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete + dez =