gonçalves cordeiro

Jejé, cidadão ilustre de Cuiabá, está velho, doente, solitário e precisando de ajuda

Ao centro, Jejé de Oyá, personagem de destaque, há muitos anos, das festas da cuiabania. Aqui ele é visto em evento carnavalesco com o então secretário de Cultura Adevair Cabral

Jejé vive um drama e precisa de ajuda

Hoje acamado, ele foi eleito “a cara e Cuiabá” e é considerado um renomado colunista social da cidade, onde frequentou ambientes na alta sociedade cuiabana

Colunista prepara-se para ocupar um leito em uma casa terapêutica particular, que custa R$ 3 mil mensais

ALECY ALVES
DO DIARIO DE CUIABÁ

Um cidadão ilustre e ícone da cultura regional, que teve seu nome enaltecido em músicas (do rasqueado aos enredos de Carnaval), poesias, discursos políticos e chegou a ser eleito pelo Diário como a personalidade que tem “a cara de Cuiabá”, por votação popular no final da década de 90, está velho, doente e vivendo um drama.

Ele é José Jacinto de Siqueira, mas todos o conhecem por “Jejé de Oyá”, identidade que assumiu quando começou a atuar no colunismo social, atividade que desempenhou até dois anos atrás.

Sem família, pois a mãe e o único irmão morreram, Jejé, que tantas alegrias proporcionou ao povo cuiabano, agora merece uma resposta à altura daquilo que representou e ainda representa à capital mato-grossense.

Depois de ser vítima de dois AVCs (acidente vascular cerebral), Jejé passa a maior parte do tempo sobre uma cama de uma quitinete alugada no bairro CPA IV. Ele mora com Fábio Roberto da Silva, um amigo de quase 20 anos, que diz considerar Jejé como um pai.

Muito debilitado fisicamente e cego de um olho, Jejé está completamente dependente. Tem dificuldades até para ingerir os alimentos, por isto mantém uma dieta a base de alimentos pastosos.

Servidor aposentado da Receita Federal, o salário dele, que seria de R$ 3 mil, não está sendo suficiente para cobrir as despesas com moradia, alimentação, medicamentos, fraldas, produtos de higiene pessoal, entre outras.

A aposentadoria não está sendo suficiente somente pelo valor real, mas pelos golpes que supostamente sofreu durante anos. Por causa de empréstimos consignados feitos por outras pessoas, mais da metade da renda do colunista social estaria comprometida até 2015.

Na tentativa de amenizar esse drama, alguns amigos e admiradores de Jejé se uniram em um projeto visando a arrecadação de recursos para sua internação numa casa de repouso privada, onde ele possa dispor de mais conforto e acompanhamento médico permanente.

AÇÃO – Está sendo organizado para o dia 4 de maio, no Cenarium Rural, um jantar denominado “Festa do Peixe Cuiabano By Jejé de Oyá”, com a finalidade de levantar fundos suficientes para cobrir a internação do colunista.

Oliver Júnior, integrante da comissão organizadora, informou ontem que o custo da mesa com cinco lugares será de R$ 500. E que informações sobre o evento e aquisição de mesas podem ser obtidas pelo telefone 9680-0014.

A festa ainda está longe, mas a internação é urgente. Dias atrás, Jejé foi levado para conhecer a residência terapêutica Casa Nova, um lar para idosos aberto em agosto do ano passado, no bairro Boa Esperança.

A expectativa é que ele seja transferido no próximo fim de semana. O lugar é bonito, amplo, confortável e dispõe de assistência médica especializada, fisioterapia e outros serviços.

A questão é que lá a mensalidade mais barata custa R$ 3 mil, em quartos triplos, podendo chegar a R$ 6 mil se a opção for pela acomodação individual.

8 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Eu até gostaria de ajudar Jejé… tenho historias contadas em primeira pessoa por ele, mas não tenho como ajuda-lo.. assim fica minhaboa vontade como ação e minha boa vibração!

  2. - Responder

    Enquanto Isso Continua CAOS JUIZADOS DA CAPITAL!!!!……

    no 1 Juizado de Cuiaba Juiza Lucia está de férias alias de Dezembro/2012 e mole!

    no 2 Juizado – Juiz Agameno NUNCA se encontra no seu local de trabalho, um caos nenhum despacho…..

    no 3 Juizado – nem temos Juiz nem auxliar nem titular e mole !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! um CAOS!!!

    no 4 Juizado – Juiza Valdecir andava bem agora ta uma lerdeza só NADA ANDA!!!!!!!!!!!

    no 5 Juizado 0- Juiz Elnaldo dispensa comentários – um CAOS!!!!!!!!!!! nada despacha.

    no 6 Juizado Juiz Sebastião Arruda – NADA NADA faz!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    enfim tem que adotar ponto eletronico para que esses magistrados, realmente prestem serviço ao público que paga seus salários e que salários hemmmmmmmmmmmmmmmmm

  3. - Responder

    Ué e esses golpes em sua aposentadoria não foram questionados judicialmente?
    Estranho.

  4. - Responder

    vamos dar uma força pro jejé, gente, ele sempre foi um simbolo de animação e cuiabania

  5. - Responder

    Enquanto Isso Juizados de Cuiabá PARADOS!!! nao há nenhum tipo de andamento processos!!!!! CNJ neles!

    No 1 Juizado de Cuiabá Juiza Lucia está de FÉRIAS!!!!!

    No 2 Juizado como de sempre NADA ANDA! Gabinete parado. nem mesmo há aquela estagiária para anotar processos num pedaço de papel rsrsrsrs.

    No 3 Juizado aquela bagunça! pois a juiza Ana Cristina retornou vara violência e agora José!!!!! rsrsr

    No 6 Juizado Juiz Sebastião Arruda! O de sempre um CAOS!!!!!!!!!

    No 5 Juizado Juiz Elinaldo nunca está no local de trabalho ai vcs ja sabem NADA ANDA!!!!!

    No 4 Juizado Juiza Valdecir começou bem agora, só jesus na causa um mero despacho de analise de recurso demora cerca de 09 meses!!! BACEN 05 meses Liminar 01 mes etc……………………. e mole.

    Enfim continuamos no CAOS rsrsrsrsrsrsrsrsr!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. - Responder

    já tem valor do convite ou onde comprar ou só mais pra frente??

  7. - Responder

    Acho admirável e válido a iniciativa por parte dos amigos e admiradores de Jejé de Oyá (José Jacinto de Siqueira), neste momento tão difícil. Contudo acredito que a produção de um livro biográfico sobre sua vida seria muito interessante, sendo que somaria bastante.

    Eu moro na cidade do Rio de Janeiro, e nunca tinha ouvido falar sobre Jejé de Oyá antes, mas ao conhecê-lo através da internet fiquei simplesmente encantando, mesmo sabendo que encontra-se em uma fase muito difícil de sua vida. E gostaria muito de saber mais sobre a vida dessa vanguardista personalidade de Cuiabá. Assim como eu, muitas outras pessoas também estão curiosas em saber mais.

    Sendo que, pelo pouquíssimo que pude ver, suas roupas e adereços pessoais são produções que merecem uma atenção especial. E não estou me refiro apenas a possibilidade de uma exposição, mas sim a confecção de uma catalogação em forma de livro.

    Como podemos perceber, mesmo debilitado, Jejé de Oyá ainda tem muito a oferecer. E esperamos que o poder governamental de Cuiabá se atente para isso.

    • - Responder

      E caso esses livros saiam realmente, me avisem. Pois serei o primeiro a comprá-los.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

14 − 11 =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.