PREFEITURA SANEAMENTO

Inquérito da Policia Federal revela que Chico Galindo montou emissora afiliada da TV Cultura usando dinheiro sujo do banco clandestino do empresário Junior Mendonça. LEIA INTEGRA DOS DOCUMENTOS DA OPERAÇÃO ARARATH

Operação Ararath – Maggi, Trimec, Piran, Regenold, Seror, Vivaldo, Campos Neto by Enock Cavalcanti

Operação Ararath – Encomind, Tocantins Adv, Bosaipo, Chico Galindo, Mauro Mendes by Enock Cavalcanti

Operação Ararath – Bic Banco, Éder Moraes e Ortolan by Enock Cavalcanti

Operação Ararath – Piran, precatórios, Andrade Gutierrez, Encomind by Enock Cavalcanti

Operação Ararath – Denúncia contra Éder, Laura, Vivaldo e Cuziol by Enock Cavalcanti

Operação Ararath – Busca e apreensão Alencar Soares e Sérgio Ricardo by Enock Cavalcanti

Operação Ararath – Busca e apreensão Junior Mendonça by Enock Cavalcanti

Chico Galindo, ex-prefeito de Cuiabá e líder do PTB em Mato Grosso também apareceu entre os politicos que fizeram negócios com o dinheiro ilegal de Junior Mendonça

Chico Galindo, ex-prefeito de Cuiabá e líder do PTB em Mato Grosso também apareceu entre os politicos que fizeram negócios com o dinheiro ilegal de Junior Mendonça

JUNTO E MISTURADO

Galindo e Bosaipo também foram beneficiados

Noelma Oliveira, repórter A Gazeta

 

Os negócios clandestinos operados pelo empresário Junior Mendonça, por intermédio do ex-secretário Eder Moraes, envolveu a compra de uma emissora de televisão a patrocínio de rally. Os pagamentos teriam sido feitos pela Amazônia Petróleo e a Globo Fomento ao ex-prefeito de Cuiabá, Chico Galindo (PTB), e a empréstimos concedidos ao conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Humberto Bosaipo.

Os nomes de Galindo e Bosaipo constam em anotações feitas por Junior Mendonça e apreendidos durante a Operação Ararath, desencadeada em novembro passado pela Polícia Federal. Além dos documentos, assegurados com os mandados de busca e apreensão, há cruzamentos com informações e investigações feitas durante o inquérito policial.

Conforme anotações, em rascunho feito pelo delator, ele repassou a quantia de R$ 1,4 milhão ao ex-prefeito, a pedido de Eder Moraes. O valor se refere à compra de um canal de televisão. A emissora foi instalada na antiga sede de uma empresa de propriedade de Sávio Brandão, empresário morto em 2002, na Avenida da Prainha, no Centro de Cuiabá.

Junior relatou que foi até o apartamento de Galindo, que após tomar um café, o entregou um lote de cheques emitidos pela empresa Amazônia Petróleo. O depoente disse que isto foi o que Eder narrou para ele sobre o negócio. O prefeito foi procurado pela reportagem, mas o seu telefone celular estava fora da área de serviço.

Empréstimos ao conselheiro

O inquérito da Polícia Federal revela ainda empréstimos feitos ao conselheiro afastado, que totalizariam R$ 790 mil. Os valores foram entregues quando Bosaipo estava no exercício das suas funções no TCE.

Nas anotações apreendidas pela Polícia Federal, o conselheiro teria pego empréstimos nos valores de R$ 134.983,00, R$ 135.200,00, R$ 108.106,00 e R$ 412,640,00. Os valores foram repassados a pedido de Eder Moraes, ora pagos em cheque ou em dinheiro.

O empresário revelou que chegou a repassar recursos financeiros ao próprio Bosaipo no seu gabinete. O conselheiro responde aproximadamente a 20 processos sob a acusação de improbidade administrativa relacionados ao período em que esteve na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. Mendonça contou à PF que uma das movimentações feitas por Bosaipo foi para patrocinar um rally.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

20 − quinze =