HISTÓRIA E VIDA SEVERINA: Saíto, baseado nos ensinamentos de Lenine Póvoas, nos mostra que vale a pena relembrar os acontecimentos de nossa terra, no século passado. Afinal, o passado é uma lição para se meditar, não para se reproduzir

Gonçalo Antunes de Barros Neto, o Saíto

Gonçalo Antunes de Barros Neto, o Saíto

História e vida, Severina.

POR GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAÍTO

 

Vale a pena relembrar, nos ensinamentos de Lenine Póvoas, os acontecimentos de nossa terra no século passado.

Com a vitória da Revolução de 1906 e a eleição e posse de Generoso Ponce na governança do Estado, inicia-se um período de paz na política mato-grossense, consolidando-se, por aqui, a República.

O período antecedente foi de muita conspiração e luta, tendo na origem mais imediata a deposição de Manoel José Murtinho, em 1892, levando Ponce a articular uma contrarrevolução.

E como a história está repleta de ‘acasos’, após ter tomado posse em 15/08/1907, Ponce renuncia à governança em exatos um ano e dois meses, tendo concluído o mandato Pedro Celestino Correa da Costa, sucedido por Joaquim Augusto da Costa Marques, então proprietário da Usina Ressaca, em Cáceres.

Com o término da Primeira República, tendo sido deposto o presidente Washington Luiz pela Revolução de 1930, não somente ele, mas se fechou também o Congresso Nacional e as Assembleias estaduais, instala-se o governo provisório de Getúlio Vargas, no que se denominou de República Nova ou Segunda República.

Veio o tempo das ‘interventorias’, até a Revolução Constitucionalista de 1932 em Mato Grosso e São Paulo, destacando-se: Antonino Mena Gonçalves, Artur Antunes Maciel, Leonidas Antero de Mattos, Cesar de Mesquita Serva, Fenelon Müller e Newton Cavalcanti.

Atendendo ao anseio pela legalidade constitucional, apesar da derrota de Vespasiano Martins e seus companheiros, que se exilaram no Paraguai, o governo, em 1933, convoca eleições gerais, introduzindo o voto feminino e o voto secreto, nascendo uma Assembleia Nacional Constituinte, com a consequente promulgação da Constituição de 34.

Dos fatos históricos, constatam-se avanços após períodos revolucionários, funcionando como que engrenagem obrigatória contra a vontade personalizada.

Na advertência de Mário de Andrade, ‘O passado é uma lição para se meditar, não para se reproduzir’. A maturidade democrática, nunca antes alcançada como agora, elege o arcabouço jurídico-constitucional como esteio e panaceia, axiologia necessária na pós-modernidade.

…‘Eu insulto o burguês-funesto!/O indigesto feijão com toucinho, dono das tradições!/Fora os que algarismam os amanhãs!/Olha a vida dos nossos setembros!/Fará Sol?/Choverá?/ Arlequinal!/Mas à chuva dos rosais/o êxtase fará sempre Sol!//Morte à gordura!/Morte às adiposidades cerebrais/Morte ao burguês-mensal!/ao burguês-cinema!/ ao burguês-tílburi!/Padaria Suissa!/ Morte viva ao Adriano!/_ Ai, filha, que te darei pelos teus anos?/_ Um colar… _ Conto e quinhentos!!!/Mas nós morremos de fome!’ (Ode ao Burguês, de Mário de Andrade)…

É por aí…

 

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO, magistrado e professor, escreve em A Gazeta aos domingos (email:antunesdebarros@hotmail.com).

 

 

 

 

 

 

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × 4 =