HIPERNOTÍCIAS: Acuado, João Emanuel envolve nomes de Riva e Silval em ‘negócios grandes’ com agiota. Vereador afirma que “forjaram esse flagrante preparado” e que vídeo tem “trucagens”. Governo do Estado, através de Carlos Rayel, não se pronuncia e José Riva não atende repórter Paulo Coelho

O vereador João Emanuel (PSD), genro do deputado estadual José Riva, foi afastado no dia 28, por decisão da justiça, da presidencia da Câmara dos Vereadores de Cuiabá. As decisões ocorreram na área cível e criminal. Emanuel é investigado na Operação Aprendiz realizada pelo Ministério Público do Estado, por suspeita de envolvimento em peculato, fraude em licitações, falsidade documental e crimes contra a administração pública.

O vereador João Emanuel (PSD), genro do deputado estadual José Riva, foi afastado no dia 28, por decisão da justiça, da presidencia da Câmara dos Vereadores de Cuiabá. As decisões ocorreram na área cível e criminal. Emanuel é investigado na Operação Aprendiz realizada pelo Ministério Público do Estado, por suspeita de envolvimento em peculato, fraude em licitações, falsidade documental e crimes contra a administração pública.

APRENDIZ ?

EXCLUSIVO: Acuado, João Emanuel envolve nomes de Riva e Silval em ‘negócios grandes’ com agiota

Vereador afirma que “forjaram esse flagrante preparado” e que vídeo tem “trucagens”. Governo não se pronuncia e Riva não atende celular

PAULO COELHO – HIPERNOTICIAS

(Atualizada às 10h22)


O presidente afastado da Câmara de Cuiabá João Emanuel Lima (PSD) comprometeu os nomes do sogro dele, deputado estadual José Riva (PSD), e do governador Silval Barbosa (PMDB) para tentar contornar uma negociação de terreno mal sucedida que ele fez com o agiota de Cuiabá Caio César Vieira de Freitas.

Investigação do Ministério Público Estadual, via Gaeco, identificou que João Emanuel utilizou documento falso da propriedade para tentar captar dinheiro, além de ser acusado de fraude de licitação. O vereador enfrenta também proposta de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre Grilagem urbana e foi afastado da presidência pela Operação O Aprendiz.
As constatações do uso dos nomes de Silval e Riva pelo parlamentar estão contidas numa gravação obtida pelo HiperNotícias.

 

captação das imagens foi feita sob orientação do advogado José Rosa pela proprietária de dois terrenos em Cuiabá, que teriam sido apropriados indevidamente por João Emanuel, sob suspeita de falsificação de assinaturas e documentos em cartórios.

A proprietária dos terrenos, identificada como Ruth, surge em cena para questionar a venda da propriedade dela, sem sua autorização.

O vereador teria dado os terrenos como garantia, no valor de R$ 500 mil junto a Freitas que, por sua vez estaria fazendo pressão para se apossar dos imóveis negociados, que estão alugados por Ruth a terceiros.

Por temer que a reação dela se tornasse um escândalo, Emanuel insiste, na gravação, que o impasse seja resolvido de forma consensual, sem que ganhe “outros desdobramentos”, como o judicial, por exemplo.


O genro de Riva insiste , no vídeo, que “o rapaz que comprou o terreno (Caio), faz muitos negócios” e que ” o Caio pode ter os defeitos dele, mas pelo menos ele cumpre a sua parte lá no Estado,cumpre lá com a Assembleia (Legislativa), enfim..”, defendeu Emanuel, ainda frisando que o agiota“ é uma pessoa idônea e séria e faz negócio comigo, faz negócio com o Silval, empresta pra ele …”

Para João Emanuel, seria muito mais cômodo formalizar um acordo pacífico com Ruth, do que “cancelar o negócio do Riva que já está feito pelo Caio e celebrado”.

Outro agravante , apontado pela dona dos terrenos é que esses imóveis ( que já estariam com muros e até um barracão onde funciona uma oficina) teriam já sido alugados para um período de três anos.

“O que eu sugerir é ressarcir o proprietário que está lá (locatário), ressarcir a senhora, fazer uma forma de compensação financeira à senhora, para não fazer que nós queimemos um nome muito grande lá na frente. Eu tenho disponibilidade para fazer isso, inclusive”, ofereceu João Emanuel.

DINHEIRO EM ESPÉCIE

Decidida a recuperar os terrenos, a empresária recebeu então Do presidente afastado da Câmara a proposta de R$ 500 mil pelos dois imóveis.

Esse acordo foi verbalizado no ato da gravação no dia 7 de outubro, ficando a dívida de Emanuel parcelada, com um sinal de R$ 100 mil de entrada para 15 de outubro e os outros R$ 400 mil divididos em 8 mensalidades de R$ 50 mil até a quitação.

A empresária aparece no vídeo também condicionando o acordo ao “pagamento em espécie, nada de cheque”.


Acuado e sem escolha, João Emanuel aceitou e se comprometeu em fazer o dinheiro chegar às mãos de Ruth, a cada mês.

No vídeo, a que a reportagem do HiperNotícias teve acesso, Emanuel também defende a idoneidade do próprio agiota e do dono do Cartório do 6 º Ofício, José Pires, que teria levado 10 dias para ‘autenticar’ a procuração para João Emanuel.

Esta gravação está em poder do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que apura também por meio da Operação Aprendiz denúncias de recebimento de propina de vereadores de Cuiabá e fraudes em licitações, entre outros crimes de improbidade.

“Querendo ou não envolve o nome do Riva”, insistiu o vereador, em outro trecho o genro do deputado, enfatizando que “eu vim para assumir tudo,eu aceito assumir o compromisso para que possamos resolver isso sem imbróglios , sem briga, sem nada”.

NEGOCIAÇÃO

Ruth, a dona dos terrenos e autora da gravação escondida, faz também por diversas vezes, apelo a João Emanuel para que ele saia dessa negociação e “tire o seu da reta, se alguém quiser vai te ferrar a vida, então se você não tem nada, sai fora”.

Mas, conselhos à parte, o vereador manteve-se firme na assunção da responsabilidade pela negociação com o agiota, seguro de que seria ele próprio, parte direta dos interessados pelo acordo financeiro com Caio Freitas.

“Eu não estou falando que eu não tenho nada, estou falando que eu sou o garantidor desse negócio para essa empresa, então de um jeito ou de outro eu tenho que arcar com o ônus”, apontou.

Para convencer a dona dos terrenos a também não tentar cancelar o trâmite feito junto ao Cartório do 6º Ofício, João Emanuel argumentou que esse processo seria muito demorado, algo que chegaria a 10 anos, já que para a retirada do cartório “teria que entrar com uma ação de cancelamento de registro público”.

Jorge Maciel/HiperNotícias
Operação do Gaeco afastou presidente da Câmara e intimou vereadores a explicar suposto pagamento de propina

O vereador, alega amizade com o dono do cartório, para quem já advogou por 10 dez anos.

O parlamentar dá a entender, no vídeo, que ele pretendia ”fazer um serviço com eles (Caio) no ano que vem e isso vai dar algo em torno de quinhentos mil reais e aí ele precisava, eu precisava também de um adiantamento (…). Eu não consigo fazer adiantamento de obra (sic) se a gente não conseguir ter uma garantia pra eu poder fazer isso…”, diz. “Foi feita a escritura no registro no 6º Ofício, o Zé Pires que fez, o dono do cartório fez o serviço pessoalmente (…) o Zé de Pires é amigo nosso, pensa numa pessoa criteriosa…”, conta vantagem.

Mas a proprietária, de forma veemente, insistiu alegando que “você pode ter certeza que não foi feito nada disso (legitimação por documento)”.

A assinatura pessoal da empresária, também foi , segunda ela, “grosseiramente falsificada” no Cartório do 2º Ofício, em Várzea Grande.

AMEAÇA

A empresária que gravou o vídeo é mãe de Pablo Norberto Dutra Caires, dono da gráfica Neox Visual, situada na avenida Miguel Sutil, em Cuiabá. Segundo investigações do Gaeco, Caio de Freitas, seus seguranças e pessoas a mando de João Emanuel foram à sede da empresa, no dia 4 de outubro, para tomar posse dos terrenos com ameaça.

Foi quando Pablo descobriu que o documento do terreno pertencente a ele e à mãe foi fraudado. Diante de ameaça, ele se socorreu à mãe, que pediu ajuda ao advogado José Rosa e gravou a conversa com João Emanuel.

João Emanuel foi afastado da presidência por decisão da juíza Selma Rosane Santos Arruda na quinta-feira, no mesmo dia em que foi realizada a Operação O Aprendiz em sua residência, empresas e na sede da Câmara de Cuiabá.

SILVAL E RIVA

A reportagem do HiperNotícias começou a conversar, por telefone, com o vereador João Emanuel, que desligou o parelho ainda no começo dos questionamentos ao justificar que estava em uma reunião.

Sobre a afirmação dele, na gravação, de que o Caio Freitas “tem negócios” com Riva e Silval, Emanuel afirmou que “isso aí foi uma colocação completamente equivocada e eu acredito que o vídeo tem uma trucagem, uma declaração do próprio autor do vídeo, a pessoa que foi mandada pelo advogado do prefeito Mauro Mendes (…). Forjaram esse flagrante preparado, acredito que já foram feitas várias trucagens nas imagens”.

A reportagem também conversou com o secretário de Comunicação do governo (Secom-MT), Carlos Rayel, que disse que só poderia falar sobre o assunto, depois que visse o vídeo.

Também, por telefone, HiperNotícias tentou falar com José Riva, mas o telefone estava fora de área ou desligado.

Categorias:Cidadania

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.59.205 - Responder

    E pensar que o PT ajudou o Riva a colocar o genro João Emanoel na presidência da câmara.

    Agora o PT está atolado até o pescoço com o Riva também na Câmada Municipal. No governo estadual Riva e PT já convivem juntos como aliados do Silval, desde a eleição.

    No Plano Federal, o partido do Riva (PSD) já é aliado do PT.

    Riva e PT, tanta afinidade que só podemos concluir que um nasceu para o outro. São almas gêmeas.

    Só espero que o Riva não deixe a sua reputação ser manchada por essa proximidade com o PT dos petralhas e da militÔncia puxa-saco de criminosos hóspedes da papuda.

    Com tanta afinidade com o PT, o Riva logo será considerado um heroi do PT.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

11 + vinte =