GRANDE, COMO ERA GRANDE: É claro que a saga vampiresca e cinematográfica do Conde Drácula está longe de terminar. Ele renascerá, encarnado em outros atores. Mas nenhum terá mais o glamour, o charme, a imponência e a majestade do ator Christopher Lee que morreu na quinta(11), aos 93 anos

CINEMA

Os vampiros também morrem

Nenhum Conde Drácula terá mais o glamour, o charme, a imponência e a majestade de Christopher Lee
por Flávio Aguiar, na Rede Brasil Atual
EMBASSY OF FRANCE IN THE UK
dracula na pagina do enock

Lee foi, é e será um ídolo cinematográfico, nos gêneros vampiro, mistério, terror, vilão ou homem misterioso

Na quinta-feira (11), foi anunciada a morte de Christopher Lee, aos 93 anos de idade, de por insuficiência cardíaca e respiratória. Lee foi, é e será um de meus ídolos cinematográficos, nos gêneros vampiro, mistério, terror, ficção científica, e em qualquer gênero, vilão ou homem misterioso.

Comprovando a tese de que vampiro – pelo menos na lenda, na ficção, no teatro e no cinema – não morre, Drácula teve várias encarnações nas telas do mundo, desde a de Max Schreck, no filme Nosferatu, de FriedrichMurnau, de 1922 (neste caso sob o nome de Conde Orlok, mas a história é baseada no personagem de Bram Stoker), passando por Bela Lugosi, vindo até o Klaus Kinski dirigido por Werner Herzog e o Gary Oldman de Coppola.

Mas nenhum teve o charme, a glória, nem mesmo o apetite, eu diria malignamente, de Christopher Lee, que estreou no papel em 1958, dirigido já por Terence Fisher, o rei do terror e da Hammer inglesa.

A diferença, por exemplo, entre Lugosi, dos anos 30, e Lee, dos anos 50 e depois, é que este, embora fosse também ator de teatro, como o primeiro, nasceu, cresceu e agora morreu inteiramente voltado para o papel deDrácula no cinema.

Além disso, Lugosi dependia muito das suas caretas – muito boas, mas bastante teatrais. Já Lee mantinha sua face quase inalterável, a não ser pelo fogo do olhar e na hora certa o arreganhar dos caninos emprestados da maquiagem. Lee foi assim, de modo paradoxal, o mais contido e o mais eloquente dos vampiros cinematográficos.

Num de seus filmes (no Brasil, ‘Drácula, o Príncipe das Trevas’) sequer falou uma única vez. Não precisava. Bastava olhar. Envergava uma longa capa esvoaçante por vezes, preta, mais preta ainda porque os filmes eram em preto e branco.

Tinha uma semelhança notável com as imagens do Vlad Dracul romeno, o personagem histórico que inspirou de longe – ponhamos longe nisto – o personagem do romance de Stoker, que inspirou, por sua vez, a cadeia de filmes e interpretações. Vi certa vez uma série de fotos de Lee com roupas semelhantes às de Vlad Dracul, no seu castelo mais famoso na Romênia (embora na verdade ele pouco estivesse por lá), na cidade de Bram, na Transilvânia. A parecença era perturbadora e fantasmagórica.

Os paralelos das interpretações são múltiplos, fascinantes e tentadores. Não se pode negar o espelhamento doNosferatu de Murnau com a já perceptível ameaça nazista na Alemanha. Também não se pode fugir da ligação entre o vampiro (1992) de Gary Oldman, romântico, algo dândi em sua aparição “laica” em Londres, com o clima retrô que se instalou depois do aparente fim da Guerra Fria em 1989/1991 (e como um vampiro, ela está de volta…).

Também no filme ‘A Dança dos Vampiros’, de Roman Polanski, apresentado em 1967, o personagem tem a ver com o clima de desabrida contestação paródica daqueles anos 1960, hoje recobertos por uma aura de “dourados”. Por falar em Guerra Fria, não se pode descartar a aproximação do Drácula de Lee daquele terror soturno que marcava o pós-Segunda Guerra, com suas ameaças de fim de mundo e hecatombes nucleares. O demônio andava à solta e podia terminar o mundo a qualquer momento, mordendo-o na veia com seu apocalipse renascente a cada dia.

Nas versões de Terence Fisher/Christopher Lee, o Conde Drácula é vencido por uma mistura de racionalidade e fé religiosa encarnadas, no primeiro filme da série, pelo caçador de vampiros van Helsing/Peter Cushing (que também se imortalizou interpretando Sherlock Holmes). Essa mistura era muito típica dos anos de Guerra Fria, em que se misturavam, do lado Ocidental, a fé na racionalidade técnica e na transcendência mística para derrotar o comunismo ateu.

Na verdade, os filmes eram proféticos, uma vez que o comunismo acabou derrotado na Guerra Fria pela sua relativa incapacidade de se renovar nas tecnologias do cotidiano, tornando sua sociedade menos atraente do que a das lantejoulas, miçangas e quinquilharias do Ocidente, potenciadas no mundo neo-liberal de Tatcher e Reagan, e pela cruzada religiosa conservadora de um oriundi de seus territórios, o Cardeal polonês Woytilatransfigurado em Papa João Paulo II.

É claro que a saga vampiresca e cinematográfica do Conde Drácula está longe de terminar. Ele renascerá, encarnado em outros atores. Mas tenho a certeza de que nenhum terá mais o glamour, o charme, a imponência e a majestade de Christopher Lee. Prova de que, no fim de contas, na vida real os vampiros também morrem.

lee-dracula

Christopher Lee  – FILMOGRAFIA (Saite Adoro Cinema)
Ano
Título
Personagem
Notas dos leitores
2014O Hobbit: A Batalha dos Cinco ExércitosSaruman  4,6
2013O Hobbi- t: A Desolação de SmaugSaruman  4,6
2013Trem Noturno para LisboaFather Bartolomeu  4,0
2012FrankenweenieMovie Dracula  4,2
2012O Hobbit: Uma Jornada InesperadaSaruman  4,6
2012Sombras da NoiteClarney  4,2
2012Tudo ou Nada: A História Desconhecida de 007Ele mesmo  3,3
2011A Invenção de Hugo CabretMonsieur Labisse  4,4
2011Caça às BruxasCardinal  3,5
2010A InquilinaAugust  3,7
2010Alice no País das MaravilhasJabberwocky  4,3
2010The Wicker TreeLord Summerisle|  3,1
2008Star Wars: The Clone WarsCount Dooku  3,8
2008Trair é Uma ArteAlfred Rhinegold  3,1
2007A Bússola de OuroMembro do Magistério  3,9
2007The Colour of MagicDeath  3,2
2005A Fantástica Fábrica de ChocolateDr. Wonka  4,4
2005Greyfriars BobbySir William Chambers  3,0
2005João Paulo IICardinal Stefan Wyszynski  3,2
2005Star Wars: Episódio 3 – A Vingança dos SithCount Dooku  4,5
2004A Noiva-CadáverPastor Galswells  4,4
2004Rios Vermelhos 2 – Anjos do ApocalipseHeinrich von Garten  3,5
2003O Senhor dos Anéis – O Retorno do ReiSaruman (extended edition)  4,7
2002Bond Girls Para Sempre(Imagens de arquivo)  3,3
2002James Bond e seus Melhores Momentos  3,2
2002O Senhor dos Anéis – As Duas TorresSaruman  4,6
2002Star Wars: Episódio 2 – Ataque dos ClonesCount Dooku  4,3
2001James DeanAssistente de diretor do “Eden”  3,3
2001O Senhor dos Anéis – A Sociedade do AnelSaruman  4,7
2000No InícioRameses I  3,2
1999A Lenda do Cavaleiro Sem CabeçaJuiz  4,4
1999Bond, James BondEle Mesmo 
1997A OdisséiaTiresias  3,6
1994Loucademia de Polícia 7 – Missão MoscouComandante Rakov  3,3
1993Trem da MorteGeneral Konstantin Benin  3,1
1990Gremlins 2 – A Nova TurmaDoutor Catheter  3,6
1990O Ladrão do Arco-ÍrisTio Rudolf  3,2
1987Mio Min MioKato  3,2
1983A Mansão da Meia-Noite  3,1
1980As Panteras (1976) – Temporada 5Episódios 12  3,1
19791941 – Uma Guerra Muito LoucaCapt. Wolfgang von Kleinschmidt  3,4
1978A Volta da Montanha EnfeitiçadaVictor Gannon  3,1
1977Aeroporto 77Martin Wallace  3,4
1974007 Contra o Homem com a Pistola de OuroFrancisco Scaramanga  3,5
1973O Homem de PalhaLord Summerisle  3,3
1973Os Três MosqueteirosRochefort  3,4
1972Drácula no Mundo da Minissaia  3,2
1970A Vida Íntima de Sherlock HolmesMycroft Holmes  3,3
1970Júlio CésarArtemidorus  3,2
1970Uma Dupla em Sinuca  3,0
1969Grite, Grite Outra Vez!  3,1
1968Drácula, o Perfil do DiaboDracula  3,3
1959A Múmia  3,3
1959O Monstro de Duas Faces  3,1
1958O Vampiro da NoiteCount Dracula  3,5
1952Moulin RougeGeorges Seurat  3,2
1951O Falcão dos MaresSpanish Captain  3,2
1948HamletSpear carrier  3,4

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

7 + 6 =