GRANDE, COMO ELA É GRANDE: Sophia Loren, atriz e musa do cinema italiano, chega aos 80. É universalmente reconhecida como uma das atrizes mais famosas – e mais belas – de toda a história do cinema mundial. O American Film Institute a colocou entre as 25 maiores estrelas de todos os tempos. A atriz aproveita a ocasião para lançar sua autobiografia, contando como passou de menina miserável que vivenciou a 2ª Guerra Mundial e se deparou com a fome durante a juventude, até se transformar em um dos grandes nomes da cultura popular do século 20

Sophia-Loren-sophia-lorenCinema

Sophia Loren, a musa do cinema italiano, chega aos 80

Para celebrar seu aniversário, a atriz ganha uma exposição itinerante patrocinada pelo magnata Carlos Slim, o homem mais rico do mundo

Raquel Carneiro, da revista VEJA
Carlo Ponti, diretor de cinema italiano, e sua esposa, Sophia Loren, chegam a Copenhague, Dinamarca -  23/01/1958

Carlo Ponti, diretor de cinema italiano, e sua esposa, Sophia Loren, chegam a Copenhague, Dinamarca – 23/01/1958 – Keystone/Getty Images

Sophia Loren e Gregory Peck durante a gravação do filme 'Arabesque', em Gatwick, no Reino Unido - 01/06/1965

Sophia Loren e Gregory Peck durante a gravação do filme ‘Arabesque’, em Gatwick, no Reino Unido – 01/06/1965 – Worger/Getty Image

Charlie Chaplin com Sophia Loren em sua festa de aniversário, em 1966

Charlie Chaplin com Sophia Loren em sua festa de aniversário, em 1966 – Larry Ellis/Getty Images

A atriz italiana Sophia Loren durante a 67ª edição do Festival de Cannes, na França, em maio de 2014

A atriz italiana Sophia Loren durante a 67ª edição do Festival de Cannes, na França, em maio de 2014 – Pascal Le Segretain/Getty Images

Belos cabelos castanhos, corpo escultural e memoráveis olhos verdes, que consagraram a maquiagem “gatinho” até hoje copiada por mulheres do mundo todo. Os atributos físicos da atriz Sophia Loren já seriam suficientes para torná-la uma das mulheres mais famosas e desejadas do mundo. Interpretações memoráveis, porém, fizeram dela não apenas uma mulher cobiçada, mas também uma das atrizes mais importantes da história do cinema. Não à toa, os 80 anos da musa do cinema italiano, celebrados neste sábado, 20, serão marcados por homenagens como a preparada por um importante fã mexicano: o empresário Carlos Slim, que vem a ser o homem mais rico do mundo, organizou uma exposição especial no Museu Soumaya, propriedade sua no México, para festejar a data. A mostra depois deve ser exportada.

Sophia Loren nasceu Sofia Scicolone, em Roma, em 20 de setembro de 1934. Filha de Riccardo Scicolone e da atriz Romilda Villani, Sophia e a irmã, Maria Scicolone, cresceram sem o pai, que já era casado e não assumiu a família ao lado de Romilda. Desamparada, a mãe das garotas, que era constantemente comparada à sueca Greta Garbo nas ruas, retornou para a casa da família na pequena cidade de Pozzuoli, em Nápoles. Lá, elas viveram um longo período de pobreza, efeito da devastação causada pela Segunda Guerra Mundial no país. “Minha vida não é um conto de fadas, ainda é doloroso falar sobre isso”, disse Sophia à revista americana Vanity Fair, em 2012. Na época, o voluptuoso corpo da atriz não existia. De tão magra, ela ganhou o apelido de “Sofia palito de dente” na escola.

Aos 14 anos, a vida da jovem começa a mudar. Incentivada pela mãe, ela participa de um concurso de beleza, onde ganha o primeiro lugar, uma passagem para Roma e 35 dólares. Na capital italiana, ela consegue trabalhos como modelo em revistas e fotonovelas. Logo, é descoberta pelo produtor de cinema Carlo Ponti, com quem acabaria se casando mais tarde, apesar da diferença de idade de 22 anos. Para abandonar o sobrenome Scicolone, considerado pouco glamouroso, a atriz começa a ser creditada nos filmes como Sofia Lazzaro. Boatos com jeitão de folclore sustentam que o novo nome seria uma referência ao personagem bíblico Lázaro, que é ressuscitado por Jesus — já que, com sua beleza marcante, Sophia poderia ressuscitar mortos. Pouco depois, Lazzaro virou Loren, transição inspirada na atriz sueca Märta Torén, popular na época.

Sob a tutela de Ponti, a atriz participou de mais de vinte filmes entre 1950 e 1953, e subiu rapidamente de figurante para o cargo protagonista, quando conquistou a personagem título deAida (1953), após a atriz Gina Lollobrigida, apontada como sua rival, desistir do papel. Na época, aos 19 anos, ela se tornou amante de Ponti, que era casado.

A partir daí, Sophia, já considerada um símbolo sexual em uma época sem Photoshop e em que os corpos pouco se desnudavam, estrelou outras importantes produções italianas, como A Favorita (1953), Duas Noites com Cleópatra (1954) e A Invasão dos Bárbaros (1954). Em Hollywood, sua carreira deslancha em 1957, com os filmes A Lenda da Estátua Nua (1957), A Lenda dos Desaparecidos (1957), e Orgulho e Paixão (1957).

Oscar — Ela retorna ao cinema italiano em 1960, para estrelar Duas Mulheres. Na trama, Sophia interpreta uma mulher que tenta proteger a filha adolescente durante um período de guerra e acaba sendo violentada por soldados. O papel dramático rendeu a ela o Oscar de melhor atriz — o primeiro concedido a uma intérprete de língua estrangeira — além de um Bafta e um prêmio em Cannes. Insegura, a atriz faltou à cerimônia hollywoodiana e nem assistiu ao prêmio, que não era transmitido na Itália na época. A notícia da vitória chegou no dia seguinte, através de um telefonema do ator e amigo Cary Grant. Em 1965, ela recebeu outra indicação ao prêmio da Academia de Hollywood, pelo longa Matrimônio à Italiana. Em 1991, levou para casa uma segunda estatueta, pelo conjunto de sua obra.

Entre os anos 1960 e 1970, Sophia continuou a se dividir entre Europa e Estados Unidos. Foi dirigida por cineastas como Vittorio De Sica e Michael Curtiz, e estrelou diversos filmes ao lado de grandes nomes da sétima arte, como Paul Newman, Marlon Brando, Marcello Mastroianni e o próprio Grant, com quem teve um rápido flerte. As investidas do ator deixaram Ponti desesperado, o que o levou a dar início a um longo processo de divórcio, concretizado apenas em 1966, quando os dois se casaram, tiveram dois filhos e permaneceram juntos até 2007, ano em que o produtor morreu, aos 94 anos.

Na década de 1980, Sophia diminuiu o ritmo no trabalho para cuidar dos filhos e também para investir em outras áreas, sendo a primeira atriz a lançar sua própria fragrância de perfume e uma linha de maquiagem. Em 1982, ela passou duas semanas na prisão por evasão fiscal. Voltou à ativa nos anos 1990. Apesar de produtiva, a época não chega perto das boas produções escolhidas por ela no passado. Na nova fase, destaca-se Desejo de Liberdade (2002), no qual a atriz foi dirigida pelo filho Edoardo Ponti, parceria repetida neste ano no curta La Voce Umana.

Mostra — Para celebrar tal vida e obra, o magnata Slim promete, neste sábado, um jantar de gala com direito a presenças internacionais ilustres. A exposição itinerante trará objetos curiosos como os dois Oscars de Sophia, alguns vestidos, figurino de filmes, joias da atriz, roteiros de filmes e um amplo acervo de fotografias. Para finalizar o fim de semana de comemorações, no domingo ela apreciará um concerto da Orquestra Sinfônica de Minería dirigido por seu filho mais velho, Carlo Ponti Jr.

—————

Sophia Loren em uma cena fotos de «O Tráfico dos brancas». O filme de 1952 de Luigi Comencini fala sobre Alda (Eleonora Rossi Drago) vítima de Manfredi (Marc Lawrence), que organiza o tráfico de mulheres, a ser explorado ou enviado ninguém sabe para onde. A mulher tenta fugir daqui com a ajuda de Carlo (Ettore Manni). Loren no filme tem um papel menor.

Sophia Loren em uma cena de «Matrimônio à Italiana», o filme de 1964 dirigido por Vittorio De Sica. Depois de ter sido por muitos anos a empregada e amante de Domenico Soriano (Marcello Mastroianni), Filomena (Sophia Loren) finge estar no leito de morte para se casar. Mas o homem descobre o engano e está determinado a dissolver o casamento. A mulher, porém, não desiste e revela-lhe que tem três filhos, um dos quais é o seu filho. Mas qual?

Sophia Loren em uma cena de fotos de «A bela Moleira». O filme 1955 conta a história de Luca (Marcello Mastroianni) e sua esposa Carmela (Sophia Loren), moleiros no feudo governado por Don Teofilo (Vittorio De Sica) nos tempos da dominação espanhola no sul da Itália.

————–

Sophia Loren celebra 80 anos lançando sua autobiografia, ‘Ontem, Hoje e Amanhã”

Sophia Loren completa 80 anos neste sábado (20) e celebra a data presenteando os seus fãs com uma autobiografia, “Ontem, Hoje e Amanhã – Minha Vida Como Um Conto de Fadas”. Ícone do cinema italiano, a atriz decidiu reunir suas memórias em um livro, lançado no início deste mês na Europa, no qual dá detalhes sobre a trajetória de sua vida nada comum.

A obra, que chegará ao Brasil até o fim do mês e com tradução publicada pela Record, revela detalhes da vida sofrida da diva do cinema. Desde a menina miserável que vivenciou a 2ª Guerra Mundial e se deparou com a fome durante a juventude, até se transformar em um dos grandes nomes da cultura popular do século 20.

Ela relata que quando era criança sua mãe chegou a pedir esmola para sustentar o filhos, sem mostrar nenhum indício de futuro promissor. Em seu primeiro concurso de beleza, a jovem menina alta, magra e com nariz fora dos padrões de boa estética, usou um vestido confeccionado pela sua avó, usando a cortina de casa. Por sua vez, o traje fez a jovem chamar atenção. Ali, o destino promissor parecia traçado.

Em busca de fotos antigas, cartas e registros, bilhetes de figuras como Cary Grant, Frank Sinatra, Audrey Hepburn e Richard Burton, e de sua alma gêmea, o também italiano Marcello Mastroianni, Sophia Loren mergulhou a fundo no que chama “baú de lembranças”.

Relatos picantes

O livro traz ainda passagens reveladoras. Sophia relembra a ocasião em que precisou conter a empolgação de Marlon Brando disparando um olhar fulminante sobre ele. “De repente ele colocou as mãos em mim. Virei-me com toda a tranquilidade, bati em seu rosto e disse: ‘Não ouse fazer isso de novo. Nunca mais!’. Quando o pulverizei com os olhos, ele pareceu pequeno, indefeso, quase uma vítima de sua própria notoriedade. Ele nunca mais repetiu o gesto, mas foi muito difícil trabalhar com ele depois disso”, declara.

A história com Cary Grant foi diferente. Os dois começaram a se apaixonar no set de filmagem de “Orgulho e Paixão”, em 1956, e ele sugeriu que ambos rezassem para tomarem a decisão certa. Sophia tinha 22 anos e vivia um romance com Carlo Ponti, com quem iria se casar. Grant tinha 52 anos, estava em seu terceiro casamento, mas mesmo assim pediu a mão de Sophia.

“Suas memórias tão esperadas dão aos fãs detalhes da mulher que deixou sua marca em uma era”, escreveu Judith Curr, presidente da Atria Publishing Group e responsável pela edição.

O título de sua autobiografia, dividira em três partes, foi tirado da coleção cômica dirigida por Vittorio De Sica, no qual Loren interpretou três papeis diferente.

Em maio deste ano, Sophia acompanhou a exibição do curta-metragem “A Voz Humana” no Festival de Cannes. O filme, que marcou o retorno de seu filho Edoardo Ponti como diretor, é protagonizado pela atriz e recebeu muitos elogios da crítica.

A estrela já ganhou o troféu de Melhor Atriz no Festival de Cannes, em 1961, pelo filme “Duas Mulheres”, além de ter sido presidente do júri em 1966.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × dois =