Governador atende Fórum Sindical e amplia reajuste salarial de 4,5% para 6,17 % para todos os servidores

Durante a reunião, governador Silval pediu auxilio do Fórum Sindical para encontrar formas de reduzir os gastos do Governo

Durante a reunião, governador Silval pediu auxilio do Fórum Sindical para encontrar formas de reduzir os gastos do Governo

A sala de reuniões do gabinete do governador Silval Barbosa foi tomada pelos sindicalistas do Fórum Sindical, nesta quinta-feira, 8 de maio. É que Silval fez questão de abrir espaço em sua agenda, atendendo ao secretário Francisco Faiad, para comunicar pessoalmente às lideranças dos servidores o novo índice de reajuste salarial, valido a partir da data-base que é o mês de maio. De acordo com o comunicado do governador, os servidores estaduais, ativos, aposentados e pensionistas passaram a receber seus salários, no final deste mês, com um reajuste de 6,17%, que corresponde à reposição integral da inflação apurada pelo Indice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), entre os meses de maio de 2012 e abril de 2013.

Silval garantiu que a conjuntura é de crise, já que tem havido um expressivo atraso nos repasses federais e que será necessário apertar o cinto para garantir o pagamento da folha. “Os servidores, todavia, representam a prioridade número um para nosso governo, e não podiamos deixar de fazer o máximo para manter seu padrão de remuneração”, disse o governador, anunciando que o índice de 6,17% acarretará um aumento de R$ 97 milhões na folha de pagamento. Ele apelou para que as lideranças sindicais ajudem o governo, sugerindo formas de redução dos encargos.

Os sindicalistas Veneranda Acosta, do Sinetran, e Gilmar Brunetto, do Sinterp, sugeriram um controle mais duro da administração estadual na concessão de incentivos fiscais. Por reivindicação do governador Silval Barbosa, uma agenda especial deve ser marcada, para as próximas semanas, para que o Fórum Sindical tenha condições de formalizar essa e outras propostas de redução dos gastos governamentais.

Particpou, também, da reunião o deputado federal Carlos Bezerra e o Fórum Sindical foi representado, além de Veneranda Acosta e Gilmar Brunetto, por Anibal Marcondes (Siagespoc) Leovaldo Duarte (Siprotaf), Benedito Moraes (Assinfra) Franciene Barros (Sinetran), Cledison Gonçalves (UGT) Gilson Queiroz (Siagespoc) Idejair Conceição (Sinnp) Edmundo César Leite (Sinpaig) Wanderson Nunes (Assof) Luiz Wanderlei dos Santos (Sintesmat) Edson Botelho do Prado (Siprotaf) João Batista Pereira de Souza (Sindspen) Diany Dias (Sintap) Joelson do Amaram (ACSPMB|M) Luciano Esteves (Assoade)  Márcio Godoy (Sindipec) ) Alzita Ormond (Sisma), Mário Martins Carvalho (Sinfisio) Ana Maria Camilo (Sinfate) Glicélio Alves de Lima (Sintema) Alisson dos Santos (Sindpec) e Ricardo Bertolini (Sinfate)

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Ora, Ora, Ora. É o mínimo do direito que o governador pode fazer. Afinal, não se trata de aumento mas, sim, de reposição da inflação. O referido Fórum lutou pelo que é de direito – a reposição da inflação. E se não existisse a organização, ficaria por isso mesmo? Acorda povo mato-grossense, porque se está ruim agora, depois da Copa vai piorar. Não é nada contra a Copa do Mundo, mas pesquisem como ficaram as economias daqueles que já foram sede do maior evento do futebol do mundo.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezenove − três =