GIBRAN LACHOWSKI: Alguém que morreu por causas de justiça segue vivo, nos animando a continuar a caminhada

Gibran

Presentes na caminhada

Por Gibran Lachowski

 

É preciso fazer Memória para irmos construindo a nossa História.

 

Por isso é comum nos movimentos sociais e na igreja-pé-no-chão entoarmos o nome de alguém que já morreu por causas de justiça, posto que, para nós, segue vivo o seu exemplo, nos animando a continuar a caminhada.

 

Foi assassinado Chico Mendes por defender a natureza e os povos da floresta: “Chico Mendes, presente na caminhada!”. Mataram Simão Bororo em Mato Grosso por defender a causa indígena: “Simão Bororo, presente na caminhada!”. Tereza de Benguela, Zumbi dos Palmares, Dorcelina Folador, Margarida Alves, Dorothy Stang, Che Guevara, Martin Luther King, Malcon X e tant@s outr@s, “presentes na caminhada!”.

 

Também fazemos memória de quem não foi assassinado (ainda bem) e teve importante papel na luta por igualdade, democracia e vida digna para quem mais sofre. “Paulo Freire e sua pedagogia popular, presentes na caminhada!”. “Beth Carvalho e seu samba alegre e crítico, presentes na caminhada!”. “Padre José Ten Cate e seu compromisso com @s marginalizad@s em Cuiabá, presentes na caminhada!”.

 

São presentes também por se colocarem como oferendas nas sendas da vida.

 

E são tantas mulheres e tantos homens que se fazem hoje, no dia a dia, indispensáveis à sociedade. E o fazem nos campos da cultura popular, da economia solidária, da reforma agrária, da geração de emprego e renda, do resgate de trabalhadoras e trabalhadores escravos, do equilíbrio humano com Pacha Mama, da negritude, do feminismo, das lutas LGBT, da criança e do adolescente…

 

São sementes na caminhada.

 

 

Gibran Lachowski, jornalista e professor universitário em Mato Grosso

 

 

 

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

três × dois =