gonçalves cordeiro

GABRIEL NOVIS NEVES: A solidão humana é de tal ordem nesse mundo pós-moderno, que os jovens postam seguidamente seus atos e suas vidas nas inúmeras redes sociais do momento. Carentes de quem os ouçam e os compreendam, tentam desesperadamente, e em conjunto, um pedido de socorro

Catarse
POR GABRIEL NOVIS NEVES

Os mais velhos sabem muito bem a falta que fazem os antigos médicos de família.

Aquela pessoa cheia de generosidade era mais que um simples médico, era um amigo. Estava sempre presente nos momentos de dor física ou mental, aliás, muito misturadas.

Esses seres eram venerados pelos membros de um mesmo clã, e assim permaneciam por várias décadas monitorando a saúde de todos.

Nos tempos modernos esse personagem foi substituído pela tecnologia. Hoje em dia, os exames complementares sofisticados são sempre considerados mais importantes do que uma boa anamnese.

Na anamnese o médico da família incitava seus pacientes a falarem de suas angústias e medos. Muitas das vezes os seus males eram oriundos desses sentimentos.

A catarse, tão necessária, já estaria sendo adiada. Aprendemos no dia a dia que tempo é dinheiro e, portanto, papos longos são onerosos e desnecessários.

Tudo isso na contramão da medicina preventiva. Ela já provou que os distúrbios funcionais são gritos de alerta dados pelo nosso organismo e que, se detectados através de uma boa anamnese, inúmeras doenças podem ser evitadas.

Homeopatas ou qualquer outro médico praticante da medicina alternativa – como a chinesa – valorizam, e muito, o estado emocional de seus pacientes. Razão pela qual dedicam um grande tempo a essa etapa verbal da consulta.

As várias religiões, que também cumpriam esse papel de receptores de confidências, foram minimizando essas práticas. O desabafo nas confissões foi substituído pela cantoterapia que, apesar de eficiente, está sempre voltada para o rebanho, e nunca para as problemáticas individuais.

Finalmente, as diversas psicoterapias, através de suas várias correntes, são inacessíveis às pessoas de baixa renda, ou seja, a grande maioria.

Com um pouco de sorte, jovens encontram essa abertura nas pessoas mais velhas. Na maioria das vezes os idosos, pelas suas experiências culturais e vivenciais, são ótimos ouvintes. Ouvem carinhosamente os que os procuram – geralmente netos e bisnetos. Não julgam, compreendem.

A tecnologia anda a passos gigantes. Quem sabe em vinte anos não teremos a assustadora máquina médica como substituta da máquina humana, desaparecendo assim a profissão de médico?

Ao apertar um simples botão, faríamos uma catarse completa e recarga energética imediata.

A solidão humana é de tal ordem nesse mundo pós-moderno, que os jovens postam seguidamente seus atos e suas vidas nas inúmeras redes sociais do momento.

Carentes de quem os ouçam e os compreendam, tentam desesperadamente, e em conjunto, um pedido de socorro, já que o empobrecimento das suas trocas afetivas é devastador.

 

Gabriel Novis Neves médico e reitor fundador da UFMT

Gabriel Novis Neves, reitor fundador da UFMT, é médico em Cuiabá

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Belas e sábias palavras doutor!!!

  2. - Responder

    Belíssimo artigo, Dr. Gabriel. Não poderia estar mais correto.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 1 =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.