PREFEITURA SANEAMENTO

Fórum Sindical acompanha deputada Luciana na entrega de relatório paralelo à PGR e pede rigor nas investigações. MP deve desdobrar investigações através dos promotores Ana Bardusco e Roberto Turin. Veja em vídeo

Já está nas mãos do procurador geral de Justiça, Paulo Prado, o relatório paralelo desenvolvido pela deputada Luciane Bezerra (PSB-MT) com relação aos rombos financeiros no MT Saúde. A entrega do documento, na quinta-feira, contou com apoio e participação de sindicalistas do Fórum Sindical que foram até o Ministério Público para demonstrar seu interesse em que os responsáveis pelos desvios de recursos do plano de saúde dos servidores estaduais sejam corretamente identificadods e severamente punidos. Gilmar Brunetto (Sintep), Cledison Gonçalves (UGT), Diany Dias (Sintap) e Anibal Marcondes (Siagespoc) voltaram a parabenizar a deputada Bezerra por sua iniciativa, já que o relatório oficial apresentado pelo relator, deputado Emanuel Pinheiro (PR-MT) trouxe muita frustração aos sindicalistas. Confira o noticiário e veja no vídeo cenas do encontro dos sindicalistas com a parlamentar e com o chefe do MP-MT. (EC)

“Envolvidos têm que devolver dinheiro”, diz Prado sobre relatório de Luciane

Ana Cristina Bordusco e Roberto Turim devem analisar o relatório e prosseguir com as investigações.

RENAN MARCEL – DA REDAÇÃO
REPORTER MT

O procurador-geral do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, Paulo Prado, deve encaminhar nesta segunda-feira (15) o polêmico voto em separado da deputada estadual Luciane Bezerra (PSB) sobre a CPI do MT Saúde aos promotores Roberto Aparecido Turim e Ana Cristina Bordusco.

Apesar de ter recebido o relatório em mãos pela deputada, o procurador preferiu não emitir parecer sobre o conteúdo do documento. “Não me aprofundei no conteúdo, por isso prefiro não emitir juízo. A competência para isso não é minha”, justificou.

No entanto, ele não descartou a possibilidade de ressarcimento ao erário, se forem comprovadas as indicações. “Se ficar confirmado, vai responder por improbidade e o dinheiro terá que ser devolvido sim”, afirmou.

Em seu relatório a deputada pediu a prisão cautelar de 18 pessoas, as quais ela apontou como responsáveis pelo rombo de R$ 25 milhões no MT Saúde. Entre os crimes elencados por Bezerra estão improbidade administrativa e formação de quadrilha. A deputada entregou o documento, com 1,3 mil páginas, nessa quinta-feira (11) ao MPE.

Segundo Prado, Turim, que desde 2011 é responsável pelo inquérito relativo às operadoras de saúde Samaritano e Open Saúde, que foram gestoras do plano dos servidores, deve se aprofundar sobre a parte do relatório que aponta improbidade administrativa cometida pelos gestores.

“A parte relativa à improbidade vai ser encaminhada para o promotor Roberto Aparecido Turim, que já investiga o caso. A outra parte criminal deve ser encaminhada para a promotora Ana Crisrtina Bordusco. Mas a assessoria ainda está debruçada sobre o documento. O encaminhamento será, provavelmente, na segunda-feira”, afirmou o procurador-geral de Justiça

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.5.233.118 - Responder

    – Não seria uma meia noticia caso declinasse os nomes dos acusados ou ao menos fizesse alguma menção ao motivo da não divulgação, ou ainda se citasse os nomes já conhecidos. Ou seria justo esse o truque? Não citar dois pra não citar nenhum? Afinal amigo Enock, porque tanto segredo? Será que alguém acredita no que diz o procurador…? Eu não…nunca…jamais…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − catorze =