PREFEITURA SANEAMENTO

“FORA, RIVA”: Para Ademar Adams, deputado Romoaldo Jr, que não tem coragem de sentar pra valer na cadeira de presidente da Assembleia, deve renunciar ao mandato de deputado e ao cargo de presidente. Veja o vídeo

Analista muito ativo da realidade cuiabana, mato-grossense e brasileira, o jornalista Ademar Adams falou à PAGINA DO E sobre as manifestações de rua que tem marcado o cotidiano no Brasil e que explodiram nas ruas de Cuiabá no histórico dia 20 de junho deste ano de 2013.

Diante da marcha dos 50 mil, nas ruas de Cuiabá, no dia 20 de junho de 2012, Ademar Adams ficou se perguntando: “Como conduzir isso para as transformações que esta mesma massa está pedindo? Confesso que até agora não encontrei resposta”.

A posição de Adams mistura perplexidade e ceticismo diante dos possíveis desdobramentos dessas manifestações. “É a marca do Brasil. Nós somos o último país que ficou independente nas Américas. Nós fomos o último país que libertou os escravos. Nós fomos o último país a proclama a república. Sempre em processo de conchavos” – lembra Ademar Adams.
O povo nas ruas da capital de Mato Grosso gritou, de forma coletiva, o “Fora, Riva!” Ninguém sabe, todavia, quando, efetivamente, se concluirão os julgamentos relativos aos rombos na Assembleia.

Confira, no vídeo, toda a análise de Ademar Adams e veja como ele defende que o deputado Romoaldo Junior – que ainda não teve coragem de sentar na cadeira que está vazia, desde que a Terceira Camara Civel do Tribunal de Justiça, comandada pela desembargadora Maria Erotides, determinou o afastamento do superprocessado Geraldo Riva da presidência daquela Casa – renuncie à presidência da Assembleia e ao seu mandato de deputado.

——————-
ENTENDA O CASO

Notícias / Política MT


Há 3 meses afastado, Riva continua a ocupar gabinete da Presidência à espera de julgamento

Da Redação – Laura Petraglia
OLHAR DIRETO – 07/08/2013 – 19:20

Afastado há exatos três meses da Presidência da Assembleia Legislativa de Mato Grosso pelo Tribunal de Justiça, o deputado estadual José Riva (PSD) ainda ocupa o gabinete da presidencia. O ocupante do posto, Romoaldo Júnior (PMDB), nega que o parlamentar interfira em qualquer decisão institucional e continue ‘dando as cartas’ lá dentro.

“Pelo contrário. O deputado Riva, desde que foi afastado, nunca deu nenhum pitaco nos trabalhos da Assembleia, muito menos da Presidência”, defendeu Romoaldo, ao reforçar que Riva foi eleito presidente da Casa de Leis, enquanto ele é apenas um substituto enquanto aguarda julgamentos dos embargos de declaração que a defesa do peessedista apresentou contra a decisão do Tribunal de Justiça.

Enquanto aguarda o julgamento dos embargos de Riva, Romoaldo admite que continua a despachar em seu gabinete e, só utiliza o da Presidência para tratar de assuntos institucionais. “Eu estou no meu gabinete e na Presidência. Os assuntos institucionais eu trato na Presidência e os relacionados ao deputado Romoaldo, eu trato em meu gabinete”, admitiu.

O presidente ainda reforçou a admiração que tem por Riva. “Ele é um grande líder, preside um partido que tem cinco deputados na sua base, é um grande articulador, mas mesmo assim, a partir do momento em que foi afastado, obedeceu a ordem judicial”, finalizou.

Em entrevista ao Olhar Direto, José Riva (PSD), disse que já poderia ter retomado suas funções de presidente a partir do momento em que sua defesa apresentou os embargos declaratórios, porém, preferiu esperar o julgamento.

O caso

A ação que levou José Riva à perda da Presidência e ao afastamento das funções do conselheiro do Tribunal de Contas ex-deputado Humberto Bosaipo trata da emissão de 44 cheques, no valor total de R$ 2.153.393,66, em favor da firma individual DP Quintana Publicidade, aberta com o CNPJ de uma empresa de peças íntimas femininas, que conforme a Jucemat encontra-se com o CNPJ suspenso.

A empresa teria vencido o processo licitatório aberto pela Assembleia para contratação de serviços de publicidade, que nunca foram prestados.

Além de Riva e Bosaipo mais cinco pessoas respondem a esse processo, sendo dois servidores da Assembleia, Luis Eugênio Godoy e Geraldo Lauro, que emitiram os cheques, juntamente com deputado Riva e Bosaipo.

Nivaldo de Araújo, chefe do setor de licitação, não conseguiu provar que a empresa foi vencedora de um certame, além dos irmãos Joel e José Pereira Quirino, envolvidos com a montagem de diversas empresas fictícias que participavam de licitações fraudulentas junto a Assembleia.

Em entrevista recente ao Olhar Direto, o parlamentar disse o caso real é que havia uma empresa que operava com locação de aeronave e ela parou de operar com a Assembleia em 1998. Em 2000 ela mudou o ramo de atividades, passou a fabricar roupas íntimas. “E aí usaram essa maldade”, disse.

Segundo ele, isso foi amplamente mostrado. “Tanto é que não há nenhum procedimento em nenhuma instância. Então as pessoas que se utilizam disso, são pessoas inescrupulosas sem compromisso com a verdade”, salientou.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.52.117 - Responder

    Romualdo,é um bananão,subordinado e humilhado por Riva diariamente.Riva não desocupa o gabinete da presidência mesmo,sem ser presidente,participa das reunões da mesa diretora e,preside essas ditas reuniões,mesmo sem ser membro da mesa diretora,dá entrevistas como presidente de fato,e esta tudo bem.Onde estão as instituições?Onde está o MP,oTJ?Faltam homens em Mato Grosso,sobram ratazanas. Falta mobilização,vamos cercar a Assembleia e só sairmos de la quando Riva desocupar o gabinete da Presidência!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × 5 =