TCE - DEZEMBRO

FISCALIZANDO O FISCAL: Jeferson Coelho, corregedor nacional do MP, arquiva reclamação do ex-prefeito de Barra do Garças Wanderlei Farias contra os promotores Wdson Luiz Franco Mendes e Marcos Brant

O ex-prefeito Wanderlei Farias se sentiu prejudicado pelos promotores Wdison Luiz Franco Mendes e Marcos Brant Gambier Costa. O pedido acabou sendo arquivado pelo corregedor geral do MP

O ex-prefeito Wanderlei Farias se sentiu prejudicado pelos promotores Wdison Luiz Franco Mendes e Marcos Brant Gambier Costa. O pedido acabou sendo arquivado pelo corregedor geral do MP

Corregedoria do MP arquiva reclamação de ex-prefeito contra promotores de MT

De Brasília – Catarine Piccioni
OLHAR DIRETO

A corregedoria nacional do Ministério Público (MP) arquivou reclamação disciplinar formulada por Wanderlei Farias Santos (PR), ex-prefeito de Barra do Garças (550 km de Cuiabá), contra Wdison Luiz Franco Mendes e Marcos Brant Gambier Costa, ambos promotores de Justiça em Mato Grosso.

Ao Olhar Jurídico, a corregedoria informou ter conduzido o procedimento referente à reclamação para apurar a atuação dos promotores, pois, segundo a representação registrada pelo ex-prefeito, eles cometeram “faltas funcionais” nas eleições de 2012 em Barra do Garças.

“Por não vislumbrar omissão, inércia ou insuficiência na atuação do órgão disciplinar originalmente competente, propõe-se ao corregedor nacional do MP o arquivamento da reclamação disciplinar”, escreveu Elton Ghersel (membro auxiliar da corregedoria), em decisão posteriormente e recentemente confirmada por Jeferson Coelho, o corregedor.

A decisão se baseou no regimento interno do conselho nacional (CNMP):  “o corregedor nacional poderá arquivar a reclamação disciplinar quando considerar suficiente a atuação do órgão disciplinar de origem”. A corregedoria não forneceu mais detalhes sobre o caso.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    .
    Parabéns doutores Wdison Luiz Franco Mendes e Marcos Brant Gambier Costa !
    O senhores nos enchem de orgulho !
    Nem sempre o poder econômico dita as ” leis ” …

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 × 4 =