FHC, O REACIONÁRIO: FHC fala agora em “crise moral”, como se não tivesse feito coisas como se outorgar por meios obscuros um segundo mandato não previsto na Constituição. A direita gosta, naturalmente. Mas isso não impede que FHC vá se aproximando de Carlos Lacerda. Lacerda foi para a lata de lixo da história, merecidamente. FHC tem que tomar cuidado para não repetir a trajetória de Lacerda

FHC acabou com a inflação, e isso é uma conquista gigantesca. Mas em políticas sociais suas realizações foram pequenas, até porque ele estava cercado de economistas que as desprezavam.

FHC, o reacionário

PAULO NOGUEIRA
DIARIO DO FIM DO MUNDO

Fernando Henrique Cardoso tem que tomar cuidado para não repetir a trajetória de Carlos Lacerda

Fernando Henrique Cardoso está diminuindo com o correr dos anos. Não na mesma velocidade de  José Serra, é certo, mas com constância.

Dona Rute faz falta? É possível. Talvez ela mitigasse o rancor com que a vaidade de FHC enfrenta a vantagem que Lula vai levando no duelo pelo tamanho na história do Brasil diante da posteridade.

A despeito da mídia em seu ultraconservadorismo, forma-se um consenso segundo o qual entre FHC e Lula foi este último quem realmente inovou no combate ao que é claramente o maior mal do Brasil: a miséria, decorrente da abjeta distribuição de renda.

FHC acabou com a inflação, e isso é uma conquista gigantesca. Mas em políticas sociais suas realizações foram pequenas, até porque ele estava cercado de economistas que as desprezavam.

Eram economistas profundamente influenciados pela Universidade de Chicago,  dominada pelas ideias do Nobel Milton Friedman, um economista de grande influência mundial entre os anos 1970 e 2000.

Friedman demonizava as políticas sociais como esmolas, e defendia um Estado mínimo e desregulamentado. Reagan, nos Estados Unidos, e Thatcher, na Inglaterra, foram os maiores propagandistas do ideário de Friedman.

Vista na época de FHC como uma receita infalível para fortalecer economias, a doutrina friedmaniana se revelaria, com os anos, um fracasso colossal. Ela está na origem da crise econômica mundial que castiga a humanidade desde 2007.

Um pequeno grupo se beneficiou do friedmanismo, o chamado 1%, para usar a memorável expressão do movimento Ocupe Wall St. Mas os 99% restantes, como dizia meu Tio Lau, se estreparam.

FHC é filho de seu tempo. Ele estava engaiolado, como era tão comum nos dias em que foi presidente, dentro da crença de que o friedmanismo era o melhor caminho. Na verdade, o único. Nem os trabalhistas britânicos sob Tony Blair ousaram contestar os mandamentos Friedman, e consequentemente se movimentaram para a direita como se fossem discípulos de Thatcher.Só recentemente, sob a liderança renovadora de Ed Milliband, os trabalhistas voltaram para o centro-esquerda.

Lula chegou em outro momento. No início da década de 2 000 o modelo de Friedman começava já a estertorar. A iniquidade social se revelou insustentável.  A maioria pilhada começou a protestar de forma cada vez mais intensa.

FHC não pecou lá para trás, porque o cenário era muito diferente. Seu governo seguiu placas que pareciam confiáveis. FHC fez, essencialmente, o que Reagan e Thatcher fizeram antes dele. Ele retomou, a rigor, o que Collor iniciara canhestramente. FHC teria que ser um gênio ou um profeta para enxergar, em sua presidência, os abismos para os quais o friedmanismo afinal conduziria.

Mas peca hoje, ao não entender – ou ao fingir não entender – o mundo que está aí. E então ele parece querer ser maior que Lula no grito. Alinha-se ao conservadorismo nacional para tentar recriar o cínico  “Mar de Lama”  que tanto contribuiu para o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954.

FHC fala agora em “crise moral”, como se não tivesse feito coisas como se outorgar por meios obscuros um segundo mandato não previsto na Constituição.

A direita gosta, naturalmente. Mas isso não impede que FHC vá se aproximando de Carlos Lacerda, o mentor celerado do “Mar de Lama”, e mais tarde um personagem central no golpe militar de 1964.

Lacerda foi para a lata de lixo da história, merecidamente. Faça uma estátua para ele e ela será prontamente esculachada.

FHC ainda tem chance de não repetir a trajetória de Lacerda. Mas tem que se mexer.

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.123.13.90 - Responder

    Quem êh vc petista frustrado, para falar do presidente que mudou a história do Brasil? Voce eh um blogueiro ( nem sei se êh jornalista, mas se for deve envergonhar a classe pela sua parcialidade explicita) que como a revista Carta Capital, esbraveja para polemizar, sem conteúdo útil algum. Fale para os idiotas que se deixam levar pelo populismo imbecil que só convence as massas infelizmente menos providas de informações.

  2. - IP 187.58.30.219 - Responder

    Coitado de quem trabalha neste país e paga imposto, temos que sustentar através dos nossos impostos, políticos, presidiários e as bolsas mamatas.

  3. - IP 186.213.225.128 - Responder

    A História é cruel com os tiranos, e oportunistas! temos vistos um estado segregador, inteventor, paquidérmico, e atrasado, e que agora começa a dar as caras, e apresenta as contas, contas que começa a dar calafrios na sociedade sacrificada por uma injusta carga tributaria, e que coloca seu suor no bolso desse estado partidarizado, e corrupto, formados por saquadores, e usurpadores, e endossados por pseudos “jornalistas formado na benesse da lei camata, que tem como sua via de regra o cinismo e a desfafatez.
    Quanto a dizer essas asneiras, é de uma burrice cavalar, ao se passar cerca de 20 anos, a História assassinará sumariamente estória,,, chegara um tempo, e está muito próximo, muito próximo que sociedade percebera que unica coisa de bom que aconteceu nesses ultimos 20 anos, foi a concepção do plano Real. E que está sendo solapado e atropelado por um governo corrupto, que tem uma Horda de aduladores, e bajuladores, que segregou essa nação colocando Nordeste x Sudeste , rico x pobres,empregados x patrões,supletivou o ensino superior no Brasil garantido o APARTHEID educacional na nação onde as UF´s se restringiram a burguseia, as Facul´s da vida as aos que çiteralmente compram seu curso superior através do FIES e do Prouni.
    E temos também assistido o resultado é um Pibinho, e uma infração embutida por esses marxistas, e mentecaptos ditos economistas.Quanto a populariedade é atribuida a uma região onde nas ultimas eleições a candidata monoglota conseguiu obter 10.7 milhões de votos a mais, votação essa conseguida no poligono da miséria e da ignorançia onde o voto famélico valeu mais, muito mais, onde nesses 5 estados pi-ce-pe-ma-ba foi o que deu a ela 55 milhões a 45 milhões que definiu a eleição. só lembrando nesse ultimo estado, o reitor de UF disse que os alunos dessa UF só tocavam o berimbau, porque esse instrumento só tem uma corda.
    Quanto aos medos, e demonios vistos sempre, e em qualquer lugar,,o pilhador-mór da nação tem seus motivos, perdeu 2 eleições seguidas e tem um pavor de FHC, É como viver com uma mulher bonita,e com filho bonito de olhos verdes, e com o nome do pai, e esse pai não é ele. Se um dia FHC disser que aceita disputar uma eleição, se o Molusco sair candidato em 2014,,, o molusco fugirá como um covarde. É o medo do ex marido, ou do filho falar com a mãe, e pintar um remember, e é ferro. Até digo o unico candidato que vençe o Molusco é o FHC. Ele é o pai da criança.

  4. - IP 177.3.52.160 - Responder

    Duelo na história!!! Essa é boa.

    Me admira que os petralhas tenham coragem de falar em duelo na história, porque nessa seara, eles, incluindo o Petralha-mor, já perderam.

    Os adversários dos petralhas levarão os louros pela estabilização econômica via plano real.

    O que os petralhas estão fazendo agora é solapar as bases da austeridade fiscal necessária à continuidade da estabilidade da moeda.

    Os méritos dos adversários na economia e consequentemente a estabilização democrática não tem como ser retirados pelos puxa-sacos amestrados.

    Isso apavora a horda petralha que além de tudo ainda terá que conviver com os seus chefões da cadeia, enquanto o LULLÃO responderá aos inquéritos policiais em liberdade.

  5. - IP 189.59.54.162 - Responder

    O texto faz um belo contexto cultural e histórico, mas a opinião tendenciosa de um só ponto de vista (leia-se Esquerda) deforma a mensagem pois a torna passional.
    Do mesmo modo que o autor diz que FHC é “filho do seu tempo”, empresto o mesmo jargão ao autor, seria impossível para ele dizer quem sairá vitorioso no tamanho da história do Brasil, FHC ou Lula.
    Para isso é preciso ser neutro, racional e atemporal, adjetivos que não permeiam no autor.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

três × 2 =