EXPLORAÇÃO NÃO TEM PERDÃO – Bancários de Mato Grosso rejeitam índice de 5,5% e vão à greve a partir do dia 6. Trabalhadores rejeitaram o irrisório índice de 5,5% e o abono de R$ 2.500 oferecidos pelos banqueiros. “Desrespeitosa é a palavra que define a proposta dos bancos. A volta do abono salarial e um índice de reajuste que não repõe nem a inflação afrontam a categoria. Nossa resposta será dada na rua”, afirma presidente do Sindicato dos Bancários, José Guerra

exploração não tem perdão campanha dos bancários na pagina do eBancários de Mato Grosso rejeitam índice de 5,5% e vão à greve a partir do dia 6

 

Os bancários também rejeitaram as propostas do BB, da Caixa, BASA  e do BRB

A resposta das bancárias e bancários de Mato Grosso à proposta desrespeitosa apresentada pela  Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), na última rodada de negociação,  foi GREVE por tempo indeterminado. A decisão de GREVE por tempo indeterminada foi aprovada em Assembleia realizada nesta quinta, 1º de outubro, que lotou o auditório do Sindicato dos Bancários.

Os trabalhadores rejeitaram, por unanimidade, o irrisório índice de 5,5% e o abono de R$ 2.500.

A greve por tempo indeterminado inicia a 0h do dia 06 de outubro, próxima terça-feira. E, no dia 05 de outubro, segunda-feira, às 18h, será realizada uma nova Assembleia Geral, também no auditório do Sindicato para apreciar uma possível contraproposta da Fenaban ou organizar o movimento grevista.

A reivindicação da categoria foi entregue no dia 11 de agosto e após cinco rodadas de negociações os patrões não apresentaram nada de concreto. Também não foi apresentado nada em relação às reivindicações sobre garantia de emprego, saúde e condições de trabalho e  segurança. Os representantes dos bancos apresentaram uma proposta que representa uma perda de 4% não somente nos salários, mas também em relação às contribuições previdenciárias, aos vales e ao piso da categoria – sem contar que estão tentando reeditar a famigerada política do abono.

“Desrespeitosa é a palavra que define a proposta dos bancos.  A volta do abono salarial e um índice de reajuste que não repõe nem a inflação e afronta a categoria. A nossa resposta será dada na rua”, afirma o presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso, José Guerra.

Os bancários também rejeitaram as propostas do BB e da Caixa e do Basa, que também sequer sinalizaram a retomada das negociações, apesar da forte pressão da representação dos trabalhadores. Por sua vez, o BRB, também propôs reajuste zero.

As principais reivindicações dos bancários

  • Reajuste salarial de 16% (reposição da inflação mais 5,7% de aumento real).
  • PLR de 3 salários mais R$7.246,82 fixos.
  • Piso salarial de R$3.299,66 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
  • Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$788,00 ao mês para cada (equivalente ao salário mínimo nacional).
  • Melhores condições de trabalho, com o fim das metas abusivas e do assédio moral, que adoecem os bancários.
  • Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.
  • Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS)  para todos os bancários.
  • Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
  • Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.
  • Igualdade de oportunidades: fim das discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transsexuais e pessoas com deficiência (PCDs).
Presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (SEEB-MT), José Maria Guerra

Presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (SEEB-MT), José Maria Guerra

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 + 15 =