ESTA É UM PROVA DE FOGO: José Riva, o rei dos caititus, desafia o caititu Guilherme Maluf ( e também Wilson Santos) a provar com documentos a existência de funcionários com supersalários de até R$ 71 mil mensais na Assembleia. “Isso é babaquice de ‘nego’ que quer tripudiar e ser oportunista. Dizer que há salário de R$ 71 mil? Quero que aponte o nome desse funcionário, porque não existe. É gente que quer aparecer. Dentre os meus funcionários não tinha um que não trabalhava. Eles têm que provar isso. Isso é conversa para ‘boi dormir’. É uma maneira de se promoverem”, disparou Riva

riva almt

Taí a oportunidade que os “renovadores” da Assembleia Legislativa de Mato Grosso esperavam para mostrarem que realmente vieram para fazer diferente. Não basta o discurso moralizador. O próprio deputado José Geraldo Riva, sempre apresentado como símbolo de todas as práticas sombrias (e corruptas) que pesavam sobre a Assembleia, em seu passado recente, reclama que quer ver as provas dessas práticas sombrias (e corruptas) detalhas tim-tim por tim-tim por quem fala em assumir papel de moralizador naquela Casa. Será que a nova administração do deputado Guilherme Maluf vai conseguir ir além do discurso ou vai ficar como o governador Pedro Taques que falou do VLT como “o maior escândalo de todos os tempos em Mato Grosso” mas, até agora, documentou pouca coisa deste escândalo, tanto que tem pouca gente da qual, até aqui, ele pode cobrar a devolução do que se teria pretensamente surrupiado. Confira o noticiário e fique atento a esta guerra de denúncias que, muitas vezes, não passa de mera guerra de egos de quem não consegue descer do palanque eleitoral. (EC)

 

 

 

 

POLÍTICA / FOGO CRUZADO

Riva desafia Maluf apontar funcionários fantasmas com supersalários

“Eles têm que provar isso. Isso é conversa para ‘boi dormir’. É uma maneira de se promoverem”, disparou Riva ao RepórterMT.

ANA ADÉLIA JÁCOMO
DA REDAÇÃO

RepórterMT

Clique para ampliar

“Eles vão contratar tudo de volta. Escreve o que eu estou falando”, diz Riva

Ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, atuante nos últimos 20 anos no Parlamento, José Riva (PSD), classificou nesta segunda-feira (9) a reforma administrativa formulada pelo novo líder da Casa, Guilherme Maluf (PSDB), como uma “babaquice para tripudiar e ser oportunista”.

A Casa de Leis anunciou o corte de gastos, efetuando demissões de mais de 850 comissionados, com previsão de redução de secretarias e nomeação de aprovados em concurso público.

O deputado Wilson Santos (PSDB) denunciou na última semana que a Mesa Diretora encontrou funcionários com salários de até R$ 71 mil mensais. O vice-presidente Eduardo Botelho (PSB) declarou que há servidores ‘fantasmas’ com rendimentos de R$ 30 mil mensais.

“Não existe funcionário fantasma. Isso é babaquice de ‘nego’ que quer tripudiar e ser oportunista. Dizer que há salário de R$ 71 mil? Quero que aponte o nome desse funcionário, porque não existe. É gente que quer aparecer. Dentre os meus funcionários não tinha um que não trabalhava. Eles têm que provar isso. Isso é conversa para ‘boi dormir’. É uma maneira de se promoverem”, disparou Riva aoRepórterMT.

A Casa montou uma comissão, presidida por Botelho, para promover o enxugamento da máquina. Maluf já começou a colocar em prática a reforma e assinou a exoneração de mais de 850 servidores comissionados hoje.

“Eles vão contratar tudo de volta. Escreve o que eu estou falando. Eles demitiram até as taquigrafas, seguranças, redatores… Não tem nem como fazer sessão. Já tentei fazer isso todas as vezes que fui presidente, mas todos os funcionários que estão ali trabalham”, avaliou Riva.

Um dos motivos para existirem rendimentos considerados altos seria o pagamento das Unidades Real de Valor Monetário (URV), dos quais servidores mais antigos têm direito. A Casa não poderia fazer pagamentos acima do teto constitucional do governador, que é de R$ 20 mil, e nem ultrapassar os salários dos próprios deputados, entre R$ 20 mil e  R$ 25 mil .

“O que existe são pessoas que tem URV para receber. Não existe nenhum supersalário ali. Os deputados estão desinformados, falando o que não têm conhecimento. Tudo que foi feito na Assembleia teve a participação dos 24. Se estiver errado, todo mundo errou. Vou notificar cada afirmação para apontar onde estão os fantasmas e os supersalários. Eu tenho certeza absoluta que na presidência não tem”.

LICITAÇÃO SUSPENSA

Semana passada, Maluf cancelou uma licitação no valor de quase R$ 5 milhões para aquisição de brindes, entre eles kits de higiene bucal, cordões para crachá, saco ecológico para carro, camisetas, medalhas e agendas em couro. O motivo da suspensão, segundo o tucano, é por causa de um suposto superfaturamento.

Sua assessoria afirmou que o tucano não homologou a licitação. Da mesma forma, Riva afirmou que não foi o responsável pela licitação. “Eu não participei dessa licitação. É bom perguntar para quem fez. A AL resolveu cancelar, mas houve essa licitação. Eu preciso verificar, mas, que eu saiba, não houve. Nunca assinei licitação desse tipo”, disse Riva.

Por força de decisão judicial, Riva esteve afastado da presidência da Assembleia e retornou ao cargo no final em dezembro de 2014. Antes de conseguir retornar à presidência quem respondeu pelo comando da Casa foi o deputado Romoaldo Júnior (PMDB). Até a publicação deste material, ele não havia atendido às ligações para comentar a polêmica licitação cancelada.

 

Categorias:Direito e Torto

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.67.19.74 - Responder

    Só dentada . Briga de caititú é muito perigosa, pois pode até matar . Mas agora é hora do ex-caititú maluf e o wilson santos apresentarem a relação dos funcionários marajás e o nome do que mora em Boston e trabalha na ALMT.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × 3 =