ESSE FIM DE SEMANA É DE VERA E ZULEICA – A dupla Vera e Zuleica participa, neste final de semana, do espetáculo do Flor Ribeirinha, “Nandaia”, no teatro da Assembleia. Sem dúvida nenhuma, grandes noitadas para a cultura regional

Vera e Zuleica, as grandes damas do Rasqueado

Vera e Zuleica, as grandes damas do Rasqueado, em registro fotográfico de Lorival Fernandes/DC

PERSONALIDADES

Este fim de semana é de Vera e Zuleica

A dupla de cantoras e compositoras se apresenta em meio à festa  bem cuiabana que o grupo Flor Ribeirinha comanda no Teatro do Cerrado

 

BEATRIZ SATURNINO

DC ILUSTRADO – DIÁRIO DE CUIABÁ

Uma é carioca da gema e a outra cuiabana, e juntas formam a expressão da cultura mato-grossense com o rasqueado cuiabano, se apresentando como Vera e Zuleica, do eterno grupo Sarã. Aprendizes, religiosas, vegetarianas e alegres, elas já dedicaram mais de 30 anos à resistência da multiculturalidade. Há pouco mais de um ano sem subir nos palcos, a dupla se apresenta até domingo (28), às 20h, no Teatro Zulmira Canavarros da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, como ativas participantes do espetáculo “Nandaia”, do Grupo Flor Ribeirinha.

“O show é um investimento para a construção de cultura regional”, convida a carioca Vera Regina Magalhães Baggetti que, na expressão popular, “comeu cabeça de pacu” e aqui por Cuiabá ficou, apaixonada pela cultura mato-grossense.

Muitos as conhecem, porém nem todos sabem de suas vidas e trajetórias. A começar por Vera, que nasceu no Hospital da Aeronáutica da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde o pai trabalhava.

A mãe ainda continua no Leblon, mas Vera viveu mesmo em Jacarepaguá e em Madureira. Botafoguense, faz questão de dizer que é anti-flamenguista e Portela roxa. Em sua bagagem, além de compositora e cantora, é arquiteta e urbanista, mestra em Educação Patrimonial, professora universitária, artista plástica e amante da culinária vegetariana.

Pontos em comum vivem Vera com Zuleica, que também pinta, é professora universitária, ainda arte-educadora, bacharel em Direito, com duas pós-graduações em Gestão Cultural e de Metodologia do Ensino da Arte.

Zuleica Cunha de Arruda nasceu na calorosa rua Joaquim Murtinho, em Cuiabá, onde viveu até seus 18 anos  e depois saiu para se casar, separou e tem um filho adotivo. O pai, Manoel José de Arruda, foi prefeito da capital, e foi consagrado com o nome da avenida conhecida como Beira Rio.

A cuiabana se define como uma aprendiz na vida, tomando consciência das leis divina, “sempre tendo no coração um profundo agradecimento a Deus”.  É flexível como o balanço de uma rede cuiabana, num contrabalanço com a personalidade também alegre de Vera. “Mas não pisa no meu calo”, diz Vera com riso solto.

A composição na vida delas não tem fim. “Mamãe diz que até se um ladrão passar por aqui dá música”, eleva o riso, animada com o momento que vive, com a participação do espetáculo em prol ao Flor Ribeirinha, neste final de semana, com cachê doado.

A temática das músicas é a realidade que vivemos, de amor e carinho por Cuiabá, Mato Grosso e pela Cultura brasileira. O que mostra que elas são da arte e não precisam fazer manutenção da carreira, que já flui naturalmente.

Para elas a criação vem num estouro de emoção, que brota de repente. É um insight e não tem lugar  determinado. E lembram da música “A Criação”, de João Nogueira, e cantam parte do refrão do samba assim: “Ela é uma luz que chega de repente/ Com a rapidez de uma estrela cadente/ E acende a mente e o coração.”

Vera e Zuleica são as criadoras das conhecidas músicas “Moreninha Cuiabana”, “Prece ao Luar”, “Casa de Bem Bem”, dentre outras. Em toda a história de trabalho somam mais de 300 composições, sendo a maioria de Zuleica.

Na demarcação de suas criações existem dois tipos de criação. Uma é cartesiana, que é o briefing, um material intelectual como fizeram para a campanha política do falecido Dante de Oliveira.  Já a outra é de maneira emocional e afetiva.

A última gravação de CD foi em 2007 e tem no currículo dois, o “Só Rasqueado Cuiabano” e o outro é o “Em Cantos de Mulher”, inspirado pela promulgação da Constituição Cidadã de 1988.

Mas antes disso gravaram um LP (long Play), “Raízes de Sarã”, que foi responsável pela ida delas até a Europa, onde moraram por quase três anos, a convite de um maestro austríaco que ficou encantado com o trabalho artísticos das duas entusiasmadas parceiras.

O maestro ouviu a voz da dupla num encontro de música em Brasília, por intermédio de um amigo delas, que apresentou o material, e o convite foi feito em visita até Cuiabá. Por lá tiveram a oportunidade de aperfeiçoar a arte da linguagem musical de todos os países, na terra que representa a música, na Áustria, onde desenvolveram e exploraram as músicas indígena, afro e o rasqueado, com o grupo “Sarã Cabloco Jazz”.

Também fizeram samba com rasqueado com o grupo “Rot-Weis-Rot”, que significa, “Vermelho, Branco e Vermelho”, que são as cores da bandeira austríaca.

Depois desse bombardeio de informações e experiências retornam ao Brasil, para continuar a carreira e ficarem próximas de família e amigos, e selam uma grande parceria e amizade com o saudoso sambista Joãozinho Trinta, num encontro em Cuiabá, e que resultou numa consultoria de 20 anos, até a morte desse grande artista do carnaval carioca.

Foi apresentada a ele a história de Tereza de Benguela, uma rainha negra de um Quilombo entre as regiões dos municípios de Comodro e Vila Bela da Santíssima Trindade, e que virou enredo da escola de samba Viradouro, do Rio, no Carnaval de 94.

“Foi através de suas informações que tomei conhecimento das riquezas culturais deste lugar: o cururu, o siriri, a dança do congo, o licor de pequi, suas histórias, seus ‘causos’, mitos e lendas. Fiquei sabendo sobre a importância, no contexto sociocultural mato-grossense, da tão querida viola-de-cocho, símbolo carregado de tanta energia milenar – hoje com a cara de Mato Grosso. E o que me deixou inebriado foi a cadência do ritmo musical rasqueado cuiabano. Vera-Zuleika são experts no assunto”, descreve Joãozinho Trinta no  livro “O que é o Rasqueado Cuiabano”, de Zuleica Arruda.

 

 

 

PEQUENO PERFIL CULTURAL

MÚSICA: É a nossa paixão, quase uma religião

UM LAZER: Um spá vegetariano maravilhoso, com muita música e artes plásticas

UM ARTISTA: Joãozinho Trinta, um dos maiores pensadores brasileiros

RELIGIÃO : É o amor na sua plenitude

O QUE MUDARIAM EM CUIABÁ: Uma cidade sem violência, onde a gente pudesse conviver mais humanamente, com desenvolvimento sustentável para todos. Tendo como prioridade a Cultura

DEFINIÇÃO DE CULTURA: Nos identificamos muito com o conceito do pensador contemporâneo Geertz  – “Cultura é uma teia de significados, feita pelo homem”

 

as cantora vera e zuleika (17)

 

as cantora vera e zuleika (20)as cantora vera e zuleika (24) as cantora vera e zuleika (22) as cantora vera e zuleika (23)

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × cinco =