PREFEITURA SANEAMENTO

QUE VERGONHA, OAB – Enquanto Cláudio Stábile e Mauricio Aude se escondem do Cearazinho, juiz Anderson Candiotto, de Mirassol, e subseção da OAB acabam de instituir na comarca o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE)

Lideranças de Mirassol d`Oeste, nas mais diversas áreas, se juntaram para a formação do núcleo local do MCCE

Um belo e corajoso exemplo vem da Comarca de Mirassol D`Oeste, onde o juiz Anderson Candiotto acaba de instituir, jutamente com sindicatos, presidentes de clubes de serviços, igrejas e também com a subseção local da OAB, presidida pela advogada Maria Aparecida Leite, um núcleo do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, que atuará de forma articulada com o nucleo central do MCCE, comandado em Brasilia pelo juiz Marlon Leis. O fato merece maior destaque porque lá a subseção da OAB não vacilou em aderir e fortalecer o MCCE – adotando um posição de contraste com relação à Seccional da OAB, em Mato Grosso, presidida pelo advogado Cláudio Stábile que, tão logo tomou posse, tratou de expulsar, literalmente, das dependências da OAB, no Centro Político Administrativo de Cuiabá, tanto o MCEE do Cearazinho e do advogado Vilson Nery quanto a Ong Moral, de tantas e tantas lutas. Quando a Seccional da OAB era presidida por Francisco Anis Faiad, lá estava o MCEE, de braços dados em todas as lutas com o Cearazinho e com o MCCE. Veio a administração Stábile-Maurício Aude e essa relação foi por água abaixo. Torçamos para que o exemplo que vem de Mirassol D`Oeste possa influenciar nos rumos e na postura do núcleo central da OAB em nosso Estado. Onde o combate à corrupção eleitoral, pelo visto, só ganha investimento quando se trata de investir na figura de Maurício Aude como possível sucessor de Cláudio Stábile. Confira o noticiário. (EC)

Juiz adere a movimento de combate à corrupção

Com foco na conscientização da população e apostando na participação da sociedade para fiscalizar a ação dos candidatos das eleições de 2012, o juiz eleitoral da 18ª Zona de Mirassol D´Oeste, Anderson Candiotto, instituiu na comarca o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE). O lançamento ocorreu no último dia 10 e já conta com denúncias.

Antonio Cavalcante, o Ceará, é o coordenador do MCCE em Mato Grosso - núcleo que inspirou a criação do MCCE nacional mas acabou expulso da sede da OAB pelo advogado Cláudio Stábile

O grupo é composto pelo juiz eleitoral, pela promotora eleitoral da 18ª Zona, Nathália Carol Manzano Magnani, e representantes de vários segmentos da sociedade, como presidentes de clubes de serviço, presidentes de bairros, sindicatos e associações, párocos, pastores, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entre outros.

Conforme o magistrado, a ideia de instituir o MCCE em Mirassol D’Oeste surgiu a partir do contato com o juiz Marlon Reis, do Estado do Maranhão, que esteve em Mato Grosso para proferir uma palestra. Durante a estadia, os magistrados se encontraram e ele teve a oportunidade de conhecer de perto o movimento. Por entender a necessidade da conscientização da sociedade e do combate à corrupção, o mato-grossense aderiu à campanha.

Em Mirassol D’Oeste, o MCCE recebeu o nome Mirassol Pioneiro na Transparência por ser o primeiro município do Estado a instalar o movimento. O juiz eleitoral explica que dentro do grupo todos os integrantes têm o mesmo poder e importância. O objetivo do MCCE é abrir um canal de diálogo com a população, permitindo denúncias e orientando sobre a importância da cidadania, da honestidade, do voto consciente.  A próxima etapa será a instalação do Movimento na Comarca de São José dos Quatro Marcos (315km a oeste de Cuiabá), com jurisdição Eleitoral da 18ª Zona.

O juiz Anderson Candiotto apela para que todos os cidadãos da região pólo de Mirassol encaminhem ao MCCE todas as denúncias de irregularidade que sejam constatadas neste periodo eleitoral

“É um grupo informal, onde todos têm a mesma função e importância com foco na abertura de um canal de comunicação com a sociedade. O cidadão que tem conhecimento de alguma irregularidade no âmbito eleitoral pode denunciar, conversar com o juiz e com a promotora eleitoral. Vamos investigar. Tenho feito várias palestras sobre a temática”.

MCCE – O movimento foi instituído durante o período eleitoral de 2002 e integra 51 entidades nacionais de diversos segmentos, formando uma rede com movimentos, organizações sociais, organizações religiosas e entidades da sociedade civil.

Conforme a assessoria do grupo nacional, o MCCE foi responsável pela mobilização da sociedade brasileira em favor da aprovação das duas únicas leis de iniciativa popular anti-corrupção no Brasil: a Lei nº 9.840/99 “Lei da Compra de Votos”, que permite a cassação de registros e diplomas eleitorais pela prática da compra de votos ou do uso eleitoral da máquina administrativa. Foi responsável também pela campanha da qual decorreu a aprovação da Lei Complementar nº 135/2010, popularmente conhecida como “Lei da Ficha Limpa”.

O MCCE também coordenou a campanha “Corrupção Eleitoral e Saúde – Voto não tem preço. Saúde é seu direito!”. Atualmente, o Movimento trabalha com o projeto para a Reforma do Sistema Político Brasileiro – mais uma iniciativa popular.

FONTE COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DO TJMT

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.88.26 - Responder

    Que lástima essa Ordem. Sem condições de apostar na situação novamente.
    Já bastam 16 anos do mesmo, agora numa versão piorada!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezenove + vinte =