gonçalves cordeiro

ENOCK CAVALCANTI: Governo do Estado, manipulando dinheiro público, promove censura econômica a quem pratica jornalismo independente em MT

Mauro, o governador

 

Ser jornalista independente é padecer o paraíso chamado Mato Grosso

Por Enock Cavalcanti

 

O jornalista Alexandre Aprá ganhou mais um processo contra Mauro Mendes. Os dois vivem se confrontando desde que MM foi prefeito do Estado. Mauro sempre detestou ser alvo de criticas, denúncias, avaliações demeritorias … Aliás, quem é que gosta? Mas há quem enfrente as criticas com um maior savoir faire.

Outros partem para retaliações pouco recomendáveis. E até se poderia dizer criminosas…

Vejam o caso do Mauro Mendes, agora feito governador de Mato Grosso. Ele perde processos na Justiça para o Aprá e por isso passa a considerar o Aprá não apenas um adversário dele… mas como um adversário do próprio Estado!

Sim, senhores, e não há quem fale a respeito dessa patifaria.

Veja que, como “vingancinha” contra Aprá, que tem sido um jornalista que não se omite diante de suas ações como homem público, Mauro Mendes parece que determinou e seu secretário chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, e seu secretário de Comunicação, o jornalista Mauro Camargo, os homens que controlam a distribuição das verbas para a imprensa, sonegam publicidade do Governo do Estado para o site Issoé Notícia, cujo único “crime”, ao que parece, é praticar jornalismo independente, crítico, responsável.

O Issoé Notícia não é um puxadinho do gabinete de Mauro Mendes e parece que paga por isso.

Anúncio do Governo, pago com dinheiro do contribuinte, parece que só vai pra veiculo de comunicação que lambe a bota do empresário-governador. E não pode ser assim.

Mauro Camargo, da Comunicação

Procure verificar quantos saites e emissoras de rádio e TV informaram da vitória juridica do Aprá sobre o Mauro Mendes… Por aí você pode fazer um raios x da situação de nossa política e de nosso jornalismo. da promiscuidade que acaba se revelando entre poder e imprensa.

Ora, a propaganda financiada pelo dinheiro público deveria ser distribuída de acordo com critérios técnicos. O Bolsonaro lá em Brasilia não pode priorizar o SBT, do Silvio Santos, ou a Record, do Bispo Macedo, simplesmente porque essas redes de TV capricham no sabujismo diante de sua administração canhestra…

Aqui em Mato Grosso, a distribuição de verbas não pode deixar de lado o Issoé Notícia que é um site tradicional, de grande conceito, com expressivo acessos, e de inegável credibilidade. Se o governo quer garantir respeitabilidade para a sua propaganda, ele tem que anunciar no Issoé Notícia e essa propaganda precisa ser vista pelos qualificados internautas que acompanham o trabalho do jornalista Alexandre Aprá. Ou eu estarei dizendo alguma asneira?

Mauro Camargo, o homem da comunicação, sabe bem quem é Alexandre Aprá, e conhece a importância do trabalho jornalístico que desenvolve há muitos anos em Mato Grosso. Como é que Mauro Camargo, traindo as suas responsabilidades como secretário de Comunicação, desmerecendo a sua própria trajetória e a trajetória de seus colegas de profissão, aceita participar de um esquema desses?

Além do mais, à medida que Mauro Mendes, Mauro Carvalho e Mauro Camargo praticam esse boicote contra o jornalista Alexandre Aprá, eles incorrem certamente em uma ilegalidade. Usam o dinheiro público para comprar favores dos jornais amigos e dos jornalistas amestrados, ao mesmo tempo que tentam destruir o trabalho de profissionais gabaritados e isentos como o editor do Issoé Notícia.

Uma atitude tão condenável, deve merecer o repúdio daquela rede de controle que existe, e também é sustentada pelo dinheiro público, para estabelecer o equilíbrio nessas relações. O silêncio do Tribunal de Contas, do Ministério Público, da Assembleia Legislativa, do Poder Judiciário, enfim, das autoridades encarregadas de fiscalizar a atuação do Governo do Estado, contribui, dessa forma, para o massacre de quem, como jornalista, tenta cumprir com as suas obrigações.

Entidades populares, sindicatos, o Fórum Sindical, a Ong Moral, as associações autônomas e pretensamente independentes do povo também deveriam se manifestar, protestar, colocar Mauro Mendes, Mauro Carvalho e Mauro Camargo contra a parede.

Abaixo a censura econômica!

Não dá pra entender e aceitar que este valente e atuante jornalista Alexandre Aprá seja assim atacado pelo Governo do Estado. Sim, nesse momento o que se percebe é que Aprá é vitima de uma violenta e criminosa censura econômica, que procura inviabilizar e mesmo destruir o seu trabalho, apenas por que, pontualmente, discordou dessa ou daquela atitude de Mauro Mendes. E vejam que as discordâncias de Aprá com relação a Mauro Mendes foram apoiadas e sancionadas pelo Poder Judiciário, que não aceitou nenhuma das imputações que o atual governador tentou atirar por sobre o jornalista do Issoé Noticia, pretendendo inquinar de suspeição os seus textos.

Muitos dizem que Mato Grosso é um paraíso na terra, o Estado economicamente mais vigoroso da federação brasileira. Ora, mas aqui o que se vê é que o jornalismo, para existir e faturar, geralmente tem que se submeter ao ego do poderoso de plantão. E tem gente que acha isso normal, como acha normal que lá em Brasilia Bolsonaro favorece pastores e camelôs que colocam suas redes de TV a serviço da eventual presidência da República! Os anunciantes da iniciativa privada também só respaldam aqueles veículos de comunicação que puxam o saco de quem está por cima, procuram agradar os governantes, dos quais tanto dependem.  São poucas as matérias feitas para devassar as estruturas do poder. São poucos os patrocínios que fogem às regras ditadas a partir da Secom estadual.

Não direi que a mídia corporativa não faça também uma ou outra investigação sobre os políticos.  Mas todos nós sabemos que esta não é a regra. Todos nós sabemos do conflito que se estabeleceu entre o então governador Pedro Taques, em inicio de mandato, com as poderosas redes de TV do Estado, que entendiam que tinham o direito de determinar o quanto o Governo de Mato Grosso deveria investir em suas empresas. Mas, diante desse caso da censura econômica contra Alexandre Aprá, não posso deixar de ficar boquiaberto. Sites e jornais e tvs deveriam pelo menos destacar a vitória jurídica, na verdade, as sucessivas vitórias jurídicas que Aprá tem conseguido contra o grupo político de Mauro Mendes.

Acontece que ser jornalista independente é padecer neste paraíso chamado Mato Grosso.

 

Enock Cavalcanti, jornalista e blogueiro, é editor da PAGINA DO ENOCK

Mauro Carvalho, da Casa Civil

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezoito + dezesseis =