gonçalves cordeiro

Pupin investe na sustentabilidade ambiental e trabalhista

Uma bela visão da Fazenda Marabá, em Campo Verde, Mato Grosso, considerada exemplo de produção. O presidente do grupo, empresário José Pupin. Alunos de jiu-jitsu, exibindo suas medalhas, ao lado do mestre Marcos Braz.

Uma bela visão da Fazenda Marabá, em Campo Verde, Mato Grosso, considerada exemplo de produção. O presidente do grupo, empresário José Pupin. Alunos de jiu-jitsu, exibindo suas medalhas, ao lado do mestre Marcos Braz.

 

 

GRUPO JPUPIN

Investimento no campo e nos tatames

 

 

Por: Diego Frederici
CIRCUITO MATO GROSSO

 

Quem chega à Fazenda Marabá, do Grupo JPupin, na cidade de Campo Verde (138 km de Cuiabá), não imagina que lá, além de ser um dos mais modernos campos de cultivo de soja e algodão do Brasil, também é um local onde a disciplina das artes marciais ajuda a preparar crianças para o futuro que as aguarda, além de proporcionar aos colaboradores uma melhor qualidade de vida.

Conhecido pela pujança nos negócios agrícolas e pelo sucesso na verticalização do processo produtivo, o Grupo JPupin superou desafios antes de conseguir prover aos colaboradores e suas famílias estruturas que auxiliam a formação de laços entre as pessoas. Seu fundador, José Pupin, um dos pioneiros da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), também foi idealizador do Instituto Algodão Social (IAS), que tem o objetivo de tornar o negócio sustentável em relação a leis ambientais e trabalhistas.

Um dos frutos desses investimentos que tem como foco o bem-estar comum é observado num dos símbolos da organização: a Fazenda Marabá. Lá, seus colaboradores e familiares podem desfrutar de campo de futebol, igreja, pista de corrida e caminhada, além de espaços destinados a confraternizações, palestras e cursos. Um desses locais, no entanto, chama a atenção pelo trabalho realizado, sobretudo com crianças em idade escolar e que estão dando os primeiros passos na sociedade: uma academia de jiu-jitsu.

Engenheiro agrônomo de formação, Marcos Braz saiu de Lençóis Paulista, interior de São Paulo, em busca de novas oportunidades. Faixa marrom da arte marcial japonesa (apenas um grau antes da faixa preta), Marcos concilia as demandas de sua função nos negócios do Grupo JPupin com os treinos que oferece na academia montada exclusivamente para os colaboradores e familiares, e garante: o comportamento de seus pupilos melhorou, sobretudo as crianças. O projeto rendeu frutos, e Marcos tem entre seus alunos medalhistas em competições nacionais. Um orgulho para o Grupo JPupin.

“Os pais das crianças reclamavam muito da falta de obediência. Como toda arte marcial, um dos pilares do jiu-jitsu é a disciplina. Agora, até as notas delas na escola melhoraram depois que começaram a praticar”, diz ele.

O Instituto Antônio Pupin, que traz o nome do patriarca da família, tem diversos projetos sociais voltados ao desenvolvimento de novos talentos e promoção de melhor qualidade de vida aos colaboradores do grupo e suas famílias.

Para a economista e também diretora do Grupo, Marisa Pupin, a chance de ter acesso ao lazer, principalmente quando desfrutado ao lado da família, representa muito mais do que o bem-estar de colaboradores e familiares. “Realizamos um trabalho social. Queremos trazer benefícios para a vida de todos do Grupo JPupin, incluindo o bem-estar e a prática de esportes, que é sinônimo de saúde”.

 

Marisa Pupin, que segue os passos do pai e participa ativamente dos projetos promovidos pelo Instituto Antonio Pupin

Marisa Pupin, que segue os passos do pai e participa ativamente dos projetos promovidos pelo Instituto Antonio Pupin

FONTE JORNAL CIRCUITO MATO GROSSO

Categorias:Gente que faz

8 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.197.38.82 - Responder

    e a masseratti,que nao recolheu icms,e a fazenda com escritura fraudadada e o juiz afastado ,socialmente como o instituto pupin encara tudo isso?Sera que o algodao esta manchado?Como dizia o querido frei Quirino da boa morte:Atras de toda grande fortuna ha um ou mtos crimes.Era sabio!

  2. - IP 177.152.183.25 - Responder

    Por que bloqueou meu comentário???

  3. - IP 177.193.179.92 - Responder

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. - IP 179.216.193.126 - Responder

    MATERINHA PAGA E SEM GRAÇA. É O TIPO DE COISA QUE RIDICULARIZA O PUPIM, QUE TA SENDO ALVO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

  5. - IP 177.193.179.92 - Responder

    GENTE QUE ENTENDE IRONIA É OUTRA COISA. KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  6. - IP 177.203.3.67 - Responder

    qual o propósito desta matéria??
    juntamente qd todo Mato Grosso tomou conhecimento do golpe com um cartorário e um juiz..

  7. - IP 177.203.3.67 - Responder

    me parece coisa encomendada pelo advogado da defesa do Pupim !

  8. - IP 189.32.40.214 - Responder

    Essa Marisa é muito metida…tudo as custas do meio ambiente destruido e de outros crimes muito mal planejados.Agora vão sentar no colo do capeta.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezoito + dezoito =