SHOPPING POPULAR - DOMINGO

Em eleição livre e democrática, Dilma Rousseff enfrenta e volta a vencer golpistas. Aécio, Marina, mercado financeiro, Rede Globo e todo o PIG têm razão para estar boquiabertos. “Nesta vitória da Dilma o que mais me alegra é ver os comentaristas da Globo se lamentando e saber que os reacionários viram os seus planos de ganhar mais força frustrados. Venceu o PT contra o retrocesso”, disse Luciana Genro, ao comemorar vitória de Dilma, alertando que a luta da esquerda ainda se manterá.A mesma posição teve o deputado federal Jean Wyllys: “Não passarão, a gente disse — e não passaram!”

VITÓRIA

Em eleição livre e democrática, Dilma Rousseff enfrenta e volta a vencer golpistas

Contundente, presidenta agregou movimentos e a esquerda, grupos com os quais terá de manter diálogo em seu segundo mandato. Aécio, Marina, mercado financeiro e Globo têm razão para estar boquiabertos
por Redação Rede Brasil Atual
ICHIRO GUERRA/DIVULGAÇÃO E ARQUIVO
Dilma e Dilma

São Paulo – Foi uma vitória maiúscula. A reeleição de Dilma Vana Rousseff (PT) escreve muitos capítulos inéditos e carrega uma força simbólica que, se não é maior que a das demais disputas vencidas pelo PT no plano federal, é única. A mulher nascida em Belo Horizonte em 1947 mais uma vez deixa de joelhos, boquiaberta, a repressão que lhe tentou cassar os direitos políticos.

Se havia alguma dúvida de que esta era uma eleição do candidato do sistema patriarcal brasileiro contra todo o resto, a edição do Jornal Nacional na véspera eliminou qualquer margem de ingenuidade. Jornalismo mandou lembrança, William Bonner. Dividida entre interesses públicos e privados, a emissora dos Marinho atendeu novamente a seu chamado de classe ao exibir reportagem sobre supostas denúncias de que Dilma e Luiz Inácio Lula da Silva teriam ciência de um esquema de pagamento de propinas utilizando verbas da Petrobras.

Tentou um desfecho sujo para uma temporada eleitoral eleição suja. Sob o pretexto de um protesto de jovens que empilharam lixo em um prédio da editora, que chamou de “ataque” à sede do Grupo Abril, o Jornal Nacional dedicou seis minutos a narrar a “denúncia” da revista Veja, uma publicação que nunca esteve tão à altura da alcunha de “mídia golpista”. Lá pelas tantas aparecia a figura de Aécio Neves, candidato do PSDB dado a vitórias no tapetão. Fosse tão ético quanto jura ser, o tucano teria se recusado a ecoar uma reportagem feita com base num depoimento inventado – seu suposto autor, o doleiro Alberto Youssef, desmentiu que tenha feito as declarações difundidas pela publicação semanal.

Mas Aécio, a exemplo do Jornal Nacional, atendeu a seu DNA de classe, uma elite financeira que há muito chegou à conclusão de que vale qualquer coisa para tirar o PT do poder. Têm razão as pessoas que comparam essa disputa com a de 1989. Não pelo acirramento, nem pelo embate ideológico, mas pela tentativa da Globo de se fazer protagonista de um pleito do qual não é partícipe – ou, legalmente, não o é.

A divulgação de reportagem contra Dilma na véspera da eleição não se deu ao acaso: a “denúncia” já era de conhecimento público na véspera, quando os Marinho não a quiseram levar ao ar. Não quiseram por um motivo óbvio: a presidenta teria tempo de apresentar sua versão no debate daquela noite ou de buscar direito de resposta no Tribunal Superior Eleitoral, como o obtido contra a Veja.

A última edição do Jornal Nacional antes das eleições não pode ser enxergada fora de contexto. São 12 anos de bombardeio, quatro em particular, 2014 em particularíssimo. A vitória de Dilma não é uma derrota apenas de Aécio e do PSDB. É da mídia tradicional, que investiu até o último grama de força para bater no PT, chegando ao ponto da desestabilização da democracia. É do mercado financeiro, que nos últimos três meses praticou um rally eleitoral e encontrou no tucano um porta-voz de sua vontade de ter um governo que deixe a especulação comer solta. É de Marina Silva e do PSB, que, sob o pretexto da não neutralidade maltrataram suas histórias e alinharam-se à força neoliberal que tanto combateram. É do ódio visceral a um partido, de um sentimento mais vomitado e gritado do que explicado.

É de todo um sistema repressor da democracia. O segundo turno clareou o que estava em jogo. De um lado alinharam-se movimentos sociais comprometidos com avanços, centrais sindicais em busca de melhorias para a vida do trabalhador, partidos que carregam no histórico a tentativa de transformação do país. De outro estiveram meios de comunicação a serviço da especulação financeira, representantes de segmentos fundamentalistas apavorados com qualquer avanço social, partidos que carregam no histórico a marca do elitismo e da divisão de classes.

A vitória de Dilma, por isso, jamais poderá ser entendida como um sucesso alcançado sozinho. É o êxito que coroa uma união de forças progressistas. É o êxito das ideias democráticas sobre o ideário que considera que Brasil bom é o que se divide entre pobres e ricos e que vê como intento autoritário a proposta de ampliar a participação popular, já que o exercício do sistema político deve se dar entre quatro paredes.

É esta corrente que a presidenta terá de encabeçar no exercício do mandato. Se a primeira vitória foi celebrada por trazer no bojo a maior base aliada da história no Congresso, a segunda deve ser motivo de comemoração para a esquerda por uma rara união. União que só poderá ser mantida mediante avanços institucionais em diversas áreas.

A reeleição da presidenta carrega o poder simbólico da foto em que aparece, menina, com gesto imponente perante militares que representavam a tortura e a cassação de seus ideais. Deixou a repressão de joelhos ao sobreviver às sevícias, retomar sua militância política, se tornar secretária no Rio Grande do Sul, ministra de Lula, presidenta do Brasil e uma das mulheres mais influentes do mundo.

Ao longo dos quatro anos, e particularmente desde julho, foi submetida a uma surra inesquecível. As cicatrizes, carregará para sempre. Tentarão deixar outras marcas, buscando agora um terceiro turno que já haviam tentado em 2010, ao tratar por ilegítima uma vitória obtida com a superação de dificuldades, mentiras, acusações. Dilma deixou a repressão de joelhos, mais uma vez. Não será perdoada, e terá de travar uma batalha definitiva contra os fantasmas do passado.

—————

Luciana Genro e Jean Wyllys comemoram vitória de Dilma

, no jornal GGN
Jornal GGN – Luciana Genro comemora vitória de Dilma, alertando que a luta da esquerda ainda se manterá: “Nesta vitória da Dilma o que mais me alegra é ver os comentaristas da Globo se lamentando e saber que os reacionários viram os seus planos de ganhar mais força frustrados. Venceu o PT contra o retrocesso”, disse a ex-candidata a presidência pelo PSOL pela rede social Facebook.
Diante de seu posicionamento de críticas, tanto ao PSDB, quanto ao PT, na disputa de primeiro turno, Genro ressaltou o papel da esquerda: “Menos mal. Mas é a esquerda que abandonou suas bandeiras que abriu espaço para o PSDB crescer tanto. Por isso não abrimos mão de ser oposição e construir uma esquerda coerente. Nossas lutas não são decididas nas urnas mas sim nas ruas. É lá que estaremos sempre!”, completou.
A mesma posição teve o deputado federal pelo PSOL Jean Wyllys: “Não passarão, a gente disse — e não passaram! (…) Tem momentos históricos em que a gente precisa se unir para impedir um retrocesso, para não perder o que conquistamos, mesmo que esteja aquém dos nossos sonhos e utopias”, iniciou.
“A eleição do Aécio Neves teria sido uma tragédia para o Brasil não apenas pelo que ele mesmo representa, com sua arrogância machista, seu macartismo vintage, seu neoliberalismo radical e seu udenismo, falso como todo udenismo, mas também pelo conteúdo que sua campanha representou”, completou.
“Decidi apoiar a Dilma e me engajar na campanha dela — porque, como eu já disse, jamais votaria dentro do armário, escondendo minha posição aos meus eleitores — apesar de todas as críticas que eu tenho ao seu governo e apesar de todos os custos que isso me causou no interior do meu partido, que estava dividido entre o voto nulo e o apoio crítico à Presidenta. (…) Aos meus companheiros de partido, peço compreensão e desculpas pelos ruídos que essa campanha possa ter causado”, disse Jean Wyllys, também em sua página no Facebook.
————

A verdade venceu a mentira

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

De que adiantaram as SUV’s desfilando com adesivos de Aécio enquanto os eleitores deste depredavam carros com adesivos de Dilma?

De que adiantou os eleitores de Aécio agredirem um cadeirante ou insultarem cidadãos que ousavam mostrar opinião diferente?

De que adiantou a Veja inventar e espalhar uma calúnia e debochar da Justiça quando esta puniu seu crime eleitoral?

De que adiantou “o mercado” derrubar suas cotações para chantagear o povo, julgando-o besta?

De que adiantaram anos de terrorismo econômico da mídia, alardeando desgraças como desemprego ou racionamento de energia?

De que adiantaram as demonstrações de arrogância dessa elite decadente que se horroriza ao ver gente humilde comprando na mesma loja ou voando no mesmo avião?

De que adianta tentar enganar um povo que, após 12 anos de inclusão social, tornou-se muito mais esperto e não se deixa mais enganar?

Na democracia, o princípio mais elementar é o de que o voto do banqueiro vale o mesmo que o do faxineiro do banco.

Essa gente perdeu as quatro últimas eleições presidenciais por uma única razão: não entende o princípio democrático basilar: um homem, um voto.

Hoje, o povo brasileiro demonstrou maturidade. Não se deixou abalar. A maioria permaneceu silenciosa, só vendo a direita exibir sua bocarra arreganhada, suas garras fétidas.

O Brasil venceu. E os eleitores de Aécio Neves, também. Foram salvos de muito sofrimento, anda que não saibam.

Por isso, entoem comigo:

Viva o PT!

Viva Lula!

Viva Dilma!

Viva a Democracia!

Viva o povo Brasileiro!

19 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    O Megadoleiro apresentou as provas contra os delatados. A Revista Veja estava certa.
    , por isso a metade do Brasil rejeitou a corja petista.

    • - Responder

      E mais da metade rejeitou o tucaninho canalha e seus apoiadores, Bolsonaro, Ronaldão, Marinalha, pastor e homofóbicos e os covardes anônimos!

  2. - Responder

    A esquerda festiva pode comemorar,lutaram para que ELES continuem a promover toda sorte de falcatruas e benefícios indevidos,por mais 4 anos,a oposição,metade do País ,agora aguarda o naufrágio moral e econômico anunciado!

  3. - Responder

    Diante da crise visualizada pelos tucanos, tenho duas sugestões: 1) tributação sobre a choradeira dos derrotados na eleição e 2) que fossem chorar na Cantareira.

    • - Responder

      Boa, Sr. filopetralha, essa eu tenho que admitir que eu gostei.

  4. - Responder

    Aos reaças de plantão, resta a choradeira. Aos trabalhadores conscientes a comemoração da vitória. Porém, fiquem atentos, pois, a direita está revoltada, achavam que iriam ganhar as eleições. E ela é acostumada a golpes sujos e rasteiros. Parabéns ao povo brasileiro!

  5. - Responder

    Que tristeza a dor da derrota dos anônimos defensores da tucanalha que sonhou com uma vitória que o povo lhes negou. Poaretos …

    • - Responder

      Eleitor do PT é como CORNO apaixonado:você mostra fotos,mostra o cara com quem a mulher dele está traindo,a sua casa,exibe gravações,desenha,traz inúmeras testemunhas que confirmam a traição com o cara,mas não adianta .Ele acha que vce está mentindo,se volta contra vce,te xinga,diz que vce é que não presta,continua com a mulher e ainda a exibe orgulhoso.AZAR DE VOCÊS!

  6. - Responder

    Metade do Brasil rejeitou o governo petralha ; a democracia tem que ser respeitada , mas lembrem-se corruptos e defensores de coruptos ; APENAS 3 milhões de votos separam a vitoria petralha da derrota , isso foi um recado que espero que voces entendam.

    • - Responder

      Só falta você falar em “empate técnico”….
      Três milhões e meio a mais, mesmo com a tentativa de violar a vontade do povo com coisas como a capa da veja e a “repercussão” na Globo e a pressão do capitalismo na Bolsa de Valores…
      Mesmo com todo o ódio destilado, o povo rejeito o tucaninho playboy, farsante…

  7. - Responder

    Chorem a vontade seus”coxinhas” porque o pranto é livre!!!Buá,buá,buá……

    • - Responder

      Entao vamos chorar pelo Brasil!

      Então vamos chorar pela Petrobrás!

    • - Responder

      Ninguem tá chorando sua bobalhona ,a maioria de nós, que votamos no Aécio, somos ricos e independentes,e não defendemos boquinhas .Torcíamos a favor do Brasil,contra a roubalheira.Quem vota em ladrão não é só desinformado, É LADRÃO também!OLHE A VOTAÇÃO de DILLULA em SP o estado mais populoso e alfabetizado do Brasil.Ah! O seu PT perdeu no seu berço:Santo André,São Bernardo,São Caetano,Diadema ,etc.

  8. - Responder

    DEFENSOR DE CORRUPTOS!

    • - Responder

      ADEMAR,ELEITOR JURAMENTADO DE CORRUPTOS!

  9. - Responder

    Osmir:
    Não adianta ficar achincalhando os vencedores. Tome uma cibalena e cura TUA DOR DE CORNO!
    é notório que os anônimos, que sabem a mulher ( a a mãe) que tem, nem colocam os nomes para não se submeterem às gozações.

    São Paulo alfabetizado? Politicamente é que não!
    Elegem Maluf desde a pré-história, mesmo com todas as denúncias;
    Elegem Tiririca que dispensa apresentação;
    Elegeram Enêas (1,5 milhão de votos) só com seu grito “meu nome é Eneas”!
    E elegeram (para quem que relembrar a história), em 1985, o bêbado do Jânio Quadros para prefeito de São Paulo, derrotando o então ilustre professor Fernando Henrique Cardoso…
    Essa gente sabe votar?
    Um criminoso anônimo, me acusar de votar em corruptos, merece alguma credibilidade?

    • - Responder

      Dilma era presidente do conselho de administração da Petrobras quando foi comprada com superfaturamentocomprovado a refinaria de Pasedena nos USA.Ela sabia e aprovou, é corrupta.Maluf recebeu atestado de boa conduta em São Paulo quando coligou convidado que foi, com o PT de Hadad e LULA,para o governo e a eleição da capital,lembra?Portanto,pare de lero-lero,votou sim em corrupta,portanto É CORRUPTO,senão por atos mas por idéias.E não venha com baixarias típicas de quem é pego com a boca na botija.Já sabemos com quem vce comunga!E SP é politizada sim ,pois tem melhores condições de vida e educação que qualquer Estado do Brasil.Comete erros lógico:Enéas,Malouf,Pita,Hadad, pois lá como cá também tem BURROS TEIMOSOS!

  10. - Responder

    Eu acho que a pessoa que aqui tece comentários filopetralhas usando o pseudônimo “Ademar Adams” tem razão em reclamar dos anônimos, e para dar exemplo, deveria usar o próprio seu nome, seja lá qual for, e não essa paródia com a “Família Adams”.

    Com um nome estranho assim, se correspondesse a uma pessoa de fato existente no mundo fenomênico, alguém já teria ouvido falar dele.

    Como ninguém o conhece ou nunca ouvir falar dele, é lógico que ele não existe, é um pseudônimo.

  11. - Responder

    Tem uns “cu de rolas” do perdedor do Aécio aqui, que diz que tem dinheiro, que é rico e tal, mas e um puto dum covarde vive xingando os outros, mas se esconde atrás de um pc.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

13 − 2 =