“Eleição paralela” deve garantir voto a juízes no TJ

Adriana Coningham, Mari Rosi Borba e José Arimatéa Neves estão entre os juízes que se mobilizam para tentar ampliar a representatividade da escolha do novo presidente do Tribunal de Justiça. Na prática, eles se lançam em um ato de resistência, para manter erguida a bandeira das Diretas Já, que garanta a participação do conjunto da magistratura na escolha de seus dirigentes

Adriana Coningham, Mari Rosi Borba e José Arimatéa Neves estão entre os juízes que se mobilizam para tentar ampliar a representatividade da escolha do novo presidente do Tribunal de Justiça. Na prática, eles se lançam em um ato de resistência, para manter erguida a bandeira das Diretas Já, que garanta a participação do conjunto da magistratura na escolha de seus dirigentes

JUDICIÁRIO / MAIS LEGITIMIDADE

Magistrados se unem em prol de eleições informais no TJ

Grupo defende que a Amam organize um pleito paralelo
Antonielle Costa
MATO GROSSO NOTÍCIAS

 

Um grupo de magistrados está se mobilizando em prol da defesa de eleições “informais” no Poder Judiciário.

Eles defendem que todos os magistrados da ativa votem em uma eleição paralela para os cargos de presidente e corregedor-geral do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Defendem o pleito “simulado” o desembargador Rubens de Oliveira e os juízes: José Arimatéa Neves (candidato a presidente da Associação de Magistrados Mato-grossense), Yale Sabo Mendes, Maria Rosi de Meira Borba, Ana Cristina Mendes, Adriana Coningham e Suzana Guimarães.

O grupo irá entregar um pedido formal ao presidente da Amam, Carlos Alberto Rocha, para que a entidade organize o pleito. No entanto, eles defendem que a ação seja coordenada pelo 2º vice presidente, já que Carlos Alberto disputa uma vaga no TJ e o 1º vice presidente disputa uma vaga na Amam.

As eleições para a escolha da nova diretoria do TJ estão marcadas para o próximo dia 16. Disputam a presidência os desembargadores Paulo da Cunha, Sebastião de Moraes e Carlos Alberto da Rocha. Já a vaga de corregedor é disputada pelos desembargadores Maria Erotides e Rui Ramos.

Sendo assim, o grupo defende que as eleições informais sejam realizadas dias antes, pela internet ou intranet, com a participação de todos os magistrados.

Caso o escolhido seja o mesmo eleito pelo colegiado irá dará mais legitimidade, já que terá o apoio maciço da magistratura.

Vale lembrar que o Colégio Eleitoral é formado pelos magistrados da ativa, sendo 228 juízes de 1º grau e 30 desembargadores.

Eleições diretas

A ideia é comungada pelo atual presidente da Amam, Carlos Alberto, já que este apresentou um projeto defendendo a mudança no Regimento Interno do TJ e dispondo que todos os juízes poderiam votar e ser votados nas eleições para a escolha da diretoria do tribunal.

No entanto, a proposta não foi aprovada pelo Pleno, que n o último dia 18, decidiu que somente os desembargadores podem votar e ser votados.

Precedentes

Uma eleição nesses moldes já foi realizada no Ministério Público Estadual anos atrás e hoje também se realiza no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.87.159.130 - Responder

    Esse exercício de democracia interna seria salutar para toda a Instituição Poder Judiciário, até porque em todas as esferas sócio-políticas deste País se pratica a democracia plena, menos no Judiciário que segue na contra-mão da História. Óbserve-se que até os alunos de Escolas Públicas são chamados a escolher os Diretores das Escolas, mas aos Juízes não é dado participar da escolha de seu Presidente.

  2. - IP 201.86.177.113 - Responder

    Interessantíssimo o empenho dos juízes justamente quando o presidente da AMAM está concorrendo!

    • - IP 201.86.177.113 - Responder

      correção: empenho de ALGUNS juízes!

  3. - IP 189.87.159.130 - Responder

    a pretensão, com todo respeito, é um desrespeito a instituiçao do Poder Judiciário Estadual. Em relaçao a possiveis resultados diferentes entre os eleitos no TJ e a pretensão dos Juízes é um risco que pode ser evitado. Afinal, eleiçoes com todos os desembargadores já é uma excessão a regra e contestado por muitos, o que dizer do pretendido

    • - IP 177.41.84.225 - Responder

      Deveriam se empenhar em melhores condições de trabalho, produtividade, ou seja, em ações que trariam algum benefício para a categoria e para a sociedade! Porque será que se empenham tanto justo quando o presidente da instituição é um dos candidatos? Será que precisa mesmo uma eleição interna para saber que o presidente da amam será o mais votado? O que alguns fazem por poder, é realmente impressionante!

  4. - IP 187.55.153.163 - Responder

    A MÁFIA VAI GASTAR MAIS PARA ELEGER OS SEUS CAPACHOS…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

14 − 1 =