gonçalves cordeiro

Conflitos cercam as fazendas de Antonio Joaquim

Durante coletiva nesta terça, o médico Alonso Alves Filho chorou ao relatar as violências que sua familia e notadamente seu velho pai, de 81 anos, estaria sofrendo por parte do conselheiro do TCE Antonio Joaquim

Médico acusa conselheiro do TCE de utilizar cargo para obter vantagens  

Patrícia Sanches RD NEWS

O médico Alonso Alves Filho acusou o conselheiro do TCE Antonio Joaquim de utilizar estratégias ardilosas e desumanas para desvalorizar as terras de seu pai Alonso Alves Pereira (81 anos) e comprá-las por um preço abaixo do estabelecido pelo mercado. O médico, que chorou durante coletiva nesta terça (5), reclama ainda do fato do conselheiro conseguir, de forma célere, uma série de liminares, valendo-se da sua influência. “Nunca imaginei que um vizinho poderoso poderia tomar a sua casa. Mexer com gente que tem poder é complicado”, afirmou.

Apesar disso, Alonso não aponta má fé por parte do Judiciário. Acredita que os juízes e o desembargador Dirceu dos Santos, da 5ª Câmara, que concedeu a última liminar, foram induzidos ao erro. “Ele (Antonio) mente”, constatou.      Conforme Alonso, Antônio Joaquim já comprou todas as fazendas da redondeza, construindo um império às margens da Serra das Araras, em Nossa Senhora do Livramento, proximidades de Cáceres. As aquisições, que deram origem ao Rancho T, tiveram início há 10 anos e, agora, sobraram apenas pequenas propriedades e a Fazenda Bocaína (1.700 hectares), de propriedade da família do médico.

O imbróglio entre a família do médico e o conselheiro teve início em outubro do ano passado, quando Antonio Joaquim conseguiu uma liminar junta a 2ª Vara Civel de Várzea Grande, o autorizando a circular por uma estrada que corta a Fazenda Bocaina, sob justificativa de que ela dá acesso a uma de suas propriedades.

À época on despacho foi dado pelo juiz Marcos Siqueira. De lá, para cá, o que se viu foi uma queda-de-braço na Justiça.

Ocorre que, de posse das liminares, o conselheiro teria determinado que funcionários entrassem fazenda adentro, colocando os canos necessários para retirar a água do córrego situado na fazenda Bocaina. Logo em seguida, o advogado de Alonso, Saulo Gahyva impetrou um recurso denominado interdito proibitório, solicitando a interrupção das obras, que foi acolhido. O conselheiro, no entanto, reverteu em fevereiro, após decisão

O caso veio parar no Tribunal de Justiça quando a família do médico obteve vitória em decisão de Dirceu dos Santos que, após novo pedido de Antonio Joaquim, reformou. O conselheiro teria alegado que não está construindo nada, apenas substituindo canos já existentes. A decisão foi cumprida com ajuda de policiais. Agora, Alonso aguarda apreciação de novos recursos na 2ª instância.

Alonso argumenta ainda que Antonio Joaquim não necessita da água do córrego, situado na fazenda do seu pai, tendo em vista que possui 4 represas em suas propriedades, além de uma pista de pouso. O médico também reclama que a manobra vai secar o riacho, inviabilizando a sua fazenda e demais pequenas propriedades. “Não há argumento contra o interesse coletivo”, disse.

Segundo Alonso, o conselheiro nunca apareceu, mas manda intermediários, que fazem pressão psicológica. Cita como exemplo funcionário que responde pela apelido deMicão. “Antônio Joaquim é um ente oculto, as pessoas falam em nome dele”. Por fim, Alonso alega que sua família quer apenas continuar na propriedade.

Outro lado      O conselheiro Antonio Joaquim concede coletiva hoje, às 11h. O objetivo é comentar o assunto e rebater as acusações.

———————

Médico acusa conselheiro de “intimidação” por terra

Alonso Alves Filho diz que Antônio Joaquim está “levando seu pai à morte”

LAÍSE LUCATELLI

DO MIDIA NEWS

O médico otorrino Alonso Alves Filho acusou o conselheiro Antônio Joaquim, do Tribunal de Contas do Estado (TCE), de intimidar seu pai, um senhor de 81 anos, com o objetivo de comprar suas terras. Por meio de liminares, o médico diz que o conselheiro conseguiu o direito de usar a fazenda como passagem, por onde circula um empregado armado, e de retirar água do córrego que corta a propriedade.

“Como meu pai não quer vender as terras, o conselheiro o está acuando para forçá-lo. É a única explicação que eu encontro para o que ele está fazendo”  A área em questão chama-se Fazenda Bocaina, com 1700 hectares de área, no município de Nossa Senhora do Livramento e, segundo Alonso, é contornada por terras que pertencem ao conselheiro. Na fazenda residem, há mais de 20 anos, o pai do médico, Alonso Alves Pereira, e a mãe, Laura Soares Pereira, de 70 anos.

“Primeiro o Antônio Joaquim comprou uma fazenda na frente da fazenda do meu pai, depois outra ao lado, depois outra nos fundos. E como meu pai não quer vender as terras, o conselheiro o está acuando para forçá-lo a vender. É a única explicação que eu encontro para o que ele está fazendo”, disse Alonso.

De acordo com o médico, os problemas começaram em outubro do ano passado, quando Antônio Joaquim obteve uma liminar na segunda vara cível de Várzea Grande, expedida pelo juiz Marcos Siqueira, que lhe deu o direito de usar a estrada que corta as terras de Pereira.

Com isso, um de seus empregados, conhecido como “Micão”, passou a circular pela Fazenda Bocaina, portando uma arma.

“Micão anda sempre armado, inclusive dentro das terras do meu pai. Todo mundo na região tem medo dele”, afirmou o médico. “O Antônio Joaquim está levando meu pai à morte, porque ele é um idoso. Ele está acuado, fica nervoso e vive sendo internado”, desabafou.

Briga por água

Em janeiro deste ano, segundo o médico, o idoso foi surpreendido com tratores que estavam escavando sua propriedade, para trocar o encanamento que abastecia a fazenda com água retirada de um córrego.

O advogado do fazendeiro, Saulo Gahyva, relatou que no mesmo dia entrou com um recurso chamado interdito proibitório, e conseguiu uma liminar, expedida pela juíza Anglizey de Oliveira, impedindo que as obras continuassem.

De lá para cá, seguiu uma verdadeira guerra de liminares, que proibiram e autorizaram a instalação do encanamento por diversas vezes. Atualmente, as obras estão autorizadas e, na última sexta-feira (1º), os peões do conselheiro chegaram à Fazenda Bocaina com força policial para dar andamento à instalação.

De acordo com o advogado, a defesa de Antônio Joaquim está induzindo a Justiça ao erro, pois estaria mentindo no processo.

De acordo com o médico, o córrego da Fazenda é muito pequeno, e partes do seu leito chegam a secar durante a seca. “Se ele continuar tirando água do riozinho, ele vai secar de vez. Aquele córrego é vital para a propriedade do meu pai e de dezenas de pequenos proprietários da região. Se ele secar, as terras serão desvalorizadas”, disse Alonso.

“Terapia”

Ele ainda acusou o conselheiro de desmatar as nascentes que alimentam o córrego e, com isso, diminuir a vazão de água.

“O Antônio Joaquim não precisa de nada disso, pois as terras dele contornam a do meu pai, então ele pode entrar por onde ele quiser, e não precisa passar pela fazenda do meu pai” “O Antônio Joaquim não precisa de nada disso, pois as terras dele contornam a do meu pai, então ele pode entrar por onde ele quiser, e não precisa passar pela fazenda do meu pai. Ele também possui quatro represas nas terras dele, então tem água em abundância, e não precisa pegar água da terra do meu pai. Além disso, ele tem dinheiro, tem até pista de avião na fazenda, então ele pode instalar motores”, pontuou o médico.

Ele reclamou, ainda, que tenta falar com o conselheiro há meses, mas nunca é recebido. “O conselheiro tem muito dinheiro, é um homem de sucesso, e pode viver bem sem prejudicar os outros. Eu não sei o que ele precisa… Talvez de terapia”, completou.

——————

OUTRO LADO

 

Conselheiro chama médico de tolo, maluco e denuncia ameaça de morte

Patrícia Sanches RD NEWS

 

Conselheiro Antonio Joaquim rebate acusações do médico

O ex-presidente do TCE e conselheiro Antonio Joaquim classificou como “maluco e tolo” o médico Alonso Alves Filho, que o acusou de utilizar estratégias ardilosas e desumanas para desvalorizar as terras de seu pai Alonso Alves Pereira (81 anos) com objetivo de comprá-las por um preço mais barato. O conselheiro afirmou se sentir constrangido ao ser obrigado a responder a uma vilania. “Sendo arrastado criminosamente para um debate público com um maluco”, declarou.

 

O conselheiro sustentou que o médico, inconformado com as derrotas na Justiça, chegou a dizer que contrataria capangas para matá-lo. “Disse tudo isso na frente do oficial de Justiça, que cumpria a decisão. Registrei Boletim de Ocorrência em Várzea Grande e o estou acionando na Justiça”. afirmou. Antonio Joaquim ponderou também que já ingressou com ações por danos morais e materiais.

 

As afirmações foram feitas  hoje (5), em entrevista coletiva, horas após o médico acusá-lo de utilizar a sua influência para induzir a Justiça ao erro. O membro do TCE – munido de um calhamaço de decisões e fotos – contrapôs Alonso, o acusando de mentir para a Justiça, tendo sido condenado, inclusive, pela juíza da 2ª Vara Cível Ester Belém e multado em R$ 5 mil. “O requerido age de má fé e vem descumprindo ordem judicial”, aponta a magistrada.

 

Ocorre que o médico teria alegado que houve invasão das suas terras para a implantação de canos para retirar a água de sua propriedade e levar para a do membro do TCE, prejudicando pequenos produtores da região.  “Mentira, eu pego água de dentro da minha propriedade que, aliás, ele (Alonso) utilizou por 12 anos, para levá-la para outra área de minha propriedade”, rebateu.

 

Antonio Joaquim ressalta também que as fotos anexadas aos autos comprovam que os “tubos”, em verdade, passam pela estrada que corta as propriedades. Assim, portanto, não haveria impedimento legal para a execução das obras. “Determinou que o gerente dele passasse o trator, de forma violenta e irada, retirando os canos que haviam sido colocados”, reclama o conselheiro, numa referência ao fato do fazendeiro ter retirado os canos, em meio ao embate jurídico.

 

Sobre a suposta manobra para desvalorizar as terras e depois comparar por um preço mais barato, Antonio Joaquim reconheceu que tentou comprar a propriedade por duas vezes (2006 e 2012), mas que o negócio não prosperou devido ao fato do fazendeiro ter “superfaturado” em 2 vezes o valor do hectare das terras, cobrando R$ 4 mil, quando o preço de mercado era R$ 2 mil. Depois, na segunda conversa, pediu R$ 10 milhões.  “Acabei comprando a fazenda do vizinho”. As áreas do conselheiro, somadas, são o equivalente a 3,4 mil hectares, enquanto que a do médico 1,7 mil hectares.

Imbróglio

O imbróglio entre a família do médico e o conselheiro teve início em outubro do ano passado, quando Antonio Joaquim conseguiu uma liminar junta a 2ª Vara Civel de Várzea Grande, o autorizando a circular por uma estrada que corta a Fazenda Bocaina, sob justificativa de que ela dá acesso a uma de suas propriedades.

A medida, segundo Antônio Joaquim, teve que ser tomada porque o pai do médico colocou um cadeado no local, impedindo a passagem dos demais pela estrada que existe há mais de 40 anos no entroncamento das propriedades dos dois (Rancho T e Bocaina), às margens da Serra das Araras, em Nossa Senhora do Livramento, proximidades de Cáceres.

Agora, o caso está no Tribunal de Justiça. Antônio Joaquim conseguiu decisão favorável do desembargador Dirceu dos Santos, o que causou nova briga entre os dois. Conforme o conselheiro, ele tentou agredir o oficial de Justiça por 3 vezes, por isso, a policia foi chamada para cumprir a determinação. “É tonto ou se faz de tonto. Ele confunde policiais do Estado com pistoleiros”, enfatizou, numa referência as acusações de suposta coação feita por Alonso.

13 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Para se fazer um comentário sobre o fato, há de se ouvir o conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso, Antonio Joaquim. Agora, quem tem poder no Estado, exerce sim uma certa influência positiva no judiciário, tanto no prazo das ações, como em serem favoráveis, isso não é novidade para ninguém… como diz meu avô, lá na roça, onde há fumaça, há fogo…há de se investigar a conduta do referido conselheiro do TC/MT

  2. - Responder

    O médico denunciou que o Conselheiro Antonio Joaquim comprou diversas fazendas na região. Considerando a valorização alcançadas pelas terras nos últimos dez (10) anos neste Estado, bem como os rendimentos desse servidor público, deve o glorioso Ministério Público Estadual pormover investigação visando apurar a origem dos recursos utilizados.

  3. - Responder

    Não aguenta 24 horas de investigação da Receita Federal e do Serviço de Inteligência do S.T.J.

  4. - Responder

    Vai alugar o ouvido de outros Sr. Concelheiro. Todos aqui na região já sabem e são testemunhas do que tá acontecendo com o Sr. Pereira. Mude-se, vá para outra região. Deixe-nos em PAZ.

  5. - Responder

    concordo com um dos comentários acima . Comprando fazendas na casa dos milhoes ???? Como esse homem consegue tanto dinheiro assim ??? Conferindo contas das Prefeituras??? Negociando???
    Ora se esse asqueroso TJ-MT quisesse já tinha um onte de indicios para encaminhar esse assunto para o CNJ.

  6. - Responder

    Êeste Brasil é uma brincadeira. O homem compra fazendas na casa dos milhões e como no velho Oeste americano e fica depois pertubando os antigos do lugar. E consegue liminares a seu favor e a ajuda da polícia. Tudo isso conferindo contas públicas. Milagre? Sei não! Cadê o CNJ? Vai conselheiro Antonio Joaquim. Deixa o homem terminar os seus dias na terra onde morou grande parte de sua vida. Com os diabos! Sinceraamente, Não sei de onde o conselheiro Joaquim conseguiu tanto dinheiro assim. Ora pitombas. Afinal, isto está acontecendo em Mato Grosso, como acontece naturalmente em todo o Brasil.

  7. - Responder

    E a cara de arrogância de Antônio Joaquim,dando pitacos sobre desvios de conduta,atraso nas obras da Copa do Mundo,dando uma de Juiz ou Desembargador sem ter ccompetênia pra isso.Conselheiro é funcionário do Tribunal de Contas do estado,sendo Órgão subordinado a assembléia Legislativa,como auxiliar deste.Não tem Competência e muito menos Jurisdição para decidir sobre obras ou serviços,cabendo o papel Constitucional de órgão de Controle Externo,dando conselhos ou parecer. O nobre Conselheiro querendo intimidar,constranger,o vizinho de 80 anos de idade para comprar mais 1700 hectares,segundo relando do filho do fazendeirio,médico,pessoa idônea.Tá na hora do MST,fazer uma visita na região desses “latifúndios” de origem duvidosa…

  8. - Responder

    Antonio joaquim era pobre e humilde . Hoje é rico e arrogante.Na verdade , o poder não muda as pessoas.Na verdade o poder REVELA a verdadeira personalidade dessas pessoas pobres de espirito!

  9. - Responder

    Esse conselheiro não resiste uma apuração na sua evolução patrimonial da SRF/MF. Com salário do TCE dá para se tornar um latifundiário desse porte??? tem boiada na linha …

  10. - Responder

    Que papelão deste Conselheiro. Não tem escr[upulo. É a ganancia sórdita deste conselheiro “analfabeto”.
    É bom o advogado do velhinho investigar a “parentada” entre Joaquim-Bosaipo e o Juís de VG e o dsembargador. VAI DESCOBRIR COISAS DE ARREEPIAR….

  11. - Responder

    JUIZ E CONSELHEIRO DO TCE EM MT SÃO OS MAIORES FAZENDEIROS DO ESTADO JUNTAMENTE COM OS POLITICOS. TODOS SABEM DISSO. TUDO FUNCIONA DE MANEIRA SIMPLES:
    – A MÁFIA ACEITA OU PROMOVE O INGRESSO DE CERTO VAGABUNDO NO SEIO DA ‘FAMILIA’…
    – DEIXAM QUE USE TODO SEU ‘TALENTO’ PARA ROUBAR O QUANTO PUDER…
    – COM A BURRA CHEIA, AS PEÇAS SE MOVIMENTAM NA ASSEMBLÉIA E NO JUDICIÁRIO…
    – OU OS ‘JUIZES’ E ‘CONSELHEIROS’ RECEBEM SUA PARTE NO ESPÓLIO…
    – OU O VAGABUNDO SE ACHA MAIS ESPERTO E QUER DAR O TOMBO NAS ‘COMISSÕES’ DAS TAIS ”’AUTORIDADES”’…
    – A TAL ‘AUTORIDADE’ COBRA DE UMA FORMA OU DE OUTRA A SUA PARTE…
    MORAL DA HISTÓRIA:
    – É IGUALZINHO O MODUS OPERANTE DA POLICIA COM AS BOCAS DE FUMO…
    – DEIXAM O VAGABUNDO CRESCER, COMPRAR CARROS E MOTOS…OS ‘ÔME’ SÓ MONITORAM DE LONGE…
    – NA HORA CERTA DÃO BOTE…PRENDEM O VAGABUNDO E TOMAM TUDO QUE ELE AMEALHOU…
    – DEPOIS OS ‘JUIZES’ SOLTAM E CONTINUA O CICLO VICIOSO…
    DESSE JEITO! SIMPLES ASSIM…

  12. - Responder

    Oh, vi hoje em minha bola de cristal: O INOCENTE Sr. Pereira vai perder a ação e ainda ser condenado por caluniar e ameaçar ESSA ESDRUXULA FIGURA.

  13. - Responder

    Advogado do Sr. pereira. Faz um levantamento e vê de quem é aquele terrenão lá no corrego 08 de abril no jardim Cuiabá, que esta servindo de abrigo para funcionários da empreiteira. Eu vou contratar esse cara pare ser meu investidor financeiro, pois, ele tem a “mão de Midas”.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

9 − seis =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.