PREFEITURA SANEAMENTO

ELEIÇÃO NO TRIBUNAL: Proposta de Diretas Já, apresentada pelo desembargador Carlos Alberto, será apreciada pelo Pleno do TJ, brevemente. O desembargador Sebastião de Moraes Filho, atual corregedor do Tribunal, já se declara candidato a Presidente e diz contar com forte apoio entre as desembargadoras. Sucessão no TJ promete pegar fogo. VEJA EM VIDEO

Carlos Alberto da Rocha, desembargador e atual presidente da Associação dos Magistrados Mato-grossenses e Sebastião de Moraes Filho, atual corregedor geral de Justiça do TJ-MT

Carlos Alberto da Rocha, desembargador e atual presidente da Associação dos Magistrados Mato-grossenses e Sebastião de Moraes Filho, atual corregedor geral de Justiça do TJ-MT

A campanha para a sucessão do desembargador Orlando Perri, como presidente do Tribunal de Justiça, já está deflagrada.

Numa ponta, o desembargador Carlos Alberto da Rocha, na condição de presidente da Associação Mato-grossense dos Magistrados (Amam), já garantiu a fervura do processo, protocolando na presidência do Tribunal um projeto de resolução que estabelece que a escolha do próximo presidente do Tribunal, do vice e do corregedor geral de Justiça se dará através de Diretas Já, com a participação ampla, geral e irrestrita de desembargadores e juízes das mais diversas comarcas.

Noutra ponta, o desembargador Sebastião de Moraes Filho, durante conversa que manteve com este blogueiro, Enock Cavalcanti, explicitou sua disposição de disputar a sucessão como candidado a presidente.

No vídeo que apresentamos hoje, mostrando um trecho da conversa, em que o desembargador Sebastião de MOrais Filho não só anuncia sua candidatura como garante já ter recebido adesão de “oito a dez desembargadores”, com um detalhe importante:

– Eu sou querido das mulheres. Nesse grupo das mulheres (desembargadoras) eu tenho pelo menos cinco votos hoje – assegurou Sebastião de Moraes Filho, durante a conversa.

A conversa com o atual corregedor geral de Justiça foi longa e, nos próximos dias, estará sendo disponibilizada, na íntegra, para amplo conhecimento dos internautas que prestigiam esta PÁGINA DO E.

O desembargador Sebastião de Moraes falou de sua opção de sua família, de sua criação no bairro do Porto, em Cuiabá, de suas atividades como “garoto simples” pelas ruas da Capital, das razões que fizeram-no opção pela carreira de operador do Direito, de suas atividades como magistrado no interior do Estado, de alguns dos processos administrativos que teve que enfrentar como magistrado no Tribunal de Justiça e dos desafios e alegrias da sua atividade como corregedor de Justiça.

Desembargador Carlos Alberto, da Amam, protocola proposta de DIRETAS JÁ no TJ-MT by Enock Cavalcanti

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.22.175.94 - Responder

    Esse camaradinha ,o presid. da Amam,joga para a platéia dele.Quer ficar bem com os juízes para a próxima eleição da Amam.Simples assim,quem vê, pensa que o que ele sugere esta cheio de fundamentos jurídicos,nada disso, é eleitoreira sua pretensão.E Enock, cai nessa,que furo jornalístico,impressionante!

  2. - IP 187.24.1.159 - Responder

    Tem leitor desse site que acha um absurdo eleição direta no Judiciário. E no MP o que você acha? E na Defensoria? E na OAB? É questão de tempo até tal prerrogativa se tornar regra no Poder Judiciário, já existe uma Emenda a Constituição no Congresso com tal tema. Digo que demorou, como pode o poder que garante as eleições não ser democrático entre seus pares? Parabéns ao Desembargador Carlos. Por último, se isso for campanha a reeleição da AMAM, é em nível nacional, pois todos os presidentes das entidades se mobilizaram nessa causa.

    • - IP 177.132.245.224 - Responder

      Não é absurda, é ilegítima.FOI declarada inconstitucional pelo STF.Porem quem tinha obrigação de saber ,faz esse papel ridículo de propor várias vezes a ilegalidade.Fazer o que?

  3. - IP 201.2.20.59 - Responder

    Essa luta claramente é de ideias, o que o que os defensores da proposta querem fazer é forçar a discussão pela esfera competente, o Congresso Nacional! A grande maioria dos Juristas é contra o poder não regulamentado do MP investigar e ainda assim por competência de seus representantes eles estão investigando sem Lei Federal alguma que autorize. A OAB se movimentou e barrou a derrubada da prova da ordem. A defensoria aprovou a PEC do orçamento.Cada Poder cuida de defender os interesses da categoria, sempre sera assim.

    A PEC em questão é essa:

    http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=445974

  4. - IP 177.193.176.181 - Responder

    não deixa de ser um avanço, mas justo seria se fosse tal qual universidades em que todos os servidores votam diretamente, até pq sabemos que levam as instituições nas costas

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

12 − 4 =