gonçalves cordeiro

EDUARDO PÓVOAS: Foi por ralo a baixo a oportunidade da nossa querida e centenária capital receber o que merecia há muito tempo. E agora, quem vai pagar por isso tudo? Como corrigir erros que nenhum estudante de Engenharia ou de Arquitetura cometeria? Por um pacote de margarina “surrupiado” em um supermercado, muita gente pagou caro. E por um viaduto torto e mal construído vai ficar assim?

Viaduto da Sefaz, em Cuiabá, que apresenta risco de desabar

Viaduto da Sefaz, em Cuiabá, que apresenta risco de desabar

O dromedário e o jegue

Por Eduardo Póvoas

Fui um defensor ferrenho das obras que a nossa capital receberia por ocasião da Copa do Mundo, isto por ter chegado à conclusão de que outra chance dessas jamais teríamos.
Serei sempre um defensor aguerrido de qualquer obra que venha beneficiar e oferecer uma melhor condição de vida ao nosso povo.

Cheguei a escrever que, a quem ama de verdade a cidade verde, pouco importaria os quatros jogos que seriam aqui realizados. Que levassem os jogos para Mato Grosso do Sul, para Goiás, Minas ou pra pqp porém que aqui ficassem as obras prometidas.
Defendi, defendo e defenderei sempre, obras e não porcarias.

Nunca imaginei que tanta imoralidade poderia esta rsendo executada, pois como não sou da área, parecia estar tudo bem. Mesmo assim cheguei a indagar um Engenheiro (sic) durante a construção do viaduto da UFMT que, para mim, mais parecia o dorso de um dromedário. Ele me disse que a obra seria realizada assim para economizar material.
O tal do “viaduto” da SEFAZ, mais parece a ferradura de um jegue do que caminho de automóveis.

Os governos federal e estadual com tantos órgãos de fiscalização, a meu ver, deixaram a coisa “correr frouxa”. Deixaram sim, pois galinheiro sem galo a galinha e os pintinhos deitam e rolam.
Mas são perdoáveis os erros primários cometidos nas obras aqui realizadas, pois parece que essas obras foram realizadas por Dentistas, Médicos e Veterinários, pois Engenheiros e Arquitetos formados jamais se responsabilizariam por tanta porcaria.
Dentista faz ponte em boca, Médico coloca parafuso na perna e Veterinário cuida de animais, e vocês acham que essas três categorias poderiam se responsabilizar por obras que reconhecidamente só deveriam ser executadas por Arquitetos ou Engenheiros? Óbvio que não.
E as empresas que fizeram tudo isso? Ficarão impunes? Nossa grana vai virar pó de traque?

Se este país fosse sério, essas empresas deveriam por força de lei, ficarem impedidas por DEZ (10) anos de realizar qualquer obra pública. E pior, nada acontecerá a elas.

Foi por ralo a baixo a oportunidade da nossa querida e centenária capital receber o que merecia há muito tempo. E agora, quem vai pagar por isso tudo? Como corrigir erros que nenhum estudante de Engenharia ou de Arquitetura cometeria?
Vejam bem, defendi, defendo e sempre defenderei obras que venham beneficiar nossa gente, nunca concordei com porcaria que envergonham e põe em risco a todos.

Por um pacote de margarina “surrupiado” em um supermercado, muita gente pagou caro. E por um viaduto torto e mal construído vai ficar assim?

 

eduardo póvoas
EDUARDO PÓVOAS é cidadão cuiabano, pós-graduado pela UFRJ

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Muito antes da Copa do Mundo, havia pessoas que já criticava a qualidade das obras e os custos desproporcionais aos benefícios. Mas esses críticos eram chamados de pessoas sem espírito cívico.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 × 2 =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.