EDUARDO PÓVOAS e as eleições de antigamente, em Cuiabá. “Quanta saudade desse tempo. Candidato nenhum falava mal ou acusava o outro. O respeito era o mote da campanha” – escreve

Eduardo Póvoas é cidadão cuiabano

Eduardo Póvoas é cidadão cuiabano

As eleições em Cuiabá

Eduardo Póvoas

Como evoluiu a Justiça eleitoral para o bem do povo, da cidade e de seus próprios.

Lembro-me perfeitamente que quando criança disputava os postes e os muros da cidade para colar cartazes daqueles candidatos que apoiávamos.

Esperávamos ficar pronto o “grude” que nossas mães faziam, uma mistura de polvilho com agua quente para sairmos às ruas munidos de uma pequena escada de madeira e literalmente colar os cartazes nos muros e postes da cidade. Retornávamos quase a meia noite com mãos e roupas imundas que se o banho não fosse à beira de um depósito ajudado por uma boa bucha, ainda dormiríamos com restos do grude pelo corpo.

O dia da eleição era dia de festa. Quem tinha, vestia sua melhor roupa, passava um Gumex no cabelo, um Lancaster no rosto e ia pra fila de sua sessão para apanhar a senha. Algumas sessões demoravam tanto que com a senha nas mãos poderíamos voltar para casa, almoçar e aí sim, retornar para o voto.

As urnas, todas de lona se dirigiam para a quadra de esportes do Colégio Estadual de Mato Grosso, onde por longos dez ou quinze dias, sob a escolta dos soldados do Exército Brasileiro, ficariam a disposição da justiça eleitoral.

O juiz dividia a quadra em vários departamentos e cada um apurava os votos das secções, voto por voto marcada a caneta em um papel que deveria ser dobrado em três partes pelo eleitor, antes de deposita-lo na urna.

Ao começar as apurações, as nossas emissoras de radio já instaladas no recinto e os interessados atentos às chamadas de seus brilhantes narradores que abriam as jornadas dizendo mais ou menos assim: ”lápis e papel na mão”. Após narrar os votos dos candidatos encerravam assim : “voto apurado é voto divulgado”.

Em seguida vinham os comentaristas, que nesses dias eram de eleições, mas que poderiam também comentar futebol, boxe (narrando uma luta de El Passo Sobrinho) ou uma tourada no Campo D’Ourique.

A cidade inteira com volumes de seus rádios altos para ver se seu candidato tivera boa votação. Esse volume só seria abafado pelas escolas particulares que existiam aos montes por aqui e que seus alunos decoravam a tabuada assim: 2×1=2 2×2=4 e daí por diante, em alto e bom som!

Quinze ou mais dias após, chegavam ao final às apurações. Os estudantes do Colégio Estadual (inclusive eu) ficavam possessos com a lentidão das apurações, pois a quadra ocupada impediam as nossas “peladas”.

O único que pedia para nunca acabar as apurações era o queridíssimo Sinfrônio, com seu bar em frente à quadra vendendo como nunca o incomparável picolé de groselha e a Brahma de Agudos SP, tida como a melhor do Brasil.

À noite, junto com seu irmão, um no violão e outro no cavaquinho faziam delirar a gurizada que de férias, frequentava seu bar.

A cidade, seus postes e muros estavam em petição de miséria. Levariam meses para que as chuvas, o vento e o sol descolassem os cartazes por nós afixados.

Quanta saudade desse tempo. Candidato nenhum falava mal ou acusava o outro. O respeito era o mote da campanha.

Será que apertando o botão do computador haverá saudosismo ou nostalgia para que os jovens de hoje narrem para seus filhos ou netos algo parecido no futuro?

Desculpem, esqueci. Haverá sim. Dirão que fulano era ladrão e foi eleito e que sicrano, passou a perna em um correligionário,ou coisa parecida, o que de nada fará lembrar uma eleição limpa e honesta.

EDUARDO PÓVOAS-PÓS GRADUADO PELA UFRJ

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Em primeiro lugar nao sei que tempo foi esse. Se nao falava mal, em compensaçao a fraude nas eleiçoes e os golpes mediante violencia armada são fartamente registrados na bibliografia que narra a historia matogrossense. Desde os irmaos murtinhos, generoso ponce e toto paes, ate episodios mais recentes como do saudoso QUintela. Em segundo lugar, uma eleiçao de compadrio, sem confronto, sobretudo do ponto de vsita ético, nao pode ser tida por virtuosa, vez desprovida de dialetica e da luz do sol.

  2. - Responder

    O texto de Eduardo Póvoas deve ser classificado como ficção, uma tentativa de romancear uma história política perversa e corrupta, dos currais eleitorais e do voto de cabresto. A saudade revela a posição de Eduardo nessa desordem moral, com suas benesses e proveitos pessoais. É um passado que não pode e não deve voltar porque a vida em sociedade deve buscar o aperfeiçoamento, com a prevalência da Justiça Social e os valores fundamentais das democracias. Lamento, Eduardo, mas algumas coisas não voltam nunca mais… para a felicidade da maioria… e a realização dos valores maiores da sociedade…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

14 − 2 =