EDUARDO GOMES – Pedro Nadaf é duplamente ficha suja

A informação ganhou destaque na última edição da revista MTAqui, do jornalista Eduardo Gomes. Sabendo-se que a lei estadual da Ficha Suja impediu Eliene Lima de voltar a assumir a Secretaria de Ciencia e Tecnologia, o que acontecerá com  Pedro Nadaf? Confira o que publicou Eduardo Gomes. (EC)

A lei que proíbe ficha suja no secretariado em Mato Grosso é de autoria do deputado tucano Guilherme Maluf e não tem efeito retroativo

EDUARDO GOMES
MT AQUI

http://www.mtaquionline.com.br/edicao/12/

Nadaf é secretário do governo de Mato Grosso e foi duas vezes condenado pelo TCU – Acórdão 2501/2007 (trânsito em julgado em 4 de outubro de 2009) e Acórdão 2573/2007 (trânsito em julgado em 23 de fevereiro de 2010), por irregularidades em prestações de contas do Senac de Mato Grosso, do qual é dirigente há longa data.

Pedro Nadaf, secretário de Estado, é ficha suja e, nesta condição, poderá deixar o governo de Mato Grosso. Nadaf integra a lista nacional com 6.829 nomes de políticos e sindicalistas inelegíveis, que o Tribunal de Contas da União (TCU) entregou no dia 19 ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como parte do rito para as eleições municipais de outubro.
Nadaf é secretário de Indústria, Comércio, Minas e Energia do governo de Mato Grosso e foi duas vezes condenado pelo TCU – Acórdão 2501/2007 (trânsito em julgado em 4 de outubro de 2009) e Acórdão 2573/2007 (trânsito em julgado em 23 de fevereiro de 2010), por irregularidades apuradas em prestações de contas do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) de Mato Grosso, do qual Nadaf é dirigente há longa data. Pela mesma razão, o pai do secretário, Jamil Boutros Nadaf (já falecido), também foi condenado.
No plano eleitoral, condenação pelo TCU cria a figura da inelegibilidade. No âmbito da administração estadual em Mato Grosso a Lei 9.644, de 17 de novembro de 2011, proíbe nomeação de secretário de Estado que tenha sofrido condenação colegiada com trânsito em julgado pela prática de alguns crimes, como aqueles contra o patrimônio público, pelo período de cinco anos a partir da decisão condenatória. O Senac recebe recursos públicos.
A lei que proíbe ficha suja no secretariado em Mato Grosso é de autoria do deputado tucano Guilherme Maluf e não tem efeito retroativo, o que legalmente blinda o ficha suja Nadaf. Porém, caso sua presença seja mantida no secretariado, causará constrangimento ao governador Silval Barbosa e poderá passar imagem negativa de Mato Grosso no cenário nacional.
Secretário remanescente do governo anterior, de Blairo Maggi, Nadaf exerceu a função que ainda ocupa, durante os sete anos em que Blairo governou Mato Grosso. Recentemente o nome de Nadaf foi ventilado para assumir a Secretaria da Copa do Pantanal (Secopa) ou a Casa Civil, como parte de uma suposta reforma do secretariado, o que acabou não acontecendo. Se este remanejamento tivesse acontecido, Nadaf teria que ser exonerado por Silval, porque nesse caso não haveria a seu favor a questão cronológica e ele cairia por força dos dois acórdãos com trânsito em julgado do TCU.

SILVAL – No dia 21, o governador Silval Barbosa e Nadaf embarcaram para a China em viagem oficial, mas desde a véspera ambos estavam fora de Mato Grosso com seus telefones celulares desligados.
O regresso do governador e de Nadaf estava previsto para o dia 29, mas antes do desembarque em Cuiabá haveria escala em São Paulo.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quinze − treze =