EDINA ARAÚJO: Otaviano Pivetta pode estar colocando a “carroça na frente dos bois” ao afirmar que equipe de transição aponta a redução ou junção de secretarias como solução para a economia. Não basta cortar e juntar secretarias, é preciso muito mais do que isso. É preciso ter coragem e por fim a corrupção. Punir os corruptos que se servem do governo para se beneficiar do dinheiro público. Quantas empresas prestadoras de serviços apenas “servem” aos deputados, tanto estadual quanto federal?

Proposta da equipe de transição, comandada por Pivetta, continua recebendo críticas que vão emparedendo o novo governador Pedro Taques antes mesmo dele assumir o comando do Governo do Estado

Proposta da equipe de transição, comandada por Pivetta, continua recebendo críticas que vão emparedendo o novo governador Pedro Taques antes mesmo dele assumir o comando do Governo do Estado

Cortar ou juntar secretarias não é garantia de economia
por Edina Araújo

O coordenador-geral da equipe de transição do governador eleito, Pedro Taques, prefeito licenciado de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), pode estar colocando a “carroça na frente dos bois” ao afirmar que estudo realizado pela equipe de transição aponta a redução ou junção de secretarias como solução para a economia.
Primeiro, as equipes de transição mal começaram os levantamentos para de repente conhecerem a fundo a realidade do Estado. Algumas equipes, a exemplo da segurança pública, realizaram apenas uma reunião, e um questionário foi entregue para levantar dados. A equipe de transição vai fazer o trabalho dela, ciente de que as informações prestadas pelo atual governo podem não ser 100% confiáveis.
Segundo, não houve tempo hábil para estudo detalhado e um diagnóstico preciso. Não dá para promover mudanças com base no “achismo”, sem planejamento e um estudo sério e com responsabilidade. Basta lembrar os núcleos sistêmicos criados no governo Blairo Maggi, pelo então secretário de Administração Geraldo De Vitto, que emperrou a administração de diversas pastas importantes, como saúde e segurança, e não houve a economia propalada. Aliás, não foi feito e nem tampouco divulgado o resultado deste “invento de De Vitto”. Quando criou os núcleos sistêmicos não se levou em consideração a especificidade de cada pasta e acabou causando grandes transtornos para muitas delas. É possível que a tragédia se repita.
É imprescindível enxugar a máquina. Isto é ponto pacífico. Imperioso reduzir custos para que os serviços essenciais cheguem aos cidadãos que pagam seus impostos a duras penas. Será que apenas diminuindo secretarias e fazendo fusões trarão a economia necessária? Será que com a diminuição de pastas, a corrupção vai acabar? Será que as licitações suspeitas e compras desmedidas irão cessar? Será que o estudo que Pivetta afirma ter, já conseguiu apontar onde estão os grandes gargalos do governo? Quantas empresas prestadoras de serviços apenas “servem” aos deputados, tanto estadual quanto federal? Ora, as respostas a estas indagações são extremamente relevantes e a sociedade precisa saber. Não basta cortar e juntar secretarias, é preciso muito mais do que isso. É preciso ter coragem e por fim a corrupção. Punir os corruptos que se servem do governo para se beneficiar do dinheiro público.
A população mato-grossense quer saúde, educação, segurança e infraestrutura. Quer que os impostos pagos ao governo sejam revertidos em serviços de qualidade. Quer o fim do cabide de emprego, quer ter seus direitos respeitados. Quer um governo sério, honesto e competente.
A sociedade quer experimentar esta administração que Pedro Taques prometeu durante a campanha, de um governo austero e comprometido com a transparência. A sociedade anseia por um governo firme e que administre ouvindo os clamores de seu povo, sem outorgar super poderes a um homem apenas. Este é o governo que a sociedade espera do futuro governador de Mato Grosso, Pedro Taques!

edna

*Edina Araújo é jornalista e diretora do site VG Notícias.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.253.183.110 - Responder

    “Reduzir custos e enxugar a máquina…” De tanto ouvir isso na grande imprensa, Edina decorou a velha e surrada cartilha neoliberal. Enxugar a máquina onde? Reduzir custos de que modo? Ora, é preciso um mínimo de seriedade. Edina apoiou Murilo Domingos e depois Tião da Zaeli. Também apoiou Blairo Maggi, Pagot e agora Pedro Taques, além de estrategicamente colocar seu sítio de notícias à disposição de Taborelli. Édina nunca indagou acerca das condenações de Taborelli por desvios de valores e outras ilicitudes cometidas quando ainda era dos quadros da ativa da Polícia Militar. E vem com esse discurso de transparência, honestidade e competência? Ademais, os leitores do VGNotícias aguardam esclarecimentos sobre o episódio da prisão da jornalista, ocasião em foi arrastada por policiais diante das câmeras sob a acusão de extorsão. Isso porque o tema principal de artigo é exatamente honestidade e transparência…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um + nove =