ECOS DA DISPUTA NA TELEVISÃO: Os debates consagraram a dupla mais abjeta da TV brasileira: Aécio Neves e Pastor Everaldo. Everaldo, com sua pinta de vendedor de cinto de couro de cobra, sua mania de declarar que inventou o Bolsa Família, a falta completa de ideias e coragem, assumiu nos encontros a função de escada para Aécio, seu novo patrão

Os debates consagraram a dupla mais abjeta da TV brasileira: Aécio e Everaldo

DO DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO 

Captura de Tela 2014-10-03 às 01.49.11

 

 

William Bonner abriu o papel em que estava escrito o tema a ser discutido. “Previdência”, é o que se lia.

O Pastor Everaldo, à frente do palco, convocou Aécio Neves. “Meu querido senador”, ronronou, a voz melíflua. Entrou a falar sobre o PAC. Bonner, como um bedel, pediu que os dois se concentrassem no assunto determinado.

Everaldo deu um sorriso cínico, descarado, sabujo e mandou bala: “O que o senhor tem a me dizer sobre a Previdência no Brasil?”

A dupla mais abjeta da televisão brasileira depois de Danilo Gentili e Roger do Ultraje é formada por Aécio e Everaldo. A sorte é que foi a última vez, na temporada, em que ela aparece. Mas deve ter futuro na política.

Desde os primeiro debate, os dois interpretam um casal 20 de fundo de quintal em que o candidato do PSC se deixa subjugar pelo do PSDB. Se você tem alguma dúvida, é bom que saiba: é tudo combinado.

Everaldo, com sua pinta de vendedor de cinto de couro de cobra, sua mania de declarar que inventou o Bolsa Família, a falta completa de ideias e coragem, assumiu nos encontros a função de escada para o novo patrão.

Era mais ou menos previsível que procurasse algo ou alguém para onde correr. Sua candidatura se transformou num traque. O restolho de voto evangélico que tinha migrou para Marina Silva. Não resistiu a 15 minutos de Jornal Nacional. Silas Malafaia, que o apoiava quando não estava ocupado detonando homossexuais, trocou-o por Marina.

Everaldo chegou a ser saudado como uma “grata surpresa” por Rodrigo Constantino, o que deveria ser interpretado como um sinal. Uma esperança para a direita, no desespero da direita em achar alguém assumidamente de direita. Revelou-se um conservador meia boca de fala mole.

Um nanico entre os nanicos. Luciana Genro e Eduardo Jorge mostraram brilho próprio. Levy Fidelix, em sua imensa, pantagruélica estupidez, acabou ganhando muito mais visibilidade, embora por vias transversas.

O pastor havia terminado um dos debates com uma bênção evangélica. Na Globo, pediu a bênção a seu padrinho Aécio Neves, trocando afagos e beijando a mão do patrãozinho, que olhava o servo com desdém enquanto lhe trepava nas costas para vender seu peixe.

Sobre o Autor

KIKO NOGUEIRA  é diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.

————-

BASTIDORES DO DEBATE

 

FHC de helicóptero, Eduardo Jorge de mochila, Levy suado: os bastidores do debate na Globo

DO DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO
debate2

 

O DCM acompanhou o último debate do primeiro turno das eleições de 2014 para presidente da República. Fizemos nosso blog ao vivo, contando os principais lances. Além do que você viu na televisão, houve cenas que presenciei e conto aqui.

Chegamos às 17h40 à central de produção da TV Globo em Jacarepaguá, zona oeste do Rio de Janeiro. Aguardamos até 20h30 para entrar. Alguns jornalistas entraram junto com assessores dos políticos. Ficamos no andar de baixo. O jantar servido era arroz acompanhado por tomate seco e carne, além de uma massa. Sem contar o finger food de salgadinhos e frios. Para beber, refrigerante gelado e suco. O debate começou pontualmente às 22h55.

Cada candidato adentrou as dependências da Globo à sua maneira: o Pastor Everaldo estava estático, sorrindo só para fotos, enquanto revia alguns pontos com o assessor. Recusou-se a responder às perguntas do DCM sobre Levy Fidelix.

debate5

Eduardo Jorge chegou muito tranquilo, de mochila, sorriso sincero, suave na nave. Muitos jornalistas riam de suas falas, sobretudo nas pausas e quando reclamava de projetos que supostamente ele fez.

Levy Fidelix estava visivelmente abatido, suado e cabisbaixo. Cumprimentou Eduardo Jorge assim que chegou. Mal saberia ele que, pouco depois, protagonizaria uma discussão calorosa com o candidato do PV em que seria basicamente destruído.

Luciana Genro era a candidata mais animada e a que permaneceu mais tempo em pé conversando com assessores e posando para fotógrafos. Veio acompanhada do candidato do PSOL ao governo do Rio de Janeiro, Tarcísio Motta. Sua animação se traduziu em críticas diretas a Levy, a Dilma, a Marina e ao tucano Aécio Neves, que encarou quando ele lhe apontou o dedo.

debate4

Aécio Neves entrou no estúdio com ares de rock star. Aplaudido efusivamente pelos tucanos, veio acompanhado por Fernando Henrique Cardoso, que puxou mais palmas. No entanto, nenhum sinal de Geraldo Alckmin ou José Serra. Forçava um sorriso até quando não era fotografado. Falava em voz alta com apoiadores, incluindo o jogador Ronaldo, José Júnior do AfroReggae e Paulinho da Força Sindical. Tentou intimidar com uma claque que interrompia o debate, deixando William Bonner nervoso. Animadão, estourou o tempo pelo menos três vezes.

Dilma Rousseff não foi aplaudida quando chegou ao palco, mas foi fotografada maciçamente pelos repórteres de agências internacionais, como Reuters, EFE e AP. Estava de vestido creme, combinando com o terninho de Luciana. Parecia mais calma do que no debate da Record. Parecia. O diálogo ríspido com Marina por pouco não termina em luta livre no gel.

debate6

“Cadê Marina Silva?”, perguntava a produção da TV Globo. Marina chegou por último ao palco. A assessoria trabalhou para tratar sua aparência. Muita maquiagem e relaxamento deram um jeito na tensão.

Após o debate, Marina Silva, Luciana Genro, Aécio Neves, Dilma Rousseff, Eduardo Jorge e Pastor Everaldo desceram nesta ordem para uma coletiva de imprensa caótica no subsolo.

Fernando Henrique foi embora de helicóptero. Saiu apressado e não chegou a se despedir de ninguém. Nem a Aécio para agradecer a menção carinhosa que o candidato lhe fez no debate.

debate3
eduardo jorge
Pedro Zambarda de Araujo
Sobre o Autor

Escritor, jornalista e blogueiro. Atualmente escreve sobre tecnologia e games no site TechTudo. Teve passagem pelo site da revista EXAME. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, estuda filosofia na FFLCH-USP.

——————–

Nosso colunista pede desculpa a Luciana Genro por não votar nela

DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO

LG
CARTA ABERTA A LUCIANA GENRO

 

Prezada Luciana,

Meu voto era seu até semana passada.

Mudei de ideia, porém, isso nada tem a ver com a senhora.

Continuo com a certeza de que tu és a melhor candidata.

Com seu jeito gaúcho de chamar as coisas pelo nome, o apoio a todas as causas progressistas, que só permanecem polêmicas em países atrasados. A defesa do imposto sobre grandes fortunas, do fim do fator previdenciário, por dizer não à independência do Banco Central.

Por impedir que empreiteiras, bancos e multinacionais participem de sua campanha.

Por ter como principal compromisso o combate à desigualdade e por apresentar propostas radicais para combatê-la.

Radicais por atingirem a raiz do problema.

Nesse sentido, és radical, mas não extremista, ou mesmo comunista. E nisso acredito que te diferencias dos outros candidatos à esquerda do PT que sonham em acabar com o capitalismo e não em transformá-lo.

Mas estás além dos rótulos, por representares algo novo.

Socialismo e liberdade, afirma o teu partido logo no próprio nome, e assim se distancia das experiências totalitárias que deturparam o pensamento marxista no século XX.

E em ti eu acredito.

Chego a vibrar muitas vezes, muito mais do que com qualquer outro candidato.

Sua enquadrada em Aécio Neves no debate em que o tucano falava sobre corrupção, falta de ética, e esquecia que o PSDB comprou a reeleição de Fernando Henrique, foi espetacular. Sugerir ao Danilo Gentili que ele volte aos estudos também.

Por tudo isso, o meu voto seria seu, não fosse um único ponto em que discordamos e a força das circunstâncias.

Não acho que Dilma, Marina e Aécio são iguais.

Podem estar muito mais próximos entre eles do que em relação a sua candidatura. Mas Marina e Aécio estão mais distantes.

São candidatos neoliberais e de direita.

E nisso concordo com Rodrigo Constantino, aquele colunista que disse esses dias que qualquer pessoa que vote em ti é idiota. A direita devia se assumir como direita e parar de tentar fingir ser o que não é para agradar aqueles que Rodrigo chama de “esquerda caviar”.

Segundo o colunista, a direita pode sim ter força para eleger um presidente, desde que se assuma como direita.

E isso pode acontecer com Marina ou Aécio, nunca com Dilma.

E acredito que muito graças a sua candidatura e a tudo o que disseste para demonstrar que na verdade és tu quem representa a mudança, as Jornadas de Junho, a nova política, e não Marina, Dilma pode ganhar no primeiro turno.

Peço então que me entendas, que não fique magoada caso as urnas não lhe tragam tantos votos quanto tu mereces.

Deve demorar um pouco para o Brasil ter uma presidente como tu. Mas estamos ainda sob risco de colocar a direita no poder, ou uma incógnita que pode ou não ser de direita.

Voto então em Dilma porque, infelizmente, ela é a única candidata que pode evitar que isso aconteça já nesse domingo e, admito, tenho pressa.

Porque talvez, depois dessa campanha e inspirada por ti, Dilma tenha a coragem que lhe faltou no primeiro mandato para ir além, para aprofundar o combate à desigualdade, para garantir os direitos humanos, o estado laico e a liberdade.

Todas as propostas que tu defendeste tão bem e que Dilma parece muito mais disposta a abraçar do que Marina ou Aécio.

Voto então em Dilma porque queria que tu fosses eleita, mas, infelizmente, ainda não é possível. Porque votar em ti ajuda a direita a chegar ao segundo turno.

Porque Dilma, no atual sistema, com a Câmara e o Senado que devem se formar, continua a ser o que tem para hoje.

Por tudo isso, meu voto é dela, mas meu coração é seu.

E que o futuro nos reserve dias melhores. Circunstâncias melhores para votar em ti e para que possas governar como pretendes.

Espero que me entendas.

Com pesar e gratidão,

Leonardo Mendes.

Sobre o Autor

Leonardo é catarinense, jornalista e escreve no blog Van Filosofia. http://filosofiavan.wordpress.com

Categorias:Jogo do Poder

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.7.212.2 - Responder

    LEONARDO, NÃO SE ACOVARDE…. FAÇA VALER A SUA CONSCIENCIA E SEU CORAÇÃO, NO PRIMEIRO TURNO FAÇA COMO EU VÁ DE LUCIANA OU EDUARDO JORGE, SEM DÚVIDA OS MELHORES CANDIDATOS…. DEPOIS SE HOUVER SEGUNDO TURNO… FAÇA SUAS ESCOLHAS ENTRE DIREITA E ESQUERDA OU QUALQUER OUTRA TENDENCIA IDEOLÓGICA.

  2. - IP 177.221.96.140 - Responder

    Não tem jeito mesmo, a tendência dos autoritários como são todos os esquerdistas é votar em candidatos que representam suas idéias ditatoriais como aquelas inspiradas em Cuba e Na União Soviética que eles queriam implantar no Brasil.

  3. - IP 179.254.42.71 - Responder

    Ataca de forma grotesca e ainda nao diz a verdade , o autor do texto.
    O bolsa familia não foi criado ou inventado pelo PSDB , muito menos pelo pt ( minusculo mesmo).
    Qualquer cidadão com um minimo de informação e boa fé , sabe que o bolsa familia é a junção de programas que remontam desde José Sarney com o ticket do leite , passando por Itamar Franco , e FHC , sendo compilado pelo pt ; que tem sim mania de querer que os brasileiros acreditem que eles sÃo os pais de tudo de bom que há neste infausto país.
    E para encerrar , já que o autor chama Aécio e Everaldo com adjetivos toscos , podemos tambem chamar a “presidenta” de: “Aquela com andar de homem e cara de quem comprou carne estragada”

  4. - IP 177.144.62.181 - Responder

    Enock nao tem nenhum constrangimento de posar de ridiculo.Entao seja ridiculo e do PT.Fomos iludidos pelo seu proselitismo!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 × três =