TCE - DEZEMBRO

Dilma diz que Globo quer sua prisão e promete não ficar calada: “Nem a tortura me amedrontou”

 

 

Jornal GGN – A ex-presidente Dilma Rousseff emitiu uma nota à imprensa denunciando o “jornalismo de guerra da Globo”, que usou colunistas e reportagens para sugerir que as evidências juntadas à delação de Mônica Moura, esposa de João Santana, seriam suficientes para que Sergio Moro decretasse a prisão da petista.

O jornalista Merval Pereira, em artigo divulgado neste sábado (13), colocou a “honestidade” de Dilma em xeque e afirmou que as declarações de Mônica Moura bastam para a prisão. Na delação, a empresária diz que criou uma conta no Gmail para se comunicar com Dilma por rascunhas. Ela relata que a então presidente avisava ao casal dos passos da Lava Jato, tendo, inclusive, ligado para avisar do mandado de prisão.

Em outra reportagem, O Globo diz que o e-mail criado por Mônica Moura é “válido” e pode ser “rastreado” para comprovar a delação.

Dilma disse, em nota, que a Globo está em campanha das forças que lutam contra o golpe e quer substituir o Judiciário. A presidente deposta pelo impeachment disse que nem na tortura foi amedrontada e prometeu não se calar diante das manipulações da emissora.

Abaixo, a nota de Dilma na íntegra.

O jornalismo de guerra promovido contra mim e o presidente Lula é a prova de que a escalada autoritária contaminou radicalmente os formadores de opinião pública, como Merval Pereira, que hoje sugere, no Globo, a minha prisão.

A cobertura das Organizações Globo, defendendo o justiçamento de adversários políticos, quer substituir o Judiciário – e todas as demais instâncias operadoras do Direito – pelo escândalo midiático. Julgam e condenam.

Buscam se constituir numa espécie de poder judiciário paralelo sem as garantias da Justiça, base do Estado Democrático de Direito. Fazem, assim, verdadeiros linchamentos, tentando destruir a biografia e a imagem de cidadãos e cidadãs. Nesse processo, julgam sem toga e promulgam sentenças sem direito de defesa.

Ferem de morte a liberdade de imprensa pois não respeitam a diversidade de opinião e a Justiça. Selecionam alvos e minimizam malfeitos. Seu único objetivo é o maior controle oligopólico dos meios de comunicação, para impor um pensamento único: o  seu.

Em outros tempos, em outros países, tais práticas resultaram na perseguição  política e na destruição da democracia levando à escalada da violência e do fascismo.

Não adianta a intimidação. Não vou me curvar diante dessas ameaças e muito menos do jornalismo de guerra praticado pela Globo. Nem a tortura me amedrontou.

Repito o que tenho dito, dentro e fora do país: o Golpe de 2016 não acabou. Está em andamento. Não foi contra o meu governo, apenas. Foi contra o povo brasileiro e o Brasil. Está sendo executado todos os dias pela Globo, pelo governo golpista e todos que tentam desesperadamente consolidar o Estado de Exceção e a destruição de direitos.


 

As provas e dúvidas no depoimento de Mônica Moura contra Dilma

Entre as provas anexadas na delação premiada da esposa de João Santana estão: senha de Wifi, passagem de avião, agenda onde consta “compromisso com a tia”, arquivo de Word e uma conta de Gmail de onde e-mails nunca foram disparados

Jornal GGN – Para tirar a Lava Jato de seu encalço, Mônica Moura contou a seguinte história sobre Dilma em sua delação premiada:

Episódio 1

Em novembro de 2014, a então presidente teria sido avisada por José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça, que a Lava Jato já sabia das contas de Eduardo Cunha na Suíça e estava avançando rapidamente sobre a Odebrecht.

Dilma, preocupada com o elo da Odebrecht com sua campanha, teria convocado Mônica Moura, que estava de férias em Nova York, para ir ao Palácio da Alvorada, em Brasília, discutir o assunto.

Mônica diz que o assessor Giles Azevedo a buscou no aeroporto em um “carrinho vagabundo” e, caminhando pelo jardim de Alvorada, Dilma teria perguntado se a conta de João Santana no exterior era “segura”. Mônica respondeu que era, na medida do possível.

Dilma, então, disse que elas precisavam conversar com mais assiduidade, mas de maneira segura. Foi quando, na presença de Giles, Mônica pegou o computador de Dilma e criou a conta “iolanda2606@gmail.com”. Iolanda foi o nome sugerido pela petista, em referência à esposa do ex-presidente Costa e Silva. Elas combinaram que fariam a comunicação pelo rascunho do Gmail, sem fazer mensagens circular na web.

Para evitar que pudesse ser descoberta, Mônica afirma que Dilma pediu para criar um segundo e-mail, muito parecido com o primeiro. Seria o “2606@iolanda.com.br”. Os dois estão ativos e em posse da Lava Jato. Mas só o segundo foi vazado na imprensa.

A prova desse episódio, segundo Mônica, são: (1) a ata criada por sua defesa com o print do único rascunho que ficou salvo no Gmail, (2) a passagem aérea que atesta o bate e volta de Nova York a Brasília, (3) a agenda onde constou reunião com a “tia” e (4) o registro de que seu computador pessoal gravou a senha do wifi do Alvorada (o que não significa nada tendo em vista que o casal esteve lá a trabalho diversas vezes, ressaltou a própria delatora).

Episódio 2

Mônica disse que, ao longo de 2015, Dilma – que queria manter a comunicação frequente – só enviou duas ou três mensagens “codificadas”, mas sem teor alarmante. Eram coisas do tipo “venha me ver, preciso falar com você”. Neste mesmo ano, em um dos encontros com os marqueteiros, Dilma teria pedido que João Santana movesse sua conta da Suíça. Ele negou argumentando que isso seria admitir o crime.

Pulamos para 2016, quando o casal estava em campanha na República Dominicana.

Mônica disse à Lava Jato que, em 19 de fevereiro, Dilma usou o rascunho do Gmail para deixar a seguinte mensagem: “O seu grande amigo está muito doente. Os médicos consideram que o risco é máximo. E o pior é que a esposa dele, que sempre tratou dele, também está doente. Com risco igual. Os médicos acompanham dia e noite.”
“Médico, aqui, era o Zé Eduardo Cardoso…”, disse a delatora. “Eu vi essa notícia e desesperei. João não estava na produtora nesse momento. Eu tinha que apagar essa mensagem. Então eu gravei esse texto em Word porque eu não queria esquecer o teor, para o João ver. Por isso está no meu Word. Está lá com a data do dia que eu fiz isso. Isso foi em 19 de fevereiro. Passou o dia 20 de fevereiro, e passei a procurar ela, através do Anderson [Dornelles]”, completou.
Mônica disse ao MPF que respondeu Dilma com uma mensagem mais ou menos assim: “Existe alguma forma desses médicos nos ajudarem? O médico vai ajudar nosso amigo?”
A delatora afirma que Dilma não viu nem deletou a mensagem. Porém, esse comunicação não existe. A única que teria ficado armazenada no rascunho do Gmail é esta: “Vamos visitar nosso amigo querido amanhã. Espero que não tenha nenhum espetáculo nos esperando. Acho que pode nos ajudar nisso né?”
Segundo portal de notícias da Globo, essa mensagem foi enviada por Mônica à Dilma no dia 22, quando a operação já havia sido deflagrada. O casal, que estava no exterior, se entregou à Polícia Federal no Brasil no dia 23 de fevereiro.
A questão é que durante a delação gravada em vídeo, Mônica não citou essa mensagem.
Ao contrário disso: quando questionada pelo Ministério Público Federal sobre as evidências que restaram, ela cita apenas mensagens de celular trocadas com o ex-assessor Anderson Dornelles e sua esposa, além do arquivo Word onde ela teria salvo a última mensagem que supostamente Dilma escreveu.
Segundo Mônica, após ler a mensagem que envolvia médico e marido e esposa doentes, ela respondeu perguntando se esse médico poderia ajudar de alguma forma. Para a delatora, Dilma nunca leu esse rascunho. “O rascunho ficou lá o tempo todo, e ela não apagava.”
A delatora, então, entrou em contato, por mensagem de celular, com Anderson. Sem sucesso, enviou outra mensagem e foi respondida pela esposa dele. Essas mensagens foram preservadas e entregue como evidências (6). Isso teria ocorrido entre 20 e 21 de fevereiro.
Ocorre que, segundo Mônica, Dilma – que criou 2 e-mails por paranoia – ligou para um telefone fixo no escritório de João Santana na República Dominicana, “na noite de 20 ou 21 de fevereiro”, avisado que “foi visto um mandado de prisão” contra o casal. Quem avisou foi “Zé Eduardo Cardozo”. Santana teria ficado desesperado e perguntado se nada poderia ser feito. Dilma negou qualquer tipo de ajuda.
Gera dúvidas que Mônica tenha feito o rascunho do dia 22 se Dilma, de fato, fez a ligação no dia 21. No dia 22, a operação já havia sido deflagrada e Mônica disse que ficou sabendo “pela internet”. Por que a delatora achou que Dilma, que não teria respondido seu rascunho sobre o médico, iria ler aquele quando a bomba já havia explodido? E por que não deletou, como era de praxe? Mais do que isso: por que não citou esse e-mail em nenhum momento na gravação feita pelo MPF?
Episódio 3
Ainda houve um terceiro episódio relatado por Mônica Moura contra Dilma.
Em meados de 2015, pouco antes de ser preso, Marcelo Odebrecht teria levado Mônica a sua residência, em um bairro nobre de São Paulo, para conversar sobre a Lava Jato.
Em síntese, Marcelo fez um apelo para que Mônica convencesse João Santana a conversar com Dilma, para que algumas provas da Lava Jato que vieram da Suíça fossem anuladas. O argumento é público: a parceria teria ocorrido sem a participação do Ministério da Justiça, como determina a lei de cooperação internacional. “Marcelo queria que João conversasse com Dilma para que Zé Cardozo entrasse com isso.”
“Ele [Marcelo] dizia que Dilma não ouvia ninguém, que diziam para ela que a Lava Jato ia chegar nela e ela dizia que não tinha nada a ver com isso. Ela sempre se esquivava”, comentou Mônica.
Mônica diz que João Santana se negou a entrar nesse assunto com Dilma. Mas a delatora aproveitou uma oportunidade em que estava em Brasília a trabalho e abordou a ex-presidente. Dilma tería dado uma “resposta ríspida”. “Eles são loucos, eu não posso me meter nisso. Não posso fazer nada. Como vou mexer nisso?”
Não há, no vídeo da delação, registro do que foi entregue para atestar a veracidade disso.
FONTE  GGN JORNAL

 

 

 

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Sempre isso,a imprensa facista,o FBI,CIAa direita o centro e a puta que pariu perseguem ela o Lula do PT.Dao inocentes e tudo que foi dito é denunciado e para perseguir essa cambada de ladrões.So moendo no pau para mudar esses loucos e psicopatas.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

20 + catorze =