gonçalves cordeiro

Desembargador Luis Carlos da Costa mantém proibição de Sérgio Ricardo entrar no prédio do Tribunal de Contas. LEIA DECISÃO

SUPOSTA COMPRA DE CADEIRA
Sérgio Ricardo tenta anular decisão que o proibiu de entrar no TCE, mas TJ barra

 

Costa e Sérgio

do PONTO NA CURVA

O desembargador Luiz Carlos da Costa, da Segunda Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), negou novo recurso do conselheiro afastado, Sérgio Ricardo de Almeida, para voltar ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

Sérgio Ricardo está afastado desde janeiro de 2017, por suspeita de ter participado do suposto esquema de compra e venda do cargo de conselheiro do TCE. Além dele, são réus na ação: Alencar Soares Filho, Blairo Borges Maggi, Eder de Moraes Dias, Gércio Marcelino Mendonça Júnior, Humberto Melo Bosaipo, José Geraldo Riva, Leandro Valoes Soares e Silval da Cunha Barbosa.
Constata-se a presença de perigo de dano inverso decorrente da gravidade do fato a ser apurado, consistente no alegado descumprimento de decisão judicial, porquanto ‘o Conselheiro afastado, Sr. Sérgio Ricardo de Almeida, tem agido de forma a descumprir a liminar deferida nos autos, uma vez que mesmo afastado, tenta intervir no TCE, ora constrangendo o Conselheiro Substituto, ora tentando intervir nos atos dos funcionários do seu ex-gabinete’

Segundo consta nos autos, o juiz da Vara Especializada da Ação Civil Pública e Ação Popular, Luís Aparecido Bertolucci Júnior, após ouvir depoimento do conselheiro substituto João Batista de Camargo Júnior, entendeu que mesmo afastado do cargo, Sérgio ainda comparecia nas dependências do órgão e causando embaraço às investigações.

Para manter o acusado proibido de adentrar no Tribunal de Contas, o magistrado impôs a multa de R$ 5 mil por cada ato descumprido.

Diante da situação, Sérgio Ricardo interpôs recurso, com pedido de efeito suspensivo, contra a decisão que determinou sua proibição de ingressar no TCE.

Ao analisar o requerimento, o desembargador esclareceu que não ficou demonstrado possível dano grave ou de impossível reparação no caso, pois o conselheiro já está suspenso de seu cargo por força de decisão judicial.

Em sua decisão, Luiz da Costa ressaltou que com a suspensão da ordem do juízo de primeira instância o conselheiro poderia voltar a interferir nas investigações.

“Por outro lado, constata-se a presença de perigo de dano inverso decorrente da gravidade do fato a ser apurado, consistente no alegado descumprimento de decisão judicial, porquanto ‘o Conselheiro afastado, Sr. Sérgio Ricardo de Almeida, tem agido de forma a descumprir a liminar deferida nos autos, uma vez que mesmo afastado, tenta intervir no TCE, ora constrangendo o Conselheiro Substituto, ora tentando intervir nos atos dos funcionários do seu ex-gabinete’”, frisou.

Entretanto, a decisão do desembargador é provisória. A questão sobre a proibição de Sérgio em ingressar no TCE ainda será analisada pela câmara julgadora.

“Essas, as razões por que determino o processamento do recurso, sem atribuir a ele efeito suspensivo”, esclareceu Luiz Carlos da Costa.

Suposta compra

A suspeita sobre a negociação da vaga surgiu após depoimentos do empresário Júnior Mendonça, em delação premiada, e do ex-secretário Éder Moraes.

Mendonça contou que o esquema teria sido iniciado em 2008, quando Sérgio Ricardo ainda ocupava o cargo de deputado estadual e era presidente da Assembleia Legislativa.

Consta na ação que o atual conselheiro, com a ajuda de José Riva, resolveu utilizar o “esquema” de Júnior Mendonça e o montado no BicBanco para levantar recursos e assegurar a compra da cadeira até então ocupada pelo conselheiro Alencar Soares.

Durante a delação premiada, Júnior Mendonça afirmou que, em 2009, o então governador Blairo Maggi (PR), obteve dele, por meio de Éder Moraes, R$ 4 milhões para pagar o então conselheiro Alencar Soares.

Alencar Soares teria recebido o dinheiro das mãos de Júnior Mendonça, para que pudesse devolver a Sérgio Ricardo os R$ 4 milhões anteriormente dele recebidos – e, alegadamente, já gastos.

Segundo a ação, apesar da negociação ter ocorrido anos antes, a liberação da vaga acertada com Alencar Soares ocorreu apenas em 2012, “depois da devolução e após a quitação dos valores acertados”.

Desembargados Luis Carlos Costa mantém proibição de Sérgio Ricardo entrar no prédio do TCE by Enock Cavalcanti on Scribd

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

doze − dois =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.