Desde que Lula teve que se apoiar em Sarney para construir a sua maioria no Senado, a Globo vem tentando detonar o velho cacique do Maranhão. Sempre é bom lembrar que Sarney construiu seu poder através do domínio dos meios de comunicação, sobretudo a Rede Mirante, retransmissora da Rede Globo. Uma Lei de Mídia, que a Globo trata como um atentado à democracia, teria o poder de tirar a TV das mãos da família Sarney e injetaria democracia num dos estados mais sofridos do país

Quem criou Sarney?

Autor: Miguel do Rosário, no blogue Tijolaço

sarney-roberto-marinhoUm leitor me envia um email engraçado, embora o assunto seja muito sério. Desde que Lula teve que se apoiar em Sarney, poderoso político nordestino, para construir a sua maioria no Senado, a Globo vem tentando detonar o velho cacique do Maranhão e sua família.

Sempre é bom lembrar, contudo, que Sarney construiu seu poder através do domínio dos meios de comunicação de seu estado, sobretudo a Rede Mirante, que desde 1991 tem o direito de retransmissão da Globo.

Uma Lei de Mídia, que a Globo trata como um atentado à democracia, teria o poder de tirar a TV das mãos da família Sarney e, portanto, injetaria democracia num dos estados mais sofridos do país.

Lula teve que se aliar a Sarney, porque precisava de uma base de apoio no Senado para aprovar os programas sociais de governo, além dos aumentos do salário mínimo e ampliação de verbas para educação e saúde.  Já Roberto Marinho se associou a Sarney para manter sua hegemonia midiática sobre a política nacional. Pode-se dizer que os Sarney são uma espécie de sub-produto da Globo.

Ah, o email que recebi do leitor:

*

Veja só que belezura! E a Globo está detonando o Sarney para atingir a Dilma. Coisa feia…

“O senador José Sarney e Roberto Marinho foram amigos pessoais até o fim da vida do jornalista. Sarney era vice-presidente de Tancredo Neves e tinha a missão de concluir o processo de redemocratização do país, após a morte do político de São João del-Rei.

“Quando era presidente, Sarney visitava Roberto Marinho sempre que vinha ao Rio de Janeiro. As conversas giravam em torno da política maranhense, de apoio para a realização de eventos culturais, como exposições de arte, e assuntos pessoais. Sarney relembra: “A partir daí, foi se estabelecendo uma ligação mais estreita, mas sempre marcada, do meu lado, pela diferença de idade entre mim e o Dr. Roberto, o que dava um espaço muito grande, sempre com um tom reverencial em relação a ele.”

PARA SABER MAIS CLIQUE NO LINQUE ABAIXO

http://www.robertomarinho.com.br/vida/trajetoria/uma-trajetoria-liberal/jose-sarney.htm

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    A primeira coisa engraçada do texto acima é que foi tecido po Nassif.

    A segunda graça é que os petistas, petralhas, filopetistas e filopetralhas, todos, sempre disseram o demônio do velho Sarney, mas agora que ele está sendo útil para os seus projetos de roubo oficialesco, querem transformar o cacique em santo.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × 2 =