Escolhido de Zé Pedro para “moralizar’ Educação está na cadeia

Juiza Selma Arruda manda prender tucano Perminio Pinto by Enock Cavalcanti on Scribd

 

 

Antes de assumir, depois de assumir e já como governador do Estado de Mato Grosso, o professor e bacharel de Direito Zé Pedro Taques discursou inúmeras vezes demonizando a gestão do PT na secretaria de Educação durante governo de Silval Barbosa.

Foi muito bla-bla-bla.

Só que não se levou à Justiça uma denúncia sequer quanto a desvio de recursos na gestão contra o atual deputado federal Ságuas Moraes ou contra a professora Rosa Neide.

O espanto é que a roubalheira veio a ser detectada já no governo de Zé Pedro Taques. Espanto que só faz crescer quando se vê que um dos acusados de comandar esta roubalheira é justamente um daqueles que Zé Pedro escolheu como “um dos homens justos” que iria comandar a sua administração.

Permínio Pinto está na cadeia. Há muito, certamente que se saber e que se falar a respeito. Leia agora o informe do MP. (EC)

 

Permínio, o tucano preso

Permínio, o tucano preso

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), integrado por promotores de Justiça, delegados de Polícia, Policiais Militares e Civis, deflagrou hoje o início da segunda fase da Operação Rêmora, denominada “Locus Delicti” que tem por fim desmantelar uma organização criminosa formada por servidores públicos estaduais e empresários do ramo de construção civil organizados em cartel que distribuíram entre si diversas licitações de construção e reforma de escolas públicas estaduais junto à Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (Seduc).
Nesta fase novos integrantes da Organização Criminosa já foram identificados e neste momento está sendo cumprido Mandado de prisão preventiva em relação ao ex-secretário de Estado de Educação, Permínio Pinto Filho.

O Gaeco após a deflagração da primeira fase da referida operação debruçou-se acerca dos elementos colhidos no cumprimento dos mandados de busca e apreensão e demais provas coletadas no sentido de elucidar toda a cadeia delitiva, em especial a cadeia de comando da corrupção e demais crimes, sendo que após análise de todo material e consubstanciado em outra provas coletadas, o Gaeco pode levar até o Poder Judiciário elementos (que na primeira fase não haviam sido coletados ainda) de que o Ex-secretário Permínio Pinto Filho participou ativamente do comando decisório da organização criminosa já denunciada.

De acordo com os elementos de prova, foi possível constatar que no escritório mantido pelo denunciado Giovani Belatto Guizardi localizado no Edifício Avant Garden Business, em frente a trincheira do Bairro Santa Rosa, a Organização Criminosa reunia-se para deliberações e acerto de contas acerca dos crimes praticados em prejuízo do Estado de Mato Grosso, sendo que após a deflagração da primeira fase foi possível elucidar de forma cabal a presença física do ex-secretário Permínio na cena do crime conforme documentos obtidos nesta segunda fase junto a administradora do referido Edifício.

Os integrantes do Gaeco afirmam que: “Temos comprovação de que o ex-secretário da Seduc, Permínio Pinto esteve em reunião com o operador da propina Giovane Belatto Guizardi no “Quartel General” do Crime Organizado antes das reuniões ocorridas entres os empresários denunciados em que ocorreram a distribuição das obras da Seduc que sequer estavam publicadas. Outros personagens (integrantes da Organização Criminosa) já estão identificados, sendo que as investigações ainda prosseguem e novas fases não estão descartadas. Importante frisar que na deflagração da primeira fase da Operação Rêmora não havia qualquer indicativo da participação de Permínio Pinto nos malfeitos, sendo que a produção de novas provas a partir da deflagração da primeira fase possibilitou o avanço das investigações e o surgimento de prova de que o ex-secretário agia dentro da pasta da Seduc para finalidades espúrias” .

 

 

FONTE MINISTÉRIO PUBLICO DE MATO GROSSO

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

vinte − dezessete =