gonçalves cordeiro

DELAÇÃO PREMIADA: Enquanto Riva não torna pública sua deleção, ex- servidora do gabinete do ex-todo poderoso da Assembleia dá com a língua nos dentes. Segundo Marisol Sodré, Janaina Riva e seu primeiro marido, Carlos Antônio Azóia, o Nino, recebiam mensalinho de R$ 4.000 da Assembleia, pago pelo pai da moça, o ex-deputado Riva. Ao saber das acusações, Janaina diz que delatora estaria sendo orientada (quem sabe pelo MP, do qual faz parte o atual namorado da deputada, promotor Vinicius Gahyva?), para tentar macular a sua imagem. Marisol e MP garantem a posse de documentos que comprovariam as alegações.

 

José Geraldo Riva, com Janaina Riva, filha e herdeira política

José Geraldo Riva, com Janaina Riva, filha e herdeira política

 

Desde que o ex-deputado Maksuês Leite, orientado pelo promotor Marcos Regenold, resolveu lançar luz sobre os negócios que se celebraram nos bastidores da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, que a política de nosso Estado vive sob tensão.

O que mais se teme é que o ex-todo poderoso da Assembleia, Geraldo Riva, possa vir a celebrar uma delação premiada e revelar muito do que sabe sobre esses negócios que envolveriam praticamente todos os nomes de destaque da politica de Mato Grosso, nos últimos 20 anos – tempo em que durou o poder político de Riva sobre as instituições mato-grossenses. Dos tempos de Dante-Antero até aos tempos recentes de Maggi-Silval.

Enquanto a delação de Riva se mantém como apenas um rumor, uma especulação, nesta sexta-feira, a servidora Marisol Sodré, que trabalhou no gabinete da presidência da AL-MT, resolveu falar. Ouvida pela juiza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal, Marisol falou da lista apreendida pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) na casa dela, durante a primeira fase da Operação Metástase.

A lista seria um controle dos beneficiários do esquema de desvio da verba de suprimentos da Assembleia Legislativa. Os nomes “Nina” e “Nino” aparecem na lista. Segundo o Gaeco, essas anotações se referem a Janaína e ao seu primeiro marido, o sr. Carlos Antonio Azóia, por apelido Nino. Com a lista, muitos ficarão sabendo desse primeiro marido da atual deputada estadual. Depois ela se casaria com o ex-vereador João Emanuel, o Triste. Separada, atualmente, estaria namorando – como a mida tem propalado – o promotor Vinícius Gahyva, que comporia o grupo de oposição ao atual chefe do Ministério Público Estadual, o procurador Paulo Prado. Mas isso é apenas uma informação paralela.

Importante é que Marisol informou que, quando ainda não era deputada e tão somente a herdeira de Riva, Janaina Riva teria se beneficiado junto com o marido Nino, de um mensalinho de R$ 4.000, que lhe era pago, a cada mês, pelo gabinete da presidência da Assembleia. Enquanto Nino e Janaina formavam um casal, era o Nino que aparecia lá para receber o tal mensalinho, conta Marisol. Depois que Janaina saltou fora deste primeiro matrimônio, lançando Nino para o limbo, ela mesmo teria passado a comparecer para receber o envelope com o tal mensalinho. Tudo isso foi dito pela deladora premiada diante da juiza Selma Arruda, dos promotores do Gaeco, dos servidores da 7ª Vara Criminal e dos representantes da nossa ilustrada imprensa mato-grossense.

A denúncia foi feita pela manha, repercutiu nos sites mais bem equipados e mais ágeis que essa PAGINA DO E, e nesta mesma manhã a deputada Riva cuidou de reagir, desmentindo a acusação, dizendo que Marisol estava mentindo e soltou até uma nota, com o seguinte teor:

 

“Nunca, em qualquer circunstância, sequer se reuniu sozinha essa servidora. Mais ainda: nunca teve nenhum trato com ela e se recusou a é que não a aproveitá-la em sua equipe quando se elegeu deputada, a exemplo do que fez com alguns técnicos da equipe do seu pai. Segundo a deputada, essa acusação mentirosa soa como discurso orientado a fim de macular a sua imagem. “Cabe a quem acusa o ônus da prova. Quero ver ela provar que algum dia peguei um centavo sequer da Assembleia Legislativa. Nunca precisei disso, sempre tive os meus negócios”, disse ela ao afirmar que já acionou inclusive seus advogados para que tomem as medidas cabíveis com relação a tais declarações”.

O advogado Rodrigo Mudrovisch anunciou que vai acioná-la civel e criminalmente. “É assustador o nível rasteiro desse acordo de delação. A acusação é mentirosa e irresponsável. Vamos, de imediato, propor medidas judiciais cíveis e criminais contra essa delatora. Não há qualquer envolvimento da Deputada nos fatos discutidos na operação Metástase.”

 

Como se vê, bastou uma ex-servidora falar, para que voltasse a ferver o caldeirão da política em Mato Grosso.

Imaginem o que acontecerá no dia em que José Geraldo Riva resolver contar a sua história.

Fica a dúvida: será que Riva vai falar antes que o jornalista Eduardo Gomes  ponha a circular na praça a sua biografia não autorizada de José Geraldo Riva?
Uma expectativa que fica, certamente, é sobre o futuro da tal lista de pagamento que teria sido apreendida pelo Gaeco na casa da ex-servidora da Assembleia de Mato Grosso, Marisol Sodré. O Ministério Público vai dar a conhecer o inteiro teor desta lista, como deu a conhecer algumas listas apreendidas com Éder Moraes? Continuaremos ritmados na base dos vazamentos seletivos?

Vejam que o documento mostraria pagamentos de valores para vereadores de várias cidades de Mato Grosso, para pelo menos três advogados, hotéis, planos de saúde, alguns colunistas sociais, locadoras de carros, diversos profissionais de nossa valorosa imprensa, times de futebol, supermercados, funerárias, “boi no rolete”, para o Mixto e também para lojas de móveis chiques.

Um vereador de Cuiabá apareceria na lista recebendo um “presente” de R$ 1 mil, enquanto outros R$ 2 mil teriam sido repassados a um coronel da Polícia Militar como ajuda para uma “caminhada”. Na loja Decorliz, que vende móveis chiques, teriam sido gastos cerca de R$ 151 mil, sendo respectivamente R$ 80,723 mil e R$ 70,405 mil, não se precisou ainda para que fim. Será que vamos ter todos os detalhes desta lista? Com a palavra as impolutas autoridades do Ministério Público Estadual

 

 

 

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

12 + doze =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.