Operação My Way é na verdade PT 35

Por Renato Rovai, na revista Fórum

Operação My Way é na verdade PT 35

A Polícia Federal é sempre muito criativa em dar apelidinhos chulos às suas operações. Alguns nomes ficaram na história e viraram pó, como a Castelo de Areia que foi soterrada porque atingia boa parte das mesmas empreiteiras que hoje estão na Lava Jato.

A operação de hoje foi denominada de My Way, título de uma famosa canção de Frank Sinatra.

Seria dessa forma que o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que colabora com as investigações, se referia  a Renato Duque, ex-diretor de Serviços da empresa. My Way, porém, deve ser o nome público da operação. O nome de fato utilizado por aqueles que estão no controle da ação deve ser PT 35. O partido comemora seu aniversário de meia idade amanhã em Belo Horizonte. Todos os seus principais dirigentes, governadores, prefeitos, ministros, o ex-presidente Lula e Dilma devem estar na capital mineira amanhã.

E mesmo sem nenhuma prova contra ele, segundo este blogue apurou, o tesoureiro do partido João Vaccari foi convocado para depoimento.

É a água no chope da festa de amanhã que os veículos de comunicação que são sustentados por fartas verbas governamentais do governo petista tanto queriam.

O fato de Vaccari ser convocado para um depoimento já está sendo tratado como prova inconteste de sua culpa na operação Lava Jato. Nem no fascismo era assim.

Se o PT e Dilma não se derem conta de que não podem mais governar incorporando a agenda negativa da mídia sem operar uma reação pela política, a festa dos 35 anos de amanhã vai ser um fim de festa.

O partido está sendo massacrado e destruído muito pelo jogo bruto da articulação da mídia e de setores do judiciário. Mas também pelos erros políticos do governo. Os dirigentes do PT costumam ser responsabilizados por todas as tragédias que acontecem com o partido, mas o fato é que se o governo ao invés de incorporar a agenda da direita, abrisse todas as suas portas para o movimento social, o cenário hoje seria outro.

A opção pela ortodoxia econômica e por uma articulação política baseada em arrogância e pitos  ainda vai custar muito caro.

E quem vai pagar o pato é o PT. Essa operação de hoje é só para mostrar aos companheiros que nem hoje e nem amanhã é dia de festa.