PREFEITURA SANEAMENTO

Collor garante que Gurgel é “improbo e chantagista” e fustiga engavetador do MPF: “- Se de um lado Gurgel quer garantir o direito de o Ministério Público investigar, por outro Gurgel se recusa a ser investigado pelo próprio Ministério Público”

Collor informou que ingressará com mais uma representação para investigar a atuação de Gurgel em relação a um processo licitatório no Ministério Público Federal. De acordo com Collor, houve um pregão eletrônico para aquisição de 1,2 mil tablets pelo MPF, no valor de quase R$ 3 milhões, com "um direcionamento escancarado ao um dos concorrentes". Além disso, o pregão ocorreu no dia 31 de dezembro do ano passado, às 16h, "ao apagar das luzes do órgão".

Collor fustiga Gurgel: “Ímprobo e chantagista”

Em discurso no Plenário do Senado, Fernando Collor (PTB-AL) lembrou que, em 2012, fez várias denúncias contra o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Para Collor, o processo de crise e conflitos entre os três Poderes está vinculado à conduta de Gurgel. Citando a denúncia apresentada pelo procurador-geral contra Renan Calheiros (PMDB-AL) a uma semana da eleição para a presidência do Senado, ele disse que “o procurador-geral vem querendo jogar o Poder Judiciário contra o Legislativo”

 Da Agência Senado

Em discurso no Plenário nesta terça-feira (5), o senador Fernando Collor (PTB-AL) voltou a atacar a atuação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Collor chamou Gurgel de “chantagista, ímprobo e praticante de ilícitos administrativos e de crime de responsabilidade”.

O senador lembrou que em 2012 fez vários discursos com denúncias contra Gurgel. Segundo Collor, o processo de crise e conflitos entre os Poderes da República está vinculado à conduta de alguns agentes, como Roberto Gurgel. Collor disse que, além de atitudes criminosas, o procurador-geral agora vem querendo interferir nos outros Poderes. Ele ainda acrescentou já ter apresentado sete representações nas instâncias de controle do Ministério Público e no Senado sobre a conduta de Gurgel.

Collor disse ainda que Roberto Gurgel trabalha contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37/2011, que tramita na Câmara dos Deputados. Essa iniciativa demonstraria, na visão de Collor, a incoerência de Gurgel. A PEC limita a competência para a investigação criminal às polícias federal e civis dos estados e do Distrito Federal.

– Se de um lado ele quer garantir o direito de o Ministério Público investigar, por outro ele se recusa ser investigado pelo próprio Ministério Público – afirmou.

O senador afirmou que Gurgel solicitou a prisão imediata de réus – como no caso do mensalão -, sendo que os acórdãos dos referidos processos não haviam ainda sido publicados. Para Collor, houve ofensa ao direito, além de desprezo às leis do país e à inteligência. O senador criticou a demora de Gurgel em atuar em alguns processos e disse que causa “inquietude” a condução de denúncia, motivada por depoimento do publicitário Marcos Valério, contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para Collor, há algo preocupante nesse processo “que ainda não se revelou completamente”.

Collor também informou que ingressará com mais uma representação no Senado para investigar a atuação de Gurgel em relação a um processo licitatório no Ministério Público Federal. De acordo com o senador, houve um pregão eletrônico para aquisição de 1,2 mil tablets, no valor de quase R$ 3 milhões, com “um direcionamento escancarado ao um dos concorrentes”. Além disso, o pregão ocorreu no dia 31 de dezembro do ano passado, às 16h, “ao apagar das luzes do órgão”.

– O que o Ministério Público faria se o fato tivesse ocorrido em outro órgão? – questionou.   Renan Calheiros   Na visão de Collor, o procurador geral também tentou interferir na eleição do Senado, ao apresentar a denúncia contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), eleito nesta sexta-feira (1º) presidente do Senado, a uma semana da votação, depois de mais de anos em que o processo ficou estagnado. Collor disse que essas iniciativas provariam suas denúncias sobre a “prevaricadora conduta” funcional do procurador, como o vazamento de informações à imprensa e a atuação com “conveniência política”.

– O procurador geral vem querendo jogar o Poder Judiciário contra o Legislativo. O Senado não vai se mostrar submisso ao Ministério Público nem aos demais Poderes. Estamos respaldados pelo voto popular – declarou.

Jorge Viana

Collor ainda parabenizou o senador Jorge Viana (PT-AC), que como vice-presidente dirigia sua primeira sessão. Collor disse que era motivo de alegria ver o colega presidindo os trabalhos no Plenário. Ao abrir a sessão, Jorge Viana agradeceu a confiança dos colegas que votaram em seu nome “para tão honrosa função” e prometeu trabalhar para colaborar com o Senado.

 

7 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.10.67.83 - Responder

    Pensando bem, acho que não há porta-voz mais adequado para os mensaleiros petralhas do que o COLLOR.

    É difícil acreditar que um dia eles estiveram em lados opostos.

    Eles nasceram para o amor recíproco.

  2. - IP 177.132.244.105 - Responder

    Esse gurgel é um malandro e deve ser investigado tambem.

  3. - IP 187.5.110.146 - Responder

    Só não percebe quem não quer…o Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, ofereceu denúncia contra o atual Presidente do Senado, Renan Calheiros, a apenas uma semana antes da eleição para Presidente do Senado para tentar interferir no voto dos demias senadores, com o objetivo de ver eleito o Senador Pedro Taques, adversário de Renan, e também ex-Procurador da República. Meu povo de Mato Grosso, há muito tempo tenho dito que o Ministério Público quer mandar nesse país. O Poder Judiciário não pode cair no ‘conto do vigário’ desses promotores e procuradores, que muitas das vezes oferecem denúncias sem um lastro mínimo de provas e, no mais das vezes, tudo o que fazem é pra ‘aparecer’, buscando um lugar ao sol na política. Fica o recado para o Blairo Maggi e para o José Riva: abram o olho, porque o Ministério Público do Mato Grosso vai fazer de ‘tudo’ pra tentar emplacar o ex-Procurador Pedro Taques como governador do Estado. O show de denúncias contra Maggi e Riva vai começar assim que se iniciar o processo de sucessão do Silval Barbosa no Governo do Estado, tudo isso com a finalidade de colocar a opinião pública contra eles, em prol de uma eventual candidatura de Pedro Taques…quem viver, verá!!

  4. - IP 177.7.79.139 - Responder

    collor( minusculo mesmo) é apenas o emissário da petralhada para atacar o Gurgel , que fez um bom trabalho para incriminar os mensaleiros .
    Ora quem é collor ( se fosse possível em nano) para atacar a honra de alguém???
    Duro é Alagoas nos fazer engolir esse homem.
    Alagoas poderia declarar independencia do Brasil e serem governados pela dupla collor / renan , mais a tchurma mensaleira do pt, que agora ele ama “desde pequeno”.

  5. - IP 201.67.17.115 - Responder

    Enquanto Isso Juizados de Cuiabá PARADOS!!! nao há nenhum tipo de andamento processos!!!!! CNJ neles!

    No 1 Juizado de Cuiabá Juiza Lucia está de FÉRIAS!!!!!

    No 2 Juizado como de sempre NADA ANDA! Gabinete parado. nem mesmo há aquela estagiária para anotar processos num pedaço de papel rsrsrsrs.

    No 3 Juizado aquela bagunça! pois a juiza Ana Cristina retornou vara violência e agora José!!!!! rsrsr

    No 6 Juizado Juiz Sebastião Arruda! O de sempre um CAOS!!!!!!!!!

    No 5 Juizado Juiz Elinaldo nunca está no local de trabalho ai vcs ja sabem NADA ANDA!!!!!

    No 4 Juizado Juiza Valdecir começou bem agora, só jesus na causa um mero despacho de analise de recurso demora cerca de 09 meses!!! BACEN 05 meses Liminar 01 mes etc……………………. e mole.

    Enfim continuamos no CAOS rsrsrsrsrsrsrsrsr!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. - IP 200.17.60.247 - Responder

    Infelizmente ,os defeitos contidos nos políticos brasileiros acabam se verificando também em alguns componentes do judiciário nacional. Na verdade, ninguém é santo. Utilizam o Poder que representam para satisfação pessoal e, quem sempre perde com isso, é a base da pirâmide, o povo, que depende de todos os poderes constituídos nesse país… Collor não é santo e nunca foi. Pregou uma bandeira contra marajás e ele mesmo sempre foi um… e o super acusado Renan, até ministro da Justiça já foi, com o aval de FHC…E o Jader? esqueceram dele? Outro mala paraense que até preso já foi, envolvido em uma séria de falcatruas… Toda essa corja continua dando expediente no congresso… se fosse num país sério, esses corruptos nem poderíam ser candidatos por seus estados..Acontece que o voto é moeda de troca e o miserável o vende por qualquer besteira e depois ainda reclama da classe política…

    • - IP 189.10.67.83 - Responder

      Meu caro Maurício, de todos os políticos que você citou (COLLOR, RENAN, JADER), como exemplos negativos, todos estão hoje aliados ao PT dos petralhas.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 2 =