CEARÁ E VILSON NERY: Agora envolveram o Tribunal de Justiça na brincadeira. Em novembro de 2013 (há cinco longos meses), houve a deflagração da Operação Aprendiz e os advogados do vereador acusado tiveram irrestrito acesso a todas as provas, na Justiça Criminal. Depois foi proposta contra o edil uma ação de improbidade, na Justiça Civil e ali não havia o tal DVD, conforme alegou a defesa ao Tribunal de Justiça. Só que omitiram que haviam tido acesso a todas a provas na Justiça Criminal. Foram traídos pela própria língua, pois em conversa interceptada por decisão judicial dialogavam sobre o tal DVD.

Ceará e Vilson Nery são ativistas do MCCE em Mato Grosso

Ceará e Vilson Nery são ativistas do MCCE em Mato Grosso

Chora, Cuiabá!

CEARÁ E VILSON NERY

Ainda que não sejamos historiadores, mas aqui encarnando um “Gilson Romeu” (professor de História, escritor e líder sindical mato-grossense), pensamos em dizer algo sobre a cidade de Cuiabá e seus quase 300 anos de idade. Sabe-se que a história é contada pelos vencedores, de modo que sempre há uma opinião que impera, na análise dos objetos e acontecimentos históricos.

Falar, por exemplo, sobre a nação Paiaguá é interessante, índios valentes, exímios canoeiros, peças fundamentais na Guerra do Paraguai, onde – dizem – auxiliaram os inimigos do Brasil. Mas quem pode dizer a verdade? Dos Paiaguás só resta o nome dado ao Palácio do Governo, e aquele Condomínio residencial de acanhados apartamentos no Centro Político e Administrativo da Capital.

Os corajosos Paiaguás foram exterminados!

Consta que os primeiros indícios dos bandeirantes paulistas em Cuiabá datam de 1673, quando da passagem de Manoel de Campos Bicudo, que primeiro fundou um povoado na região do rio Coxipó, com o nome de São Gonçalo.
Depois, em 1718, chegou ao local a bandeira do sorocabano Pascoal Moreira Cabral, em busca de capturar indígenas, e travou uma batalha sangrenta com os índios coxiponés. Derrotados, os bandeirantes recuaram, e no caminho encontraram ouro, alterando seus objetivos: abandonam a captura de índios e se dedicam ao garimpo, como atividade econômica.

Passaram-se quase 300 anos do registro dos primeiros fatos históricos que evidenciam a exploração (no pior sentido da palavra) de Cuiabá e o vilipêndio da boa-fé dos cuiabanos (descendentes de Paiaguás, Coxiponês, Guatós, Bororo etc.) continua o mesmo.

Basta ver que as ruas da cidade de Cuiabá estão esburacadas, o sistema de transporte público não funciona, a crise na saúde pública vitima cuiabanos e cuiabanas todos os dias, e Água é só nome de um museu. Essa é a realidade, mesmo que em algumas semanas sejamos sede do grande evento chamado Copa do Mundo. O evento e seus efeitos deveria ser objeto de trabalho por parte de nossos políticos, como forma de bem receber os turistas e oferecer o melhor de Cuiabá, obtendo proveito financeiro do evento, o chamado “legado da Copa”.

E o que fazem nossos políticos? Debatem à exaustão o problema criminal de um cidadão que se elege vereador e usa do mandato eletivo para acobertar seus caprichos.

Agora envolveram o Tribunal de Justiça na brincadeira (sim, brincadeira!). No ano passado, em novembro de 2013 (há cinco longos meses), houve a deflagração da Operação Aprendiz (Gaeco/Polícia Civil) e os advogados do vereador acusado tiveram irrestrito acesso a todas as provas, na Justiça Criminal. Depois foi proposta contra o edil uma ação de improbidade, na Justiça Civil e ali não havia o tal DVD, conforme alegou a defesa ao Tribunal de Justiça.

Só que omitiram que haviam tido acesso a todas a provas na Justiça Criminal. Foram traídos pela própria língua, pois em conversa interceptada por decisão judicial dialogavam sobre o tal DVD.

E agora, vão continuar fazendo Cuiabá Chorar?
*ANTONIO CAVALCANTE FILHO (CEARÁ) E VILSON NERY são ativistas do MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral)

Desembargadora Maria Aparecida suspende sessão da Câmara de Cuiabá by Enock Cavalcanti

MCCE diz que João Emanuel e Eduardo Mahon armaram o golpe do DVD e enganaram TJ by Enock Cavalcanti

Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá propõe cassação de João Emanuel by Enock Cavalcanti

Denúncia do MPE-MT, através do Gaeco, contra João Emanuel et alli by Enock Cavalcanti

12 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.215.125.99 - Responder

    Questão de tempo para cassarem o João Emanuel, o problema é que essa câmara é tão fraca que ele terá grande chance de anular isso e voltar, igual o Ralf. E o caso Júlio Pinheiro vocês vão apurar? Denúncia gravíssima que não atrapalhara em nada o caso João Emanuel!

  2. - IP 179.216.202.240 - Responder

    Nos ultimos 15 anos, todos os escândalos que pipocaram sobre a Câmara, foi o MCCE que denunciou. O que vocês estão tentando fazer é tirar o foco de cima do João emanuel e passar pra cima do Julio Pinheiro. Querem na verdade é confundir a opinião pública.

  3. - IP 177.193.158.230 - Responder

    Não entendi, isso quer dizer que vai apurar o caso Júlio Pinheiro ou não? A população quer saber se a informação da suplementação falsa procede ou não procede! Alias o ex-prefeito também deve ser investigado nesse caso.

    Dizer que não vai apurar o caso Júlio Pinheiro seria o mesmo que não investigar o João Emanuel para não atrapalhar o caso Chica Nunes ou Lutero Ponce. Cada um que responda pelo que fez ou não fez!

    Quando deixa de investigar um presidente da câmara quem ganha é só ele e não a população!

  4. - IP 189.59.62.45 - Responder

    Se entendi bem o advogado Vilson Nery quer que seja relevada a falha do MP em não trazer para os autos a prova obtida em outro processo.

    Então o advogado Eduardo Mahon vai ganhar essa, pois é ônus do autor, no caso o Ministério Público Estadual, trazer aos autos os fatos constitutivos do direito invocado.

    Se não trouxe, que arque o MPE com as conseqüencias de sua falha.

    E o promotor incompetente que seja submetido a um processo de reciclagem para aprender a fazer direito o seu trabalho.

    E o advogado Vilson Nery também deve estudar mais para dar palpites corretos.

    Ao advogado Eduardo Mahon, parabens, por tão bem saber explorar as falhas da acusação.

    Ao povo de Cuiabá, meus sentimentos, por ser vítima duas vezes, uma pelas artes praticadas na nossa casa de leis e outra pela falha do MPE.

    Ao aprendiz João Emanoel, uma sugestão: que tal aproveitar que está sendo tão bem defendido e se recolher em um período sabático???

  5. - IP 179.216.202.240 - Responder

    HOJE, 21 DE ABRIL LEMBRAMOS O NOSSO GRANDE HERÓI, JOAQUIM JOSÉ DA SILVA XAVIER, O TIRADENTES, QUE DEU SUA VIDA PELA LIBERDADE E FELICIDADE DO POVO BRASILEIRO. COMO PODE AINDA HOJE, QUASE TRZENTOS ANOS DEPOIS, EXISTIREM ALIENADOS OU CONIVÊNTES COM A BANDALHEIRA, RESPEITANDO, DEFENDENDO E VOTANDO NESSES POLITICOIDES CORRUPTOS, ESCROQUES, PULHAS E NOJENTOS QUE ASSALTAM OS COFRES PÚBLICOS?

  6. - IP 189.31.39.117 - Responder

    O senhor Antonio Cavalcante Filho poderia – para não ser relacionado entre os coniventes e alienados à bandalheira – apontar as denúncias relacionadas a Julio Pinheiro e, principalmente, esclarecer a opinião pública acerca das medidas efetivas do MCCE contra o atual presidente da Câmara. Antonio Cavalcante Filho, em suas evasivas, apenas evidencia que sua indignação é seletiva e seu furor moralizante, por alguma razão, não alcançará Julio Pinheiro. Essa postura enfraque e desautoriza o MCCE, bem como retira substância do discurso de Ceará. Há alguma aliança estratégica entre Julio Pinheiro e o MCCE? O que ganha com isso Ceará e sua ong? Estranho, muito estranho esse silêncio e as tergiversações de Ceará e sua turma!

  7. - IP 179.216.202.240 - Responder

    REPITO O QUE JA FALEI ANTES: Todo os canalhas envolvidos de fato em corrupção, em que o MCCE já denunciou ao longo dos ultimos 15 anos, se defendiam com esse mesmo discurso, de alguns comentadores aqui. Se denunciamos alguem de um determinado partido, esse nos acusa de está a mando de um outro partido, se denunciamo esse outro, esse diz que estamos a serviço daquele, se denunciamos aquele, ele nos acusa de está a mando desse. E sempre foi assim. Até mesmo os membros do Ministério Público e do Poder Judiciário quando investigam e condenam agum politiqueiro, sofrem também esse mesmo tipo de acusação que o MCCE vem sofrendo a anos. O interesante é que além do MCCE e da ONG Moral, eu nunca vi nenhum desse “comentaristas” denunciárem ninguém. Ficam apenas nos comentários de blog, face e Sites, usando não raras vezes nomes ficticios ou no anonimato das suas covardias.

  8. - IP 189.31.39.117 - Responder

    Antonio Cavalcante Filho continua seu equilibrismo circense e, lá do alto, acima do chão do picadeiro, permanece em tergiversações e contorcionismos. Em relação a Júlio Pinheiro, nenhum pio, nenhum murmúrio, silêncio absoluto… Mas Ceará comete um ato falho e, finalmente, fala em covardia. Desse modo, diante dessa confissão auricular, dessa psicanalítica abordagem de suas razões interiores. o coordenador do MCCE está dispensado de qualquer comentário em relação às denúncias de corrupção supostamente atribuídas a Júlio Pinheiro. Somos humanos e compreendemos as poderosas razões que afloram do fundo da alma de Ceará. Afinal, quem nunca se borrou um dia?

    • - IP 189.59.41.189 - Responder

      Ubirajara, vou fazer minha, a resposta que o Gilmar Bruneto, o Gauchinho da ONG Moral, deu a esse teu questionamento: “Calma moçada, tudo a seu tempo , começou com Malheiros, Dentinho depois Luiz Marinho, Chica Nunes, Lutero, Deucimar e agora João Manuel, Julio Pinheiro esta aguardando na Fila”. E novamente torno a te dizer,: isso é coisa de covarde, alienado, conivente ou de cúmplice da corrupção que acontece em todos os níveis e escalões dessa “Republiqueta de corruptos”. Agora eu te pergunto, quantos corruptos tu já contribuiu para que fosse punidos? Nenhum? Então ponha o teu bedelho na sacola e te recolha a tua insignificância:enquanto cidadão. Só temos o direito de cobrar dos outros, quando na pratica fazemos aquilo que desejamos que os outro façam.

  9. - IP 189.31.39.117 - Responder

    Basta discordar de seus argumentos para Antonio Cavalcante Filho desferir uma saraivada de impropérios. Mas Ceará formou seu pensamento, tudo indica, nas escolas stalinistas e, por isso, não admite discordância, ameaça e vocifera. Imagina uma figura carimbada dessa com poder, em cima de um tijolo que seja. Um perigo. Só não representa perigo para Júlio Pinheiro, com o qual, ao que parece, mantém um alinhamento estratégico na caça e cassação de João Emanuel. Não tenho nada contra o genro de José Riva e não conheço pessoalmente nem sogro nem genro. Mas tenho comigo, diferentemente de Ceará, que cada um deve pagar por seus pecados e colher o que semeou. Então que sogro e genro sejam punidos na forma da lei, na medida de seus pecados e respeitados o devido processo legal, o direito ao contraditório e a ampla defesa… nem mais nem menos. O mesmo vale para o vereador Júlio Pinheiro, caso tenha mesmo praticado os atos de corrupção que a mídia propala. Ceará, ao contrário, não quis nem mesmo utilizar uma expressão própria para se referir a Julio Pinheiro, tomando emprestada uma descompromissada afirmação de seu amiguinho Gauchinho. Quando a questão envolve o atual presidente da Câmara, Ceará – sempre tão falante e esculhambador – pede emprestada a frase do amiguinho. Por quê? Para não desagradar Júlio Pinheiro? Essa seletividade de Ceará incomoda e compromete o MCCE e a ong Moral. Mas o pior ainda estava por vir… Ceará cobra, como bom stalinista, que todos façam do dedurismo uma militância obrigatória em nome da boa convivência e da realização do bem comum. Não consigo me imaginar vivendo numa sociedade orientada pelo princípio da delação. Ceará, recuso-me ser alcaguete por confiar nos poderes e instituições da República encarregados de investigar, demonstrar a culpa e punir. Estabelecidas as diferenças, vou colocar “meu bedelho na sacola” e me recolher à minha insignificância, conforme aconselhou Ceará. É… Ceará é conselheiro, mas suas orientações soam como ameaças… mas creio que seja seu viés stalinista que, mesmo quando bem intencionado, faz com que suas observações propalem de modo soturno e sombrio. Sei lá, de repente ele encontrou o tijolo que buscava e já se coloca num plano revolucionário acima de todos nós. E isso sempre representará um perigo para todos… o delator pode estar ao seu lado no transporte coletivo ou caminha na calçada contrária na noite escura, armado das construções verbais de Gauchinho para não desagradar Júlio Pinheiro. Stálin não acreditaria no que se tornou seu exército…

    • - IP 177.41.88.156 - Responder

      BASTA? JÁ VI TUDO UBIRAJARA, TU É MESMO APENAS UM COVARDE PROVOCADOR…..

  10. - IP 189.31.39.117 - Responder

    Basta? Então basta… Mas que cada qual acalente a sua própria covardia, sem necessidade de incriminar essa amiga íntima que insiste em habitar a alma de todos nós e a sussurrar carinhosamente nos momentos em que a luta corre indefinida ou quando o campo de batalha, nos arrabaldes, forra-se de nossos companheiros e a morte e a solidão avançam no horizonte numa colheita implacável… Enfim, da minha covardia cuido eu na intimidade de seu ser, longe da curiosidade pública e do olhar arrogante e amaldiçoado dos fiscais da vida alheia…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

onze + nove =