CATARINE PICCIONI: MPF abre inquérito para apurar se Henry acumulou cargos

Em petição encaminhada ao STF, o advogado do parlamentar, José Antônio Álvares, explicou que o documento foi encaminhado à Câmara porque o passaporte diplomático de Pedro Henry foi outorgado pela Casa

MPF abre inquérito para apurar se Henry acumulou cargos

Catarine Piccioni
OLHAR DIRETO – BRASILIA

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso abriu inquérito civil público para apurar suposto acúmulo ilegal de cargos por parte do deputado federal Pedro Henry (PP). Ele teria sido nomeado secretário estadual de Saúde sem o devido licenciamento do mandato eletivo. A “acumulação remunerada de cargos públicos” é proibida pela Constituição e pode levar a ações judiciais por improbidade administrativa e peculato, com cobrança da devolução dos recursos recebidos de maneira irregular.

O MPF já vinha conduzindo um procedimento administrativo, mas, de acordo com o procurador da República Rodrigo Golivio Pereira, “há necessidade de mais informações sobre os fatos”. Ele justificou a abertura do inquérito dizendo ainda que o prazo do procedimento foi encerrado. Considerou também a “complexidade para solução do objeto”.

STF fixa pena de Pedro Henry em mais de sete anos de prisão e multa de quase R$ 1 milhão

PEC pretende tirar poder do Congresso sobre cassação de mandatos de condenados

Conforme o site da Câmara dos Deputados, o pepista se licenciou do mandato na legislatura 2007-2011, “em licença conjunta consecutiva, de 18 de junho a 18 de outubro de 2008”; e, “para assumir o cargo de secretário estadual de Saúde, a partir de 1º de janeiro de 2011”; depois, “licenciou-se do mandato na legislatura 2011-2015 para assumir o cargo de secretário, a partir de 2 de fevereiro de 2011”. Ainda segundo o site, ele retornou à Câmara em 16 de novembro do ano passado.

Na última segunda-feira (26), no julgamento do mensalão, o Supremo Tribunal Federal (STF) condenou o parlamentar mato-grossense a sete anos e dois meses de prisão e ao pagamento de multa de quase R$ 1 milhão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ontem, o Tribunal de Contas do Estado reprovou as contas referentes à gestão de Henry na secretaria e no fundo de Saúde. Ele é alvo de outros inquéritos e processos na Justiça, inclusive por suposto envolvimento com a máfia das ambulâncias (sanguessugas).

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × 1 =